Obrigado, Perdão Ajuda-me

Obrigado, Perdão Ajuda-me
As minhas capacidades estão fortemente diminuídas com lapsos de memória e confusão mental. Esta é certamente a vontade do Senhor a Quem eu tudo ofereço. A vós que me leiam rogo orações por todos e por tudo o que eu amo. Bem-haja!

sexta-feira, 27 de março de 2020

Momento extraordinário de oração em tempo de epidemia - Papa Francisco

«Ao entardecer…» (Mc 4, 35): assim começa o Evangelho, que ouvimos. Desde há semanas que parece o entardecer, parece cair a noite. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo dum silêncio ensurdecedor e um vazio desolador, que paralisa tudo à sua passagem: pressente-se no ar, nota-se nos gestos, dizem-no os olhares. Revemo-nos temerosos e perdidos. À semelhança dos discípulos do Evangelho, fomos surpreendidos por uma tempestade inesperada e furibunda. Demo-nos conta de estar no mesmo barco, todos frágeis e desorientados mas ao mesmo tempo importantes e necessários: todos chamados a remar juntos, todos carecidos de mútuo encorajamento. E, neste barco, estamos todos. Tal como os discípulos que, falando a uma só voz, dizem angustiados «vamos perecer» (cf. 4, 38), assim também nós nos apercebemos de que não podemos continuar estrada cada qual por conta própria, mas só o conseguiremos juntos.

Rever-nos nesta narrativa, é fácil; difícil é entender o comportamento de Jesus. Enquanto os discípulos naturalmente se sentem alarmados e desesperados, Ele está na popa, na parte do barco que se afunda primeiro... E que faz? Não obstante a tempestade, dorme tranquilamente, confiado no Pai (é a única vez no Evangelho que vemos Jesus a dormir). Acordam-No; mas, depois de acalmar o vento e as águas, Ele volta-Se para os discípulos em tom de censura: «Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» (4, 40).

Procuremos compreender. Em que consiste esta falta de fé dos discípulos, que se contrapõe à confiança de Jesus? Não é que deixaram de crer N’Ele, pois invocam-No; mas vejamos como O invocam: «Mestre, não Te importas que pereçamos?» (4, 38) Não Te importas: pensam que Jesus Se tenha desinteressado deles, não cuide deles. Entre nós, nas nossas famílias, uma das coisas que mais dói é ouvirmos dizer: «Não te importas de mim». É uma frase que fere e desencadeia turbulência no coração. Terá abalado também Jesus, pois não há ninguém que se importe mais de nós do que Ele. De facto, uma vez invocado, salva os seus discípulos desalentados.

A tempestade desmascara a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projetos, os nossos hábitos e prioridades. Mostra-nos como deixamos adormecido e abandonado aquilo que nutre, sustenta e dá força à nossa vida e à nossa comunidade. A tempestade põe a descoberto todos os propósitos de «empacotar» e esquecer o que alimentou a alma dos nossos povos; todas as tentativas de anestesiar com hábitos aparentemente «salvadores», incapazes de fazer apelo às nossas raízes e evocar a memória dos nossos idosos, privando-nos assim da imunidade necessária para enfrentar as adversidades.

Com a tempestade, caiu a maquilhagem dos estereótipos com que mascaramos o nosso «eu» sempre preocupado com a própria imagem; e ficou a descoberto, uma vez mais, aquela (abençoada) pertença comum a que não nos podemos subtrair: a pertença como irmãos.

«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Nesta tarde, Senhor, a tua Palavra atinge e toca-nos a todos. Neste nosso mundo, que Tu amas mais do que nós, avançamos a toda velocidade, sentindo-nos em tudo fortes e capazes. Na nossa avidez de lucro, deixamo-nos absorver pelas coisas e transtornar pela pressa. Não nos detivemos perante os teus apelos, não despertamos face a guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo. Avançamos, destemidos, pensando que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente. Agora nós, sentindo-nos em mar agitado, imploramos-Te: «Acorda, Senhor!»

«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Senhor, lanças-nos um apelo, um apelo à fé. Esta não é tanto acreditar que Tu existes, como sobretudo vir a Ti e fiar-se de Ti. Nesta Quaresma, ressoa o teu apelo urgente: «Convertei-vos…». «Convertei-Vos a Mim de todo o vosso coração» (Jl 2, 12). Chamas-nos a aproveitar este tempo de prova como um tempo de decisão. Não é o tempo do teu juízo, mas do nosso juízo: o tempo de decidir o que conta e o que passa, de separar o que é necessário daquilo que não o é. É o tempo de reajustar a rota da vida rumo a Ti, Senhor, e aos outros. E podemos ver tantos companheiros de viagem exemplares, que, no medo, reagiram oferecendo a própria vida. É a força operante do Espírito derramada e plasmada em entregas corajosas e generosas. É a vida do Espírito, capaz de resgatar, valorizar e mostrar como as nossas vidas são tecidas e sustentadas por pessoas comuns (habitualmente esquecidas), que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas, nem nas grandes passarelas do último espetáculo, mas que hoje estão, sem dúvida, a escrever os acontecimentos decisivos da nossa história: médicos, enfermeiros e enfermeiras, trabalhadores dos supermercados, pessoal da limpeza, curadores, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas e muitos – mas muitos – outros que compreenderam que ninguém se salva sozinho. Perante o sofrimento, onde se mede o verdadeiro desenvolvimento dos nossos povos, descobrimos e experimentamos a oração sacerdotal de Jesus: «Que todos sejam um só» (Jo 17, 21). Quantas pessoas dia a dia exercitam a paciência e infundem esperança, tendo a peito não semear pânico, mas corresponsabilidade! Quantos pais, mães, avôs e avós, professores mostram às nossas crianças, com pequenos gestos do dia a dia, como enfrentar e atravessar uma crise, readaptando hábitos, levantando o olhar e estimulando a oração! Quantas pessoas rezam, se imolam e intercedem pelo bem de todos! A oração e o serviço silencioso: são as nossas armas vencedoras.

«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» O início da fé é reconhecer-se necessitado de salvação. Não somos autossuficientes, sozinhos afundamos: precisamos do Senhor como os antigos navegadores, das estrelas. Convidemos Jesus a subir para o barco da nossa vida. Confiemos-Lhe os nossos medos, para que Ele os vença. Com Ele a bordo, experimentaremos – como os discípulos – que não há naufrágio. Porque esta é a força de Deus: fazer resultar em bem tudo o que nos acontece, mesmo as coisas ruins. Ele serena as nossas tempestades, porque, com Deus, a vida não morre jamais.

O Senhor interpela-nos e, no meio da nossa tempestade, convida-nos a despertar e ativar a solidariedade e a esperança, capazes de dar solidez, apoio e significado a estas horas em que tudo parece naufragar. O Senhor desperta, para acordar e reanimar a nossa fé pascal. Temos uma âncora: na sua cruz, fomos salvos. Temos um leme: na sua cruz, fomos resgatados. Temos uma esperança: na sua cruz, fomos curados e abraçados, para que nada e ninguém nos separe do seu amor redentor. No meio deste isolamento que nos faz padecer a limitação de afetos e encontros e experimentar a falta de tantas coisas, ouçamos mais uma vez o anúncio que nos salva: Ele ressuscitou e vive ao nosso lado. Da sua cruz, o Senhor desafia-nos a encontrar a vida que nos espera, a olhar para aqueles que nos reclamam, a reforçar, reconhecer e incentivar a graça que mora em nós. Não apaguemos a mecha que ainda fumega (cf. Is 42, 3), que nunca adoece, e deixemos que reacenda a esperança.
Abraçar a sua cruz significa encontrar a coragem de abraçar todas as contrariedades da hora atual, abandonando por um momento a nossa ânsia de omnipotência e possessão, para dar espaço à criatividade que só o Espírito é capaz de suscitar. Significa encontrar a coragem de abrir espaços onde todos possam sentir-se chamados e permitir novas formas de hospitalidade, de fraternidade e de solidariedade. Na sua cruz, fomos salvos para acolher a esperança e deixar que seja ela a fortalecer e sustentar todas as medidas e estradas que nos possam ajudar a salvaguardar-nos e a salvaguardar. Abraçar o Senhor, para abraçar a esperança. Aqui está a força da fé, que liberta do medo e dá esperança.

«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Queridos irmãos e irmãs, deste lugar que atesta a fé rochosa de Pedro, gostaria nesta tarde de vos confiar a todos ao Senhor, pela intercessão de Nossa Senhora, saúde do seu povo, estrela do mar em tempestade. Desta colunata que abraça Roma e o mundo desça sobre vós, como um abraço consolador, a bênção de Deus. Senhor, abençoa o mundo, dá saúde aos corpos e conforto aos corações! Pedes-nos para não ter medo; a nossa fé, porém, é fraca e sentimo-nos temerosos. Mas Tu, Senhor, não nos deixes à mercê da tempestade. Continua a repetir-nos: «Não tenhais medo!» (Mt 14, 27). E nós, juntamente com Pedro, «confiamos-Te todas as nossas preocupações, porque Tu tens cuidado de nós» (cf. 1 Ped 5, 7).

Deus ama quem dá com alegria

Sofres! – Pois olha: "Ele" não tem o coração mais pequeno do que o nosso. – Sofres? É porque convém. (Caminho, 230)

Advirto-te que as grandes penitências são compatíveis também com as quedas espalhafatosas, provocadas pela soberba. Em contrapartida, com esse desejo contínuo de agradar a Deus nas pequenas batalhas pessoais – como sorrir quando não se tem vontade: asseguro-vos, aliás, que em certas ocasiões torna-se mais custoso um sorriso do que uma hora de cilício – é difícil alimentar o orgulho, a ridícula ingenuidade de nos considerarmos heróis notáveis: ver-nos-emos como uma criança que apenas consegue oferecer ninharias ao seu pai, que as recebe, no entanto, com imensa alegria.

Então, um cristão há-de ser sempre mortificado? Sim, mas por amor. (…)Talvez até agora não nos tivéssemos sentido urgidos a seguir tão de perto os passos de Cristo. Talvez não nos tivéssemos apercebido de que podemos unir ao seu sacrifício reparador as nossas pequenas renúncias: pelos nossos pecados, pelos pecados dos homens de todas as épocas, por esse trabalho malvado de Lúcifer que continua a opor a Deus o seu non serviam! Como nos atreveremos a clamar sem hipocrisia: Senhor, doem-me as ofensas que ferem o teu Coração amabilíssimo, se não nos decidimos a privar-nos de uma ninharia ou a oferecer um sacrifício minúsculo em honra do seu Amor? A penitência – verdadeiro desagravo – lança-nos pelo caminho da entrega, da caridade. Entrega para reparar e caridade para ajudar os outros, como Cristo nos ajudou a nós.

De agora em diante, tende pressa de amar. O amor impedir-nos-á a queixa e o protesto. Porque com frequência suportamos a contrariedade, sim; mas lamentamo-nos; e então, além de desperdiçar a graça de Deus, cortamos-lhe as mãos para futuros pedidos. Hilarem enim datorem diligit Deus. Deus ama o que dá com alegria, com a espontaneidade que nasce de um coração enamorado, sem os espalhafatos de quem se entrega como se prestasse um favor.  (Amigos de Deus, 139–140)

São Josemaría Escrivá

ESTADO DE EMERGÊNCIA CRISTÃ

Uma proposta diária de oração pessoal e familiar.

9º Dia. Sexta-feira, 27 de Março de 2020.

Meditação da Palavra de Deus (Jo 7,1-2. 10. 25-30)

Aprender a ser igreja doméstica

“Naquele tempo, Jesus percorria a Galileia, evitando andar pela Judeia, porque os judeus procuravam dar-Lhe a morte”. Não obstante esta inicial atitude de Cristo, não só os seus parentes mas também Ele subiu a Jerusalém. “Diziam então algumas pessoas de Jerusalém: ‘Não é este homem que procuram matar? Vede como fala abertamente e não Lhe dizem nada.’”

A primeira atitude de Nosso Senhor é de prudência: evita estar na Judeia, onde já era procurado por aqueles que O queriam matar. Também nós devemos ser prudentes, nas actuais circunstâncias, acatando as indicações das competentes autoridades sanitárias. Proceder de outro modo não seria apenas um possível crime, mas também um pecado, porque o quinto mandamento da Lei de Deus a todos obriga preservar a própria vida e a dos semelhantes, evitando comportamentos de risco.

O regresso à Galileia era, para Jesus, um voltar à sua vida familiar em Nazaré. Para muitos cristãos, o obrigatório recolhimento caseiro é também uma extraordinária ocasião para uma mais intensa vida de oração, pessoal e familiar.

Que bom seria que os pais aproveitassem esta circunstância para enriquecer a vida cristã das suas famílias! Que bom seria que os pais e filhos ganhassem o hábito de rezar em família, unidos ao Santo Padre, que hoje nos concede a sua bênção, com possibilidade de lucrar a indulgência plenária! Que bom seria que, neste período de necessária interrupção da catequese paroquial, os pais falassem ‘abertamente’ de Jesus aos seus filhos, não apenas com a sua palavra, mas sobretudo com o seu exemplo e vida cristã!

Que Jesus, Maria e José abençoem todas as nossas famílias, para que sejam imagem e semelhança da Sagrada Família de Nazaré!

Intenções para os mistérios dolorosos do Santo Rosário de Nossa Senhora:

1º - A oração de Jesus no horto. Enquanto Jesus reza sozinho, os apóstolos dormem. Esta sua sonolência é prenúncio da sua traição, porque abandonar a oração é pôr-se em ocasião de cair na tentação.

2º - A flagelação de Jesus. De pouco ou nada serve a curiosidade em relação às notícias sobre a actual pandemia, se não for para rezar pelos doentes e sufragar os mortos.

3º - A coroação de espinhos. Pior do que o sofrimento físico, é, certamente, o moral. Rezemos para que todos os que agora padecem, no corpo ou na alma, descubram, em Cristo, o valor redentor do sofrimento humano.

4º - Jesus com a cruz às costas. Ao abraçar a Cruz, Jesus, carpinteiro, terá recordado os anos vividos na oficina de Nazaré. É no trabalho que Cristo nos espera, para que o saibamos realizar com o mesmo amor com que Jesus carregou a Cruz.

5º - Jesus morre na Cruz. Na iminência da sua morte, Jesus não pensa n’Ele, mas em sua Mãe e no discípulo amado. Rezemos pelas mães que perderam os seus filhos, pelos casados que perderam os seus cônjuges e pelos filhos que ficaram órfãos.

Para ler, meditar e partilhar! Obrigado e até amanhã, se Deus quiser!

Com amizade,
P. Gonçalo Portocarrero de Almada

O fio da meada

As notícias do Vaticano atropelam-se, com novos livros e documentos a sair a cada momento. Destaco três: o livro «O Nome de Deus é Misericórdia», com uma entrevista ao Papa Francisco; uma lição de Bento XVI, também sob a forma de entrevista, e a Exortação de 200 páginas «Sobre a Família Hoje» promulgada pelo Papa Francisco.

Qual é o fio da meada deste turbilhão editorial?

«O Nome de Deus é misericórdia» é leitura obrigatória para perceber a Igreja do século XXI e o actual pontificado. Formalmente, é uma entrevista; na realidade é uma síntese, em primeira pessoa, do pensamento de Francisco. O tema central é a reconciliação, o actual ano jubilar dedicado à misericórdia, a pacificação das relações sociais e internacionais, mas sobretudo aquilo que o Papa considera o elemento característico da reconciliação: a Confissão. As explicações são vivas e claras. Por exemplo, acerca da razão para nos confessarmos a um padre em vez de só pedirmos perdão a Deus. São abundantes os neologismos e os «slogans». Por exemplo, «pecadores sim, corruptos não!»: não interessa se as faltas são grandes ou pequenas; pecadores são aqueles que se arrependem e se confessam, corruptos são aqueles que acham que não precisam de se confessar. O Papa alegra-se porque o número de confissões está a aumentar no mundo. Já na Bula do Ano da Misericórdia tinha falado de «tantas pessoas que se estão a aproximar do sacramento da Reconciliação, especialmente muitos jovens... coloquemos novamente no centro, com convicção, o sacramento da Reconciliação, porque permite tocar com a mão a grandeza da misericórdia» («Misericordiæ vultus», 17). Quando o jornalista lhe pergunta o que espera do ano jubilar, o Papa responde: que cada cristão faça uma confissão bem feita.

A entrevista a Bento XVI é uma peça rara, porque o Papa emérito decidiu que a sua actual função é rezar e não discursar. A entrevista dirige-se a um congresso de teologia reunido em Roma e vários dos argumentos inserem-se em discussões teológicas um pouco técnicas. No entanto, o texto tem interesse para o público em geral, sobretudo por dois pontos. Primeiro, que a insistência de Francisco na misericórdia é um «sinal dos tempos», em sentido teológico, ou seja, uma intervenção do Espírito Santo na história da Igreja. Segundo, evangelizar o mundo é um dever de lealdade e de amor para com Jesus Cristo.

O Papa Francisco promulgou a Exortação pós-sinodal sobre a família no dia 19 de Março, festa de S. José. Já se pode reservar, mas vai demorar uns dias a chegar às livrarias. Recentemente, em Lisboa, o Presidente do Pontifício Conselho para a Família deu a primeira notícia: trata-se de um «hino ao amor», de uma afirmação da beleza da vida familiar, de um encorajamento a comprometermo-nos num amor mais forte. O próprio Papa acrescentou algumas explicações: Deus perdoa todos os erros dos homens, ama-nos mais do que podemos imaginar. Ninguém deve pensar que a sua vida está tão embrulhada que não tem solução, como se a saída justa fosse demasiado difícil para o próprio ou para os outros. Mesmo que a pessoa não esteja de momento em condições de comungar, há um caminho a percorrer cheio de confiança. É preciso pedir ajuda a Deus. E o Deus da Misericórdia dará a coragem e mostrará em cada caso o caminho, que é também o caminho do Céu.

O Papa escreve um hino ao amor verdadeiro, quando alguns esperavam que a Igreja declarasse guerra a si própria. O Cardeal Müller (colaborador próximo do Papa, responsável pela Congregação para a Doutrina da Fé) justifica – num livro que também acaba de sair – que «a misericórdia não é renunciar aos Mandamentos de Deus (...). O maior escândalo da Igreja seria ela desistir de chamar pelo nome a diferença entre o bem e o mal (...)». Em resumo, o nome da misericórdia é conversão.

Por estes dias, o Arcebispo Georg Gänswein (que trabalha com Francisco como Prefeito da Casa Pontifícia e continua a ser o secretário de Bento XVI) deu uma longa entrevista à emissora alemã «Deutsche Welle», que também vale a pena mencionar, sobretudo pelas referências à sintonia entre o Papa actual e o Papa emérito, e porque antecipa que a Exortação que está a chegar às bancas se situa nessa linha.
José Maria C.S. André
Spe Deus
27-III-2016

Conhecer o sentido da nossa vida

Ele era muito despistado. Viajava há horas num comboio submergido na leitura dum romance policial. Estava de tal modo concentrado, que não apreciava a magnífica paisagem que aparecia na sua janela. Num determinado momento, passou o revisor. Com muita delicadeza, chamou-o à realidade deste mundo e pediu-lhe, por favor, que lhe mostrasse o bilhete. Ele começou a procurá-lo em todos os bolsos. Não o conseguia encontrar.

Os outros passageiros olhavam para a cena com uma certa apreensão. Aquele cavalheiro, tão elegante no modo de vestir, não aparentava nem remotamente estar a viajar de graça. Ele parecia estar desorientado. Fechou o livro sem lhe deixar uma marca. Suava por todos os poros e tinha muitos, porque era corpulento. O revisor ficou com pena. Era evidente que aquele senhor não o estava a enganar. Tantas vezes tinha lidado com situações dessas. Aquela era diferente. «Não se preocupe. Quando encontrar o bilhete, diga-me alguma coisa. Vou continuar o meu trabalho. Não lhe farei pagar outra vez». «Não é pagar outro bilhete que me preocupa. O que de verdade me preocupa é que eu já não me lembro para onde é que vou».

Uma pessoa não pode viajar sem saber antes para onde é que se dirige. Tal afirmação é tão óbvia que parece ridícula. No entanto, hoje em dia, vemos muitas pessoas que viajam nesta vida sem saberem muito bem para onde é que vão. A pergunta pelo sentido da vida parece-lhes própria de pessoas mais velhas. Própria de quem não soube aproveitar a juventude vivendo-a intensamente. Uma pergunta teórica, que não muda nada, e que nunca terá uma resposta séria. Como as respostas não se podem provar cientificamente, todas elas são válidas. Logo, nenhuma pode considerar-se verdadeira. Logo, a própria pergunta não tem muito sentido.

Quem viaja por esta vida sem um norte, acaba por pensar que o que verdadeiramente tem sentido é viver intensamente o momento presente. Conhecer a vida e tudo aquilo que ela tem para nos dar. Acumular experiências. Quanto mais experiências, melhor. Dentro de pouco acaba-se o tempo e seria uma pena sair deste mundo sem ter experimentado tudo. Seria um verdadeiro fracasso. Um fracasso, além disso, irremediável.

Existe algo mais importante do que conhecer profundamente esta vida? Do que conhecer tudo o que ela tem para nos dar? Sim. Existe. Conhecer o sentido que ela tem. Que este conhecimento não seja científico nem experimental, não significa que não seja verdadeiro. E muito menos que nos seja inútil. Este sentido só se pode descobrir com um pouco de silêncio. E pode continuar a ignorar-se depois de muitas experiências variadas. Nem sempre o conhecimento que provém da experiência é o melhor. Se assim fosse, como disse alguém de um modo ousado, uma pessoa de má vida saberia melhor o que é o amor humano do que qualquer pessoa casada. E não parece que seja assim.

Pe. Rodrigo Lynce de Faria

S. João Damasceno, presbítero, Doutor da Igreja, †749

João de Damasceno nasceu mais ou menos na metade do século VII de família árabe cristã e morreu em 749. É considerado o último representante da patrística grega e equivalente oriental de Santo Isidoro de Sevilha, por suas obras monumentais como " A Fonte do Conhecimento". A sua atividade literária é multiforme: passeia com autoridade da poesia à liturgia, da eloquência à filosofia e à apologética. Filho de um alto funcionário do califa de Damasco, João foi companheiro de brinquedos do príncipe Yazid, que mais tarde o promoveu ao mesmo encargo do pai, que corresponde mais ou menos ao de ministro das finanças. Na qualidade de Logoteta, foi representante civil da comunidade cristã junto às autoridades árabes.

A um determinado ponto João deixou a corte, demitindo-se do alto cargo, provavelmente pelas tendências anti-cristãs do califa. Em companhia do irmão Cosme, futuro bispo de Maiouma, retirou-se para o mosteiro de São Sabas, preparando-se para o cargo de regedor titular da basílica do Santo Sepulcro.

(Fonte: Evangelho Quotidiano)