Obrigado, Perdão Ajuda-me

Obrigado, Perdão Ajuda-me
As minhas capacidades estão fortemente diminuídas com lapsos de memória e confusão mental. Esta é certamente a vontade do Senhor a Quem eu tudo ofereço. A vós que me leiam rogo orações por todos e por tudo o que eu amo. Bem-haja!

terça-feira, 24 de março de 2020

Amar significa recomeçar todos os dias a servir

"Estes dias – dizias-me – foram mais felizes do que nunca!". E respondi-te sem hesitar: porque "viveste" um pouco mais entregue do que habitualmente. (Sulco, 7)

Recordem a parábola dos talentos. Aquele servo que só recebeu um podia – como os companheiros  empregá-lo bem, procurar que rendesse, usando as suas qualidades. E que decide? Tem medo de o perder. E está certo. Mas, e depois? Enterra-o! E acaba por não dar fruto.

Não esqueçamos este caso de temor doentio de aproveitar honradamente a capacidade de trabalho, a inteligência, a vontade, o homem todo. Enterro-o – parece afirmar esse desgraçado , mas a minha liberdade fica a salvo! Não. A liberdade inclinou-se para uma coisa muito concreta, para a mais pobre e árida secura. Optou, porque não tinha outro remédio senão escolher; mas escolheu mal.

Nada mais falso do que opor a liberdade à entrega, porque a entrega surge como consequência da liberdade. Reparem que, quando uma mãe se sacrifica por amor aos filhos, escolheu; e, segundo a medida desse amor, assim se manifestará a sua liberdade. Se esse amor é grande, a liberdade será fecunda e o bem dos filhos nasce dessa bendita liberdade, que pressupõe entrega, e nasce dessa bendita entrega, que é precisamente liberdade.

Mas, perguntar-me-ão, quando conseguimos o que amamos com toda a alma, já não continuamos a procurá-lo. Desapareceu a liberdade? Garanto-vos que então é mais activa do que nunca, porque o amor não se contenta com um cumprimento rotineiro, nem se coaduna com o fastio e a apatia. Amar significa recomeçar todos os dias a servir, com obras de carinho.

Insisto, e gostaria de gravá-lo a fogo em cada um: a liberdade e a entrega não se contradizem; apoiam-se mutuamente. A liberdade só se pode entregar por amor; não concebo outra espécie de desprendimento. Não é um jogo de palavras mais ou menos acertado. Na entrega voluntária, em cada instante dessa dedicação, a liberdade renova o amor e renovar-se é ser continuamente jovem, generoso, capaz de grandes ideais e de grandes sacrifícios. (Amigos de Deus, 30–31)

São Josemaría Escrivá

ESTADO DE EMERGÊNCIA CRISTÃ

Uma proposta de oração, pessoal e familiar, para cada dia.

6º Dia. Terça-feira, 24 de Março de 2020.

Meditação da Palavra de Deus (Jo 5, 1-16):

Senhor, não tenho ninguém!

“Naquele tempo, por ocasião de uma festa dos judeus, Jesus subiu a Jerusalém. Existe em Jerusalém, junto à porta das ovelhas, uma piscina chamada em hebraico, Betsatá, que tem cinco pórticos. E neles jaziam numerosos doentes, cegos, coxos e paralíticos.”

A grande afluência de deficientes tinha uma explicação: eram atribuídos efeitos curativos às águas daquela piscina, sobretudo depois das descargas que da mesma se faziam de vez em quando. Pode ser que essas águas fossem ricas em ferro, ou em algum outro minério, mas também poderia ser que a sua extraordinária capacidade curativa se devesse a alguma intervenção sobrenatural, como sugeria o texto da Bíblia vulgata. Contudo, só os primeiros que mergulhavam na piscina depois de cada descarga podiam beneficiar desse seu extraordinário efeito medicinal.

Quando Jesus chegou aquele lugar, encontrou lá, prostrado, um paralítico, que o era há trinta e oito anos. O Senhor estranhou que ainda não tivesse sido curado, mas ele explicou: “não tenho ninguém que me introduza na piscina, quando a água é agitada; enquanto eu vou, outro desce antes de mim”. Compadecido pela sua indigência, Jesus curou-o, causando a indignação dos fariseus, pois era sábado.

Geralmente, atirar alguém para uma piscina não é um acto de caridade mas, naquele caso, era a pequena ajuda de que aquele homem precisava para ser curado. Ao drama da sua doença, acrescia o da sua solidão: não tinha ninguém que o ajudasse a dar esse salto, de que dependia a sua saúde e a sua vida.

Que nunca ninguém nos seja indiferente! Que nunca nenhuma pessoa, que esteja fisicamente ao nosso lado, possa dizer que não tem ninguém! Que nunca deixemos de ‘empurrar’ o nosso próximo para Deus, sobretudo com a oração, o sacrifício, o exemplo e a prática da caridade.

Intenções para os mistérios dolorosos do Santo Rosário de Nossa Senhora:

1º - A oração de Jesus no horto. Jesus está fisicamente só nessa sua derradeira oração, mas, pela sua oração, une-se aos seus apóstolos, a todos aqueles que hão-de crer no seu nome, a toda a humanidade! Ser católico, é ser universal: que o seja também a nossa oração!

2º - A flagelação de Jesus. No sofrimento infligido ao Senhor na sua paixão, não se ouve uma única queixa, nenhum protesto, nenhuma reivindicação. A virtude da paciência vem, precisamente de passio, paixão. Peçamos a Maria que nos ajude a ser pacientes, como o foi Jesus na sua flagelação.

3º - A coroação de espinhos. A coroa é um símbolo de poder, mas também de uma maior responsabilidade. Todos os que ocupam lugares de chefia, na Igreja e no Estado, terão que dar contas a Deus dessa sua missão. Rezemos por eles.

4º - Jesus com a cruz às costas. A Cruz não foi um acidente de percurso na vida de Nosso Senhor, como também o não é no nosso itinerário cristão. Pelo cumprimento amoroso do nosso dever, ajudamos Cristo a levar a Santa Cruz.

5º - Jesus morre na Cruz. Já muitas pessoas, entre elas muitos sacerdotes também, morreram nos países que mais sofrem esta pandemia. É confrangedor saber que, por razões de saúde pública, não tiveram direito a funeral, nem a acompanhamento dos seus familiares e amigos. Que não lhes faltem, pelo menos, os nossos sufrágios.

Para ler, meditar e partilhar! Obrigado e até amanhã, se Deus quiser!

Com amizade,
P. Gonçalo Portocarrero de Almada

No comboio regional

A cadência do comboio regional, a caminho de Vale de Santarém, agarra-me a imaginação e desato a rir. Um grupo de estudantes do Técnico decidiu ir a pé a Fátima. Lançaram o convite nas redes sociais e tiveram de fechar as inscrições pouco depois, quando reuniram uma centena de candidatos. Poderiam ir mais, a dificuldade é que iam dormir no chão de pavilhões desportivos gentilmente cedidos e essas áreas são limitadas. Só tinham espaço para uma centena de pessoas, supondo que as mochilas se arrumassem bem.

No comboio regional, rodeado de estudantes de engenharia dispostos a vários dias de caminhada e de oração lembrei-me de Louis Pasteur, também num comboio, em 1892. Pasteur aproveitou a viagem para rezar o terço e um estudante achou por bem actualizá-lo, «porque a ciência descartou essas devoções»:

– De que ciência está a falar? Explique-me.

– Poderia dar-lhe inúmeros livros científicos sobre o assunto!... – respondeu o estudante.

– Ficar-lhe-ia muito grato. – disse Pasteur, entregando-lhe o cartão de visita – Pode enviar-me os livros para esta morada.

O rapaz não estava à espera de ler no cartão: «Louis Pasteur, Directeur de l’Institut de Recherche Scientifique, Paris». O tal ignorante que rezava o terço era Louis Pasteur, o cientista célebre, químico, pioneiro da microbiologia e inventor da vacina contra a raiva.

Algumas pessoas acham que a vaga impressão de que uma opinião é moderna chega para resolver qualquer assunto. Geralmente, não chegaram a ler um único livro sério sobre o tema, nem estão a par dos argumentos que defendem um ponto de vista ou o questionam, contentam-se com o conforto generalizado de uma massa anónima, supostamente evoluída. Esta abordagem expedita justifica-se em relação a assuntos pouco relevantes – nem haveria tempo para examinar cuidadosamente todas as questões do dia-a-dia! –, mas os temas decisivos exigem outro cuidado. Se queremos ser sérios, a impressão de que outros já pensaram num assunto é só um ponto de partida, até porque resta saber se essas pessoas tidas por evoluídas são, de facto, competentes na matéria. Os boatos formam-se porque as primeiras impressões enganam terrivelmente. Alguém disse. Li algures. Ouvi dizer. E o erro infiltra-se como lugar-comum que dispensa confirmação. Se não temos cuidado, uma investigação séria é afogada por uma profusão de pequenos «tweets» atrevidos, a humildade de uma informação correcta cede ante a agressividade de uma ideologia banal.

No comboio regional, cheio de alguns dos melhores estudantes da Universidade portuguesa, lembrei-me de Louis Pasteur e desatei a rir. Há quem pense que a Universidade afasta de Deus e em particular a ciência. Não chegaram a ler algo significativo, mas disseram-lhes que era assim. Inclusivamente, disseram-lhes que «todos» sabem que é assim.

Antes de confiar em boatos, é preferível falar com quem leu livros e estudou serenamente o assunto. Aquela centena de estudantes do Técnico preferiu esse método e não se deu mal. No caminho, cruzaram-se com peregrinações de estudantes da Nova, do ISCTE, do ISCSP, do S. Tomás.

Suponho que é preciso rever o boato de que Deus não existe e de que os melhores alunos da Universidade não pensam no assunto. E de que todos sabem que é assim.
José Maria C.S. André

Escala de valores

A Jesus Cristo que é Deus na Santíssima Trindade em unidade com o Pai e o Espírito Santo amamos incondicionalmente e sabemos que jamais fez ou fará nada de errado, pelo que nem nos passa pela cabeça criticá-Lo, mas sim louvá-Lo e dar-Lhe graças por tudo. Ele é Filho de Deus Pai que se fez Homem para nos redimir e salvar, pelo que não gostamos de ouvir os que O ofendem, e tantos que o fazem infelizmente.

À família, sobretudo a mais próxima, e à Igreja, amamos muito, somos capazes de criticá-la em privado, mas não gostamos que a ataquem em público mesmo quando erra, porque estando no mais intimo do nosso coração preferimos guardar os erros dentro dele e rezar para que se corrijam.

Que o Senhor nos ajude e ilumine a assim proceder hoje e sempre,

JPR

Deus escondido

Onde está Deus, onde pode ser encontrado? Está escondido?
Parece que se revela muito raramente. As pessoas desesperam-se porque pensam que Ele não fala com elas, não dá sinais, não interfere na sua vida.

Ele manifesta-se, mas não de forma ruidosa, não necessariamente sob a forma de uma catástrofe natural, embora as catástrofes naturais também possam ser manifestações suas. Não o faz, pois, de forma ruidosa, mas sempre se está manifestando. É claro que o receptor tem de estar, por assim dizer, sintonizado para captar o emissor.

Na nossa maneira de viver e de pensar, há tantas interferências perturbadoras que não somos capazes de captar o som, que também se tornou tão estranho para nós que não o reconhecemos como vindo dEle. Mas eu diria que qualquer pessoa que esteja atenta pode fazer essa experiência e perceber: neste momento, Ele dirige-se a mim; é uma oportunidade que me é dada para conhecê-lo. [...] Ele pode manifestar-se se eu estiver vigilante, e também se houver alguém que me ajude a decifrar a realidade. É claro que Ele não fala de forma ruidosa, mas sim através de sinais e dos acontecimentos da vida, e através das outras pessoas. É necessário, pois, ter uma certa vigilância, e perseverança para não ser dominado pelas coisas que ocupam o primeiro plano.

(Cardeal Joseph Ratzinger em ‘O sal da terra’, pág. 26)