Obrigado, Perdão Ajuda-me

Obrigado, Perdão Ajuda-me
As minhas capacidades estão fortemente diminuídas com lapsos de memória e confusão mental. Esta é certamente a vontade do Senhor a Quem eu tudo ofereço. A vós que me leiam rogo orações por todos e por tudo o que eu amo. Bem-haja!

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Servidores de todos os homens

Quando se vive deveras a caridade, não sobra tempo para procurar-se a si próprio; não há espaço para a soberba; só nos ocorrerão ocasiões de servir! (Forja, 683)

Pensai nas características dum jumento, agora que vão ficando tão poucos. Não falo dum burro velho e teimoso, rancoroso, que se vinga com um coice traiçoeiro, mas dum burriquito jovem, com as orelhas tesas como antenas, austero na comida, duro no trabalho, com o trote decidido e alegre. Há centenas de animais mais formosos, mais hábeis e mais cruéis. Mas Cristo preferiu este para se apresentar como rei diante do povo que O aclamava, porque Jesus não sabe que fazer da astúcia calculadora, da crueldade dos corações frios, da formosura vistosa mas vã. Nosso Senhor ama a alegria dum coração moço, o passo simples, a voz sem falsete, os olhos limpos, o ouvido atento à sua palavra de carinho. E é assim que reina na alma.

Se deixarmos que Cristo reine na nossa alma, não nos tornaremos dominadores; seremos servidores de todos os homens. Serviço. Como gosto desta palavra! Servir o meu Rei e, por Ele, todos os que foram redimidos com o seu sangue. (Cristo que passa, 181–182)

São Josemaría Escrivá

ESTADO DE EMERGÊNCIA CRISTÃ


Uma proposta diária de oração pessoal e familiar.

37º Dia. Sexta-feira da segunda semana da Páscoa, 24 de Abril de 2020.

Meditação da Palavra de Deus (Jo 6, 1-15)

Cinco pães e dois peixes

“Jesus disse a Filipe: ‘Onde havemos de comprar pão para lhes dar de comer?’. Dizia isto para o experimentar, pois Ele bem sabia o que ia fazer”.

A pergunta de Jesus era quase uma provocação: como poderia Filipe alimentar uma multidão que devia ser de umas dez mil pessoas, porque só os homens eram cinco mil?! Jesus bem sabia que o apóstolo não tinha pães, nem dinheiro com que comprar mantimentos para toda aquela gente, mas queria que ele sentisse a sua própria indigência.

Foi então que André encontrou “um rapazito” que tinha “cinco pães de cevada e dois peixes”. Mas, como o próprio apóstolo reconheceu, o “que é isso para tanta gente?”.

Não obstante a insuficiência daquela parca contribuição, foi quanto bastou para que o Mestre alimentasse aqueles milhares de pessoas, que “comeram quanto quiseram”. Depois de saciados, Jesus deu ordem para que se recolhessem os bocados que sobraram. “Recolheram-nos e encheram doze cestos com os bocados dos cinco pães de cevada que sobraram aos que tinham comido”.

Cinco pães e dois peixes não eram quase nada, mas foi esse pouco que Jesus multiplicou milagrosamente, por forma a dar alimento àquela multidão. Também nós pouco podemos fazer para pôr termo à fome no mundo, ou acabar com as guerras e a miséria. Mas, se cada um de nós fizer o que estiver ao seu alcance, mesmo que pareça tão insignificante como eram aqueles cinco pães e dois peixes, o Senhor fará o resto, e será possível alimentar a multidão faminta de pão e sedenta de justiça e amor. Mas Jesus multiplica o que cada um de nós souber dar: a multiplicação por zero, dá zero também!

Um autor espiritual imaginou que o jovem tinha, na realidade seis pães e três peixes, mas só disse que tinha cinco pães e dois peixes, para o caso de o milagre correr mal, não ficar ele sem nada… À noite, ao chegar a casa, saciado com os pães e peixes que o Senhor Jesus tinha milagrosamente multiplicado, ao abrir a sua sacola, descobriu que o pão e o peixe do seu egoísmo estavam podres! A conclusão é óbvia: tudo o que não partilhamos, tudo o que não damos aos outros, tudo o que reservamos só para nós, apodrece: só o amor é fecundo, só a generosidade gera abundância e sacia as multidões famintas de Deus.

Intenções para os mistérios dolorosos do Santo Rosário de Nossa Senhora:

1º - A oração de Jesus no horto. Há muitos indigentes de bens materiais, mas mais são os pobres dos bens espirituais. Rezemos por todos os que carecem da graça de Deus e nem sequer são capazes de a pedir ao Senhor!

2º - A flagelação de Jesus. Quanto sofrimento no mundo e que poucas dessas dores estão unidas ao sacrifício de Cristo na Cruz! Ofereçamos a Deus os sofrimentos físicos e morais de toda a humanidade.

3º - A coroação de espinhos. Uma das bem-aventurança é a de ser injustamente perseguido e condenado por ser discípulo de Cristo. Intercedamos por todos os fiéis que sofrem perseguição, para que não lhes falte a graça de Deus, nem a solicitude dos irmãos! 

4º - Jesus com a cruz às costas. O único homem que ajudou Cristo a levar a Cruz, foi obrigado a fazê-lo. Agradeçamos ao Senhor o serviço que prestam os voluntários e peçamos a Maria que faça de nós outros Cireneus. 

5º - Jesus morre na Cruz. Não é verdade que tudo acaba com a morte, que é, como diziam os primeiros cristãos, nascimento para a vida eterna. Rezemos por todos os que hoje nasceram para a eternidade. 

Para ler, meditar e partilhar! Obrigado e até amanhã, se Deus quiser!

Com amizade,
P. Gonçalo Portocarrero de Almada

REFLEXÕES SOBRE A PESTE DE 2020 (V) Luís Filipe Thomaz

Tornando às múltiplas lições que se podem retirar da presente situação, contentar-me-ei por realçar só uma, que me parece a principal: a pequenez do homem, como indivíduo, de que falava Eugénio Viassa Monteiro, mas, sobretudo, a fraqueza de todas as criações humanas.
              Pelo menos desde a Revolução Francesa que lavra no Ocidente uma tendência, mais ou menos vincada conforme os lugares e os momentos, para substituir a religião de Deus pela religião do estado, novo deus dos nossos dias. Estou crente em que, muito mais que o espantalho do islão que muitos agitam, é esse o verdadeiro inimigo da Europa, pois consome-a por dentro. É verdade que o grande afluxo de muçulmanos, sejam refugiados, sejam trabalhadores em busca de melhor vida, faz temer o risco de ver a Europa cristã afogada em gente moira, como se diz em Goa. É verdade que o terrorismo, que ontem se valia do anarquismo, de marxismo-leninismo ou do maoismo, se estriba hoje quase exclusivamente no islamismo; mas não menos verdade é que a esmagadora maioria dos muçulmanos não são terroristas. De qualquer modo o islão é um sistema que liga intimamente religião e política, e que tem dificuldade em se adaptar fora da proteção de um estado confessional e prescindir do seu poder coercitivo, pelo que uma maioria muçulmana representa realmente uma eventualidade preocupante.
              Seja como for, não me parece que resida no islamismo a principal ameaça à civilização ocidental, mas antes no vírus que a corrói do interior. E esse é o confinamento de Deus, como se estivesse empestado, e a correlativa exaltação do estado como um deus.
              Sempre gostaram os governantes de se apresentar como superiores aos outros, e em muitas monarquias antigas, como o Egito ou o Camboja de Angkor, o rei era considerado uma divindade. É talvez por isso que expressões como "adorai o Senhor todos os reis da Terra" são recorrentes na Bíblia, particularmente nos salmos. Havia que reduzir os monarcas às suas verdadeiras dimensões!
              Hoje, não penso que quejanda concepção possa ser crível. Substituiu-a, porém, uma concepção afim, mais subtil mas não menos perigosa: a divindade do estado. Se o Dalai-Lama é suposto ser uma reencarnação do bodhisattva Avalokiteśvara, "o Compassivo senhor", o estado moderno olha-se a si mesmo como corporização da racionalidade. Mas não há pior tirania do que a da racionalidade, pois quem se não conforma com quem julga detê-la, a si mesmo se exclui do número dos racionais. E o Transcendente? E o Infinito? Caberão no racional?
              Enumeremos algumas aberrações. Por exemplo a constituição mexicana de 1917 afirmava, logo no seu primeiro artigo, que todo o cidadão gozaria de tais e tais direitos, "que lhe concede o Estado". Por conseguinte o homem não era sujeito de direitos por ser, à imagem de Deus, uma pessoa e um ser livre, mas por magnânima concessão do estado — de que os indivíduos constituiriam, por assim dizer, meramente o conteúdo…
              Não é, contudo, só no México jacobino de começos do século XX que topamos com tais desvarios: ainda há bem pouco tempo, salvo erro em 2012, o governo francês decretou que o massacre dos arménios da Turquia em 1915 foi um genocídio, cominando penas a quem o contrário disser. Noutros países é proibido negar o holocausto dos judeus na segunda guerra mundial. Não se trata de punir, genericamente, quem para fins políticos ou semelhantes falsifique a História: trata-se de impor sobre casos bem determinados, uma verdade oficial, que o estado, omnisciente, conhece infalivelmente, embora os cidadãos se possam enganar — e isto para não discutir já esta espécie de neo-nominalismo, para o qual mais importante que as coisas é o nome que se lhes dá. Infelizmente pouca gente nota o totalitarismo latente que se esconde por detrás de tal legislação. E ninguém pensa que se de hoje para amanhã advier um governo anti-arménio ou anti-judaico pode decretar o contrário, e a mentira tornar-se-á verdade, e a verdade mentira…
              Em Portugal D. João III criou em 1532 a Mesa da Consciência e Ordens para o ajudar na resolução de casos "que tocavam à obrigação de sua consciência". Era uma junta de letrados, teólogos, juristas, moralistas, escolhidos pelo seu mérito, que deram muitas vezes sentenças contra o próprio Rei. Em Inglaterra há ainda "tribunais de equidade" que julgam casos não regulados pela lei escrita, conforme o que parece justo e equitativo — em última análise, conforme a lei eterna, de que todo o homem tem uma noção mais ou menos clara; mas na maior parte dos países não há senão "tribunais constitucionais" , que verificam se as leis que os homens fazem hoje estão de acordo com a lei que fizeram ontem.
              Em vários países é proibido o uso da burka muçulmana. Porquê? Porque permite que debaixo dela se esconda o assassino ou o ladrão? Porque neutraliza as câmaras de televisão que, para segurança de todos, existem nos supermercados e outros espaços públicos? Não. Porque é um "sinal religioso demasiado visível"! Mas acaso a religião é uma coisa vergonhosa que se não possa manifestar em público? O estado moderno é contudo alérgico à ideia de que acima dele possam existir instâncias mais elevadas…
              Sempre houve pessoas que, ou por a ideia de Deus lhes causar incómodos, ou por dificuldade em conceber o Infinito, não acreditaram n'Ele. Disso se queixam já os salmos 13 e 52, que ambos começam pela mesma frase: "Diz o estulto em seu coração: não existe Deus". No entanto o ateísmo moderno, seja sob a forma virulenta que lhe conhecemos no comunismo ou no nazismo, seja sobre a forma insidiosa que hoje se insinua na nossa cultura, vai mais longe: pretende-se explicitamente construtivo, ou seja, quer refundar o mundo, substituindo ao Universo, concebido e presidido por Deus, um outro, ao sabor da sua Ideia.
          Num belo livro, escrito sob a ocupação da França pelos nazis, entre 1942 e 1946, o jesuíta francês Henri de Lubac, após percorrer os grandes desvarios da nossa época conclui, citando um belo texto de S. Gregório de Nissa: banido Deus do mundo, o Homem, feito à Sua imagem perde a razão de ser da sua dignidade. De facto, se ao Universo não preside um Ser livre, inteligente e soberano, o homem queda reduzido a mero dente de uma das rodas dentadas da grande engrenagem em que consiste o mundo. E a máquina do mundo tritura-o.
              Suprimido Deus, não é apenas o Homem que fica reduzido a uma peça do mecanismo do cosmo e cessa de ser pessoa: é a hierarquia dos valores que queda sem sentido e sem princípio. A liberdade de religião torna-se mais importante do que a religião em si, o carneiro mais digno do que o Homem, e assim sucessivamente. Daí o politeísmo jurídico que tende a invadir a vida pública. E cada divindade, cada pequeno deus, exige que se lhe erga o seu altar e reclama sacrifícios… Dois ou três exemplos bastam.
              Há pouco meses ainda, todos pudemos ouvir na televisão o primeiro-ministro da Dinamarca declarar (talvez na melhor das intenções, só Deus, que perscruta os corações dos homens o sabe ao certo) a propósito do abate de animais nos matadouros: "os direitos dos animais são mais importantes do que a religião"! Direito é, nesta acepção, um título ou prerrogativa que uma pessoa pode exigir ou reivindicar. Muito gostaria de ver ainda um dia, não digo já uma lesma ou uma minhoca, mas um cão ou um gato reivindicar em tribunal os seus direitos… Não seremos nós, seres racionais, que temos deveres para com os animais? Mas adentro da religião dos direitos individuais não há já espaço para deveres. E assim fica a religião, que eleva o homem até Deus e o diviniza, rebaixada a um nível inferior ao dos próprios animais…
              E que dizer da sentença magistral que há tempos proferiu um juiz, salvo erro do tribunal europeu dos direitos humanos, sobre os títulos de renda vitalícia que os bancos e mutualidades disponibilizam? É evidente que, para não terem prejuízo, essas instituições de crédito se baseiam sobre o cálculo das probabilidades, levando em conta as estatísticas da duração da vida humana. Ora como toda a gente sabe, as mulheres duram em média mais que os homens, nuns países mais, noutros menos, nalguns cerca de dez anos. Por isso para o mesmo capital os bancos atribuíam aos varões, que duram menos, rendimento superior ao que atribuíam às fêmeas. Decretou porém o tal juiz que essa diferença era ilegal, pois contrariava o princípio inviolável da igualdade dos sexos. Resta agora aos varões um só recurso: apelarem para a Divina Providência de Estrasburgo, reivindicando, ao mesmo título, o direito de viverem tanto tempo quanto as mulheres; e assim ficará resolvido o problema…
              E porque não? Se as instâncias humanas se permitem decretar que um homem pode ser mulher de um outro homem e que o género é, graças a uma generosa concessão do estado omnipotente, algo que cada um pode escolher, e não um caráter que lhe imprimiu a natureza?
              Não é preciso imaginar que Deus tenha baixado do céu para castigar o homem, semeando no mundo um vírus destruidor: é a natureza muda que, sem proferir palavra, reclama os seus direitos, proclamando que o poder que sobre ela detém o homem tem limites!
              O derradeiro exemplo é o mais trágico e o mais elucidativo. Passou-se pelo Natal, há já talvez uma dezena de anos. Um americano, monstruosamente gordo, veio passar as férias do Natal a Itália. À vinda não teve problemas. No regresso, contudo, no aeroporto de Milão levantaram dificuldades ao seu embarque porque não havia cinto de segurança que o abrangesse. Depois de muito discutir e de andar de Herodes para Pilatos acabaram por lhe aconselhar que fosse para Genebra de comboio, pois aí ser-lhe-ia mais fácil embarcar, não sei bem por que razão: ou porque houvesse aí cintos de calibre mais elevado, ou porque fossem menos rigorosos na inspeção, ou talvez porque na cidade em que nasceu a Sociedade das Nações e foram proclamados os Direitos do Homem o compreendessem melhor; não sei. Só que o estratagema não deu os resultados que se esperavam. Também ali lhe levantaram problemas; e foi esperando. E assim, enquanto o caso não era resolvido pelas sucessivas instâncias por que transitou, passou uma semana inteira nos bancos do aeroporto; e acabou por ali morrer.
              O homem morreu; mas salvou-se o mais importante de tudo: a ideia da segurança do Homem. Não será assim posta em causa a eficácia infalível das regras que o Homem faz!
              Não foi, pois, só em Cartago e no México pré colombino que os ídolos exigiam sacrifícios humanos!
              Retomando a bela expressão de Eugénio Viassa Monteiro, "A atual crise do vírus mostrou ao homem a sua pequenez". E não só: mostrou também a das suas instituições, bem como a fragilidade dos vários ídolos que criou  — todos, como o do sonho de Nabucodonosor  (Dan 2, 32-43), de pés de barro…
              Através da presente epidemia é como se Deus de novo pela boca de Moisés nos dissesse:

Onde estão os seus deuses, o rochedo onde buscavam refúgio? Junto a quem consumiam a gordura das vítimas e bebiam o vinho de suas libações…
Que se ergam e vos socorram e na necessidade vos protejam! (Deut 32, 38).

(continua, são no total VII reflexões)

Só Jesus é a Estrada!

“Entre vós haverá quem diga: ´Padre, o senhor é um fundamentalista´ Não, isto foi simplesmente dito por Jesus: ´Eu sou a porta´, ´Eu sou o caminho´, fonte da vida. Com esta simplicidade. É uma porta bela, uma porta de amor, é porta que não nos engana, não é falsa. Diz sempre a verdade. Talvez existam ´sentires mais fáceis, mas são enganadores, não são verdadeiros, são falsos. Só Jesus é a Estrada!”

Papa Francisco na homilia do dia 12.04.2014 (tradução a partir do italiano de JPR)

Existência de Deus e existência humana

Li recentemente as afirmações de um intelectual alemão que, em relação à "questão de Deus", se dizia agnóstico e, ao mesmo tempo, acrescentava que não se poderia nem provar nem excluir totalmente a existência de Deus, de modo que esse problema permaneceria sempre em aberto. No entanto, declarava-se firmemente convencido da existência do inferno: bastava-lhe ligar a televisão para comprová-lo sem sombra de dúvida.

Se a primeira parte dessa afirmação corresponde plenamente ao sentir moderno, a segunda parece extravagante, ao menos à primeira vista. Como é possível crer no inferno se Deus não existe? Mas, se considerarmos essas palavras com um pouco mais de atenção, veremos que encarnam uma certa lógica. O inferno é, por definição, viver na ausência de Deus. Onde Deus não está, ali está o inferno. Certamente, não é tanto o espetáculo diário da televisão que nos fornece a prova, quanto um olhar sobre o século que terminou e que nos deixou palavras como "Auschwitz" ou "Arquipélago Gulag", e nomes como Hitler, Stalin, Pol Pot. Esses infernos foram construídos para preparar um mundo futuro de homens auto-suficientes que não teriam nenhuma necessidade de Deus.

Mas onde Deus não está, surge o inferno, e o inferno persiste, muito simplesmente, pela ausência de Deus. Pode-se chegar a esse extremo também de maneiras subtis, que quase sempre afirmam que o que se busca é o bem dos homens. Hoje, quando se comercializam órgãos humanos, quando se fabricam fetos para dispor de órgãos de reposição ou para promover o avanço da ciência e da prevenção médicas, muitos consideram implícito o carácter humanitário dessas práticas. Mas o desprezo pelo homem que esse usar e abusar do ser humano pressupõe, conduz, quer se queira quer não, à descida aos infernos.

Isto não significa que não possa haver ou não haja ateus com um grande senso ético.

Seja como for, atrevo-me a afirmar que essa ética se baseia na luz que emanou um dia do Monte Sinai e que continua a brilhar até hoje: a luz de Deus. Nietzsche tinha razão ao sublinhar que, quando a notícia da morte de Deus se tornasse conhecida por todo o mundo, quando a sua luz se tivesse apagado definitivamente, esse momento seria necessariamente terrível.

O cristianismo não é uma filosofia complicada e envelhecida com o passar do tempo, não é uma imensa coleção de dogmas e preceitos: a fé cristã consiste em sermos tocados por Deus e sermos as suas testemunhas.

Precisamente por isso podemos dizer: a Igreja existe para que Deus, o Deus vivente, seja anunciado, para que o homem possa aprender a viver com Deus, sob o seu olhar e em comunicação com Ele. A Igreja existe para evitar o avanço do inferno sobre a terra e para fazer com que esta se torne mais habitável à luz de Deus.. Graças a Ela, e somente graças a Ela, a terra será humana. Nem que seja apenas por este motivo, a Igreja deve continuar a existir, porque a sua eventual desaparição arrastaria a humanidade para o torvelinho das trevas, da escuridão, até à destruição de tudo o que torna humano o homem. [...] Sem Deus, o mundo não consegue iluminar-se. A Igreja serve ao mundo fazendo com que Deus viva nela, permitindo que Ele transpareça nEla, e estando pronta assim para levá-lo à humanidade.

(Cardeal Joseph Ratzinger em ‘Testigos de Ia luz de Dios’, in La Razôn, 23.04.2001)