Igreja

Igreja
A Igreja é de Cristo e é essa que o cristão deve ambicionar servir e não usar

sábado, 23 de junho de 2018

“Jesus, em teu nome procurarei almas”

"Duc in altum" – Ao largo! – Repele o pessimismo que te torna cobarde. "Et laxate retia vestra in capturam” – e lança as redes para pescar. Não vês que podes dizer, como Pedro: "In nomine tuo, laxabo rete". – Jesus, em teu nome procurarei almas?(Caminho, 792) 

Acompanhemos Jesus nesta pesca divina. Jesus está junto do lago de Genesaré e as pessoas comprimem-se à sua volta, ansiosas por ouvirem a palavra de Deus. Tal como hoje! Não estais a ver? Estão desejando ouvir a mensagem de Deus, embora o dissimulem exteriormente. Talvez alguns se tenham esquecido da doutrina de Cristo; talvez outros, sem culpa sua, nunca a tenham aprendido e olhem para a religião como coisa estranha... Mas convencei-vos de uma realidade sempre atual: chega sempre um momento em que a alma não pode mais; em que não lhe bastam as explicações vulgares; em que não a satisfazem as mentiras dos falsos profetas. E, mesmo que nem então o admitam, essas pessoas sentem fome, desejam saciar a sua inquietação com os ensinamentos do Senhor. (Amigos de Deus, 260)

São Josemaría Escrivá

O Evangelho de Domingo dia 24 de junho de 2018

Completou-se para Isabel o tempo de dar à luz e deu à luz um filho. Os seus vizinhos e parentes ouviram falar da graça que o Senhor lhe tinha feito e congratulavam-se com ela. Aconteceu que, ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e chamavam-lhe Zacarias, do nome do pai. Interveio, porém, sua mãe e disse: «Não; mas será chamado João». Disseram-lhe: «Ninguém há na tua família que tenha este nome». E perguntavam por acenos ao pai como queria que se chamasse. Ele, pedindo uma tabuinha, escreveu assim: «O seu nome é João». Todos ficaram admirados. E logo se abriu a sua boca, soltou-se a lingua e falava bendizendo a Deus. O temor se apoderou de todos os seus vizinhos, e divulgaram-se todas estas maravilhas por todas as montanhas da Judeia. Todos os que as ouviram as ponderavam no seu coração, dizendo: «Quem virá a ser este menino?». Porque a mão do Senhor estava com ele. Ora o menino crescia e se fortificava no espírito. E habitou nos desertos até ao dia da sua manifestação a Israel.

Lc 1, 57-66.80

Exorcismo

O telemóvel tocou. Uma voz aflita do outro lado: "Sr. Padre, o João está muito mal. Podia vir vê-lo".

O sacerdote já conhecia o caso. Aquele rapaz tinha feito todos os exames possíveis exames: epilepsia, convulsões, tacs... De vez em quando, assim que a avó começava a rezar o terço, ele sentia-se mal e saía. Já tinha sido acólito. Uns dias antes, a avó tinha contado o caso ao sacerdote, que se aconselhou com outro sacerdote mais velho e com mais experiência.

Naquele dia, o rapaz gritava e nada nem ninguém o conseguia acalmar. Quando o sacerdote chegou, tremia de nervoso. Abriu o ritual dos exorcismos, e começou a rezar. O João gritava ainda mais alto. Depois da litânia dos santos, o sacerdote impôs-lhe as mãos. A pouco e pouco, à medida que ia recitando as orações de exorcismo, o João foi acalmando.

Depois de terminar, o sacerdote esperou um pouco. O João não se lembra de nada. Sente-se cansado. Pede ao sacerdote para conversarem um pouco. Os outros saem.


Ainda foi preciso repetir o exorcismo várias vezes. O João voltou a ir à Missa, a rezar o terço com a avó.


Há quem tenha mais medo dos exorcismos do que do demónio. Já houve tempos em que tinha dúvidas sobre estas coisas. À semelhança daquele cura de aldeia, a constatação directa destas realidades levou-me a mudar de opinião. O demónio existe mesmo e Jesus Cristo é o único que salva. Não são os méritos (ou desméritos, no meu caso) do sacerdote que contam. A oração de libertação resulta quando se tem fé. Resulta mesmo.

Publicada por JP em 8/24/2009 06:33:00 PM

Blogue “Ubi caritas” AQUI

Educação e Liberdade

«Como posso amar e respeitar a liberdade dos meus filhos, se isso significa que muitas vezes não serei obedecido? É possível educar na liberdade?» ― são perguntas de um jovem pai com alguns filhos na “encantadora” idade da adolescência.

A verdade é que educar na liberdade não é uma tarefa nada fácil. No entanto, é o único caminho para educar de verdade, porque toda a tarefa educativa apela à liberdade das pessoas. Educar é diferente de instruir ― e está a anos-luz do conceito “domesticar”. Por isso, educar na liberdade é um caminho que é necessário aprender constantemente a percorrer, e que obriga a saber recomeçar e rectificar quantas vezes for necessário. Os pais cristãos sabem que Deus não os deixa sozinhos nesse caminho tão importante e delicado ao mesmo tempo.

Bento XVI escreveu, numa carta sobre a tarefa urgente da educação das novas gerações, que este era o ponto mais delicado da matéria: o justo equilíbrio entre a liberdade e a disciplina.

Porque existem pais e educadores que, por afã desmedido de liberdade, não educam. E outros que, por afã desmedido de educar, não respeitam a liberdade. Ambos os extremos são igualmente errados. É sobretudo neste ponto que se nota que a educação não é uma técnica que se aprende de uma vez para sempre. Assemelha-se muito mais a uma arte que é necessário aperfeiçoar constantemente.

Não podemos confundir a autoridade ― sem a qual não há educação possível ― com o autoritarismo, caricatura da verdadeira autoridade. A “ditadura familiar” requer muito pouco talento e é, como todas as suas primas ditaduras, uma péssima estratégia a curto, médio e longo prazo.

Mandar é relativamente fácil. Conseguir ser obedecido já não o é tanto. E atenção: o objectivo da educação não se reduz a conseguir ser obedecido, por muito admiráveis que sejam os mandatos. O objectivo número um da educação é preparar os filhos para que possam escolher livremente o que é melhor para eles. Em poucas palavras: ensiná-los a usarem bem a sua liberdade.

Por isso, aquilo que exige uma verdadeira arte dos pais é conseguir que os filhos obedeçam num clima de liberdade, sem nunca terem a sensação de que se lhes “rouba” a justa capacidade de iniciativa a que têm direito, de acordo com a sua idade. A autonomia de uma criança não é a mesma de um adolescente ou de um jovem. Os filhos crescem e têm de aprender a ponderar e a decidir com responsabilidade pessoal.

Amar os filhos de verdade é amar a sua liberdade ― como Deus faz com cada um de nós. Apesar de todo o empenho que os pais ponham, sempre será necessário correr um justo risco da liberdade dos filhos. Só assim o seu crescimento é verdadeiramente seu: aprendem a ponderar, decidir, rectificar e recomeçar.

Valha uma comparação para terminar: uma planta não cresce porque o jardineiro a estique, mas porque faz seu o alimento que recebe.

Pe. Rodrigo Lynce de Faria

Evangelho do dia 23 de junho de 2018

«Ninguém pode servir a dois senhores: porque ou há-de odiar um e amar o outro, ou há-de afeiçoar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas. «Portanto vos digo: Não vos preocupeis, nem com a vossa vida, acerca do que haveis de comer, nem com o vosso corpo, acerca do que haveis de vestir. Porventura não vale mais a vida que o alimento, e o corpo mais que o vestido? Olhai para as aves do céu que não semeiam, nem ceifam, nem fazem provisões nos celeiros, e, contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura não valeis vós muito mais do que elas? Qual de vós, por mais que se afadigue, pode acrescentar um só côvado à duração da sua vida? «E porque vos inquietais com o vestido? Considerai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam. Digo-vos, todavia, que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. Se, pois, Deus veste assim uma erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós, homens de pouca fé? Não vos aflijais, pois, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Com que nos vestiremos? Os gentios é que procuram com excessivo cuidado todas estas coisas. Vosso Pai sabe que tendes necessidade delas. Buscai, pois, em primeiro lugar, o reino de Deus e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão dadas por acréscimo.  Não vos preocupeis, pois, pelo dia de amanhã; o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia bastam os seus trabalhos. Não vos preocupeis, pois, pelo dia de amanhã; o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia bastam os seus trabalhos.

Mt 6, 24-34

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Se os cristãos soubessem servir!

Quando te falo do "bom exemplo", quero indicar-te também que hás-de compreender e desculpar, que hás-de encher o mundo de paz e de amor. (Forja, 560)

Se os cristãos soubessem servir! Vamos confiar ao Senhor a nossa decisão de aprender a realizar esta tarefa de serviço, porque só servindo é que poderemos conhecer e amar Cristo e dá-Lo a conhecer e conseguir que os outros O amem mais.

Como o mostraremos às almas? Com o exemplo: que sejamos testemunho seu, com a nossa voluntária servidão a Jesus Cristo em todas as nossas actividades, porque é o Senhor de todas as realidades da nossa vida, porque é a única e a última razão da nossa existência. Depois, quando já tivermos prestado esse testemunho do exemplo, seremos capazes de instruir com a palavra, com a doutrina. Assim procedeu Cristo: coepit facere et docere, primeiro ensinou com obras, e só depois com a sua pregação divina.

Servir os outros, por Cristo, exige que sejamos muito humanos. Se a nossa vida é desumana, Deus nada edificará nela, porque habitualmente não constrói sobre a desordem, sobre o egoísmo, sobre a prepotência. Precisamos de compreender todas as pessoas, temos de conviver com todos, temos de desculpar todos, temos de perdoar a todos. Não diremos que o injusto é o justo, que a ofensa a Deus não é ofensa a Deus, que o mau é bom. Todavia, perante o mal, não responderemos com outro mal, mas com a doutrina clara e com a boa acção; afogando o mal em abundância de bem. (Cristo que passa, 182)

São Josemaría Escrivá

Josemaría Escrivá e Tomás Moro

Artigo de Francesco Cossiga publicado em “Il Tempo” por ocasião da canonização de São Josemaría

Tive ocasião de me encontrar com São Josemaría Escrivá apenas uma vez, enquanto que mantive uma amizade profunda e pessoal com D. Álvaro del Portillo, seu sucessor, que, meio a sério, meio a brincar, me dizia muitas vezes entender eu plenamente a essência espiritual de Josemaría Escrivá, e a do Opus Dei que ele fundara.

Nas iniciativas apostólicas do Opus Dei que tive ocasião de conhecer, admirei especialmente o trabalho que nelas se desenvolve, e sobretudo um modelo de ensino que não tenho hesitação em apelidar de alto nível, e que o Estado deveria ter na devida conta, na actual crise do sistema de ensino italiano. Não hesito tão pouco em comparar esse sistema ao que o grande intelectual e santo, John Henry Newman, no seu excelente opúsculo The idea of a University em que, entre outras coisas, sustenta e demonstra que o fim específico da Universidade não deve ser confessional, mas sim o de transmitir cultura no sentido mais abrangente do termo, com a certeza de que uma missão natural como a de promover cultura é o terreno mais fecundo para todo e qualquer projecto de carácter religioso e moral.

O exemplo que o Opus Dei apresenta com este tipo de iniciativas no âmbito do ensino, que, depois, se estende a muitos outros aspectos do actuar humano, ajuda a configurar o verdadeiro papel dos leigos católicos. Nos dias de hoje parece claro e entendido por todos que os leigos da Igreja não são cristãos de segunda categoria e que a vocação laical não é entendida como não ter vocação religiosa, mas sim uma vocação específica na Igreja. Mas o que é ser leigo? O leigo era definido como sendo o que não é ordenado; não é subdiácono, não é diácono, nem padre, nem bispo; e também não é um religioso. Durante muito tempo, até ao Vaticano II, o leigo foi considerado membro da Igreja “por subtracção”: o leigo era aquele que não era outra coisa.

Para rebater estas convicções tão arreigadas, basta voltar a Newman: ele havia escrito um opúsculo intitulado Se é lícito e oportuno consultar os leigos em matéria de fé; pois bem um monsenhor da Cúria, um certo Talbot, não hesitou em denunciar o autor à autoridade eclesiástica pelo conteúdo do livro e o dito monsenhor afirmou que a função dos leigos na Igreja se limitava a jogar às cartas, a procriar e a ir à caça!

A pessoa que antes do Concílio teve a intuição da autonomia do papel dos leigos na Igreja e do facto de que ser leigo é uma vocação específica eclesial foi Josemaría. Escrivá. O Opus Dei é na sua essência uma instituição laical, de tal modo que o fundador procurou e encontrou os primeiros membros entre leigos empenhados em profissões liberais e não andou em busca de padres. Ao procurar um enquadramento jurídico, no início teve de acomodar-se a uma fórmula jurídica inadequada para exprimir a vocação dos membros do Opus Dei; de facto, quando Josemaría Escrivá, por volta do ano de 1946, foi ter com o então Substituto da Secretaria de Estado, Mons. Tardini, que veio depois a ser cardeal, a fim de lhe expor as suas ideias, este fez-lhe ver que essas suas ideias eram demasiado prematuras para os tempos que a Igreja estava a viver: “Talvez daqui a cinquenta anos...”, disse-lhe. Mas Escrivá começou a trabalhar para obter a solução jurídica definitiva, que é hoje a da Prelatura pessoal, já prevista nos documentos do Vaticano II.

Aqui está, pois, a intuição. O leigo tem uma vocação específica. Para o dizer com palavras minhas, o leigo é o sacerdote do tempo, é o sacerdote da história, é o sacerdote da comunidade temporal. A vocação específica do leigo é a do sacerdócio das coisas do tempo. ... na investigação, na técnica e também, acrescento eu, na política, que é a expressão temporal da justiça e da caridade. Ou consideramos a política uma projecção da caridade no tempo, isto é, de um elevado serviço aos outros ou a política não pode considerar-se de modo nenhum uma vocação para o cristão.

A certeza de Escrivá, ao considerar o leigo dotado de uma verdadeira missão na Igreja, ajuda a compreender como ele encarava sempre Tomás Moro como aquela personagem ideal, muito próxima dele. Tomás Moro foi, por assim dizer, o primeiro que teve vocação de leigo, não sem os seus escolhos. Era filho de um grande advogado que tinha tido quatro mulheres. Tomás foi enviado primeiro para a corte do Cardeal Arcebispo de Cantuária, depois foi estudar para a Saint Mary School. A seguir, tornou-se advogado e casou-se: considerava o matrimónio não como um estado inferior relativamente ao dos religiosos ou ao dos sacerdotes, mas como uma vocação específica. Foi um grande advogado, mayor de Londres, um grande diplomata, membro e speaker da Câmara dos Comuns e depois Lord Chanceler de Inglaterra, o cargo mais elevado na época.

Foi um marido excelente, pai e sobretudo um amigo; a definição que deram dele, a de nascido para a amizade, born for friendship, e de homem para a eternidade, que em Inglaterra significa um homem que sabia viver como cristão em todas as circunstâncias do seu tempo.

Defendeu as prerrogativas da coroa contra o Papa mas, quando chegou o momento de permanecer fiel à sua consciência, ele, que não tinha o culto da consciência, não hesitou em desobedecer ao Rei porque ao Rei não lhe assistia o direito de impor aos cidadãos uma verdade religiosa. Foi leigo e talvez o primeiro santo leigo, de tal modo – a hipótese é minha – que, se tivesse vivido nos nossos dias, poderia talvez ter pertencido ao Opus Dei.

É o primeiro Santo com vocação exclusivamente laical. E porque me dei conta que a única categoria profissional que não tinha santo patrono era a dos governantes e políticos, e só Deus sabe quanto os governantes e políticos necessitam de um patrono, em 1984, iniciei, estimulado e ajudado pelo Prelado do Opus Dei, a recolha de assinaturas para que fosse nomeado Tomás Moro. Consegui assinaturas de pessoas da direita, do centro e da esquerda, em Itália e no estrangeiro; foram milhares até conseguir o objectivo durante o Jubileu dos políticos.

Tomás Moro foi uma figura extraordinária, e compreende-se porque agradava tanto a São Josemaría Escrivá: devia ver nele o prenúncio da vocação laical porque Tomás Moro viveu plenamente a condição de leigo como advogado, como diplomata, como político, como marido e como pai, até às últimas consequências. E sem saber que iria ser mártir. Compreende-se como o pensamento de Escrivá e a vida de Tomás Moro se conciliam, e como se deu uma conjunção entre a espiritualidade do fundador do Opus Dei e a espiritualidade “vivida” de Tomás Moro.

Suplemento de Il Tempo, Roma, 6 Outubro de 2002

(Fonte: site 'São Josemaria Escrivá em http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/josemaria-escriva-e-tomas-moro)

São Tomás More - Padroeiro dos políticos

Tomás More, nasceu em Chelsea, Londres, Inglaterra, no ano de 1478. Seus pais eram cristãos e educaram os filhos como tal. Aos treze anos de idade, foi trabalhar como mensageiro do Arcebispo de Canterbury. Este apercebendo-se da sua brilhante inteligência, enviou-o para na Universidade de Oxford. O seu pai que era juiz, enviava-lhe apenas o dinheiro indispensável para as suas despesas.

Aos vinte e dois anos já era Doutor em Direito e um brilhante Professor. Como não tinha dinheiro, sua diversão era escrever e ler bons livros. Além de intelectual brilhante tinha uma personalidade muito simpática, um excelente bom humor e uma devoção cristã arrebatadora. Chegou a pensar em ser religioso, vivendo por quatro anos num mosteiro, mas desistiu. Tentou tornar-se franciscano, mas sentiu que não era o seu caminho. Então, decidiu pela vocação do matrimónio. Casou-se e teve quatro filhos, foi um excelente esposo e pai, carinhoso e presente. Mas sua vocação ia mais além, centrava-se na política e na literatura.

Contudo Tomás nunca se afastou dos pobres e necessitados, os quais visitava para melhor atender às suas reais necessidades. A sua casa estava sempre repleta de intelectuais e pessoas humildes. Preferindo estes aos ricos, evitando a vida sofisticada e mundana da corte. Sua esposa e filhos amavam e admiravam-no, pelo carácter e bom humor, que era constante em qualquer situação. A sua contribuição para a literatura universal foi importante e relevante. Escreveu obras famosas como: "O diálogo do conforto contra as tribulações", um dos mais tradicionais e respeitados livros da literatura britânica. Outros livros famosos foram: "Utopia" e "Oração para o bom humor".

Em 1529, Tomás More era o Chanceler do Parlamento da Inglaterra e do Rei, Henrique VIII.

No ano seguinte o Rei tentou desfazer seu legítimo matrimónio com a Rainha Catarina de Aragão, para se unir em novo enlace com a cortesã Ana Bolena. Houve uma longa controvérsia a este respeito, envolvendo a Igreja, a Inglaterra e boa parte do mundo, que acabou numa grande tragédia. Henrique VIII casou com Ana, contrariando todas as leis da Igreja que se baseiam no Evangelho e reconhece a indissolubilidade do matrimónio. Para atingir o seu objectivo usou o Parlamento Inglês, que se curvou, e publicou o Acto de Supremacia, que proclamava o Rei e seus sucessores como chefes temporais da Igreja da Inglaterra.

A seguir o Rei mandou prender e matar seus opositores. Entre eles estavam: o chanceler Tomás More e o Bispo católico John Fisher, as figuras mais influentes da corte. Os dois foram decapitados: o primeiro foi João em 22 de Junho de 1535, e duas semanas depois foi a vez de Tomás, que não aceitou o pedido de sua família, para renegar a religião católica, sua fé e ainda fugir da Inglaterra.

Ambos foram mártires na Inglaterra, que com o seu testemunho cristão combateram a favor da unidade da Igreja Católica Apostólica Romana, num tempo de violência e paixão. As sua memórias continuam vivas em verso e prosa, nos teatros e nos cinemas. Seus exemplos são reverenciados pela Igreja, pois eles foram canonizados na mesma cerimónia pelo Papa Pio XI, em 1935, que indicou o dia 22 de Junho, para a festa de ambos.

São Tomás More deixou registada a sua irreverência àquela farsa real, através da declaração pública que pronunciou antes de morrer: "Sedes minhas testemunhas de que eu morro na fé e pela fé da Igreja de Roma e morro fiel servidor de Deus e do Rei, mas primeiro de Deus. Rogai a Deus a fim de que ilumine o Rei e o aconselhe".

O Papa João Paulo II no ano 2000, declarou São Tomás More, padroeiro dos políticos.

S. Thomas More (leigo mártir, †1535)

Inglês, nascido em 1477, foi decapitado em Londres, por ordem de Henrique VIII pela sua fidelidade à Sé apostólica romana. Estudou na Universidade de Oxford. Era de carácter extremamente simpático. De honrada burguesia, filho de um juiz. Foi pajem do arcebispo de Cantuária. Pai de família, teve um filho e três filhas. Era jurista e amigo de Erasmo, que lhe dedicou a sua obra-prima: "O Elogio da loucura". Foi nomeado chanceler do Reino. 
Deixou várias obras escritas, versando sobre negócios civis e liberdade religiosa. A sua obra mais conhecida intitula-se "A Utopia" (vocábulo grego que significa: em parte nenhuma). 

Opôs-se duramente ao divórcio de Henrique VIII, que desejava anular seu primeiro casamento a fim de casar-se com Ana Bolena. Recusou-se a comparecer aos cerimoniais de coroação da nova rainha. Por ordem do rei, foi preso e lançado na Torre de Londres. Na prisão escreveu Diálogo do Conforto nas Tribulações. 

Mesmo condenado à decapitação, não perdeu o seu peculiar bom humor cristão, sua naturalidade e simplicidade. No dia da execução, pediu ajuda para subir ao cadafalso. E disse ao povo: "Morro leal a Deus e ao Rei, mas a Deus antes de tudo". E abraçando o carrasco, disse: "Coragem, amigo, não tenhas medo! Mas como tenho o pescoço muito curto, atenção! Está nisso a tua honra!" E pediu para que não lhe estragasse a barba, porque ela, ao menos, não cometera nenhuma traição. Morreu no dia 6 de Julho de 1535. Foi beatificado em 1886 por Leão XIII e canonizado em 1935 por Pio XI. 

(Fonte: Evangelho Quotidiano)

S. João Fisher (bispo mártir, †1535)

João Fisher nasceu no ano de 1469, estudou em Cambridge (Inglaterra) e foi ordenado sacerdote. Mais tarde, foi nomeado bispo de Rochester, cargo que exerceu com uma vida de grande austeridade e intenso zelo apostólico, visitando com frequência os seus fiéis. Escreveu também diversas obras contra os erros do seu tempo.

Foi decapitado em 1535 por ordem do rei Henrique VIII, por se ter recusado a ceder na questão da pretendida anulação do seu matrimónio. Enquanto estava no cárcere, foi designado cardeal pelo papa Paulo III.

(Fonte: Evangelho Quotidiano)

Evangelho do dia 22 de junho de 2018

«Não acumuleis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e a traça os consomem, e onde os ladrões arrombam as paredes e roubam. Entesourai para vós tesouros no céu, onde nem a ferrugem nem a traça os consomem, e onde os ladrões não arrombam as paredes nem roubam. Porque onde está o teu tesouro, aí está também o teu coração. «O olho é a lâmpada do corpo. Se o teu olho for são, todo o teu corpo terá luz. Mas, se teu olho for malicioso todo o teu corpo estará em trevas. Se, pois, a luz que há em ti é trevas, quão tenebrosas serão essas trevas!

Mt 6, 19-23