Obrigado, Perdão Ajuda-me

Obrigado, Perdão Ajuda-me
As minhas capacidades estão fortemente diminuídas com lapsos de memória e confusão mental. Esta é certamente a vontade do Senhor a Quem eu tudo ofereço. A vós que me leiam rogo orações por todos e por tudo o que eu amo. Bem-haja!

quarta-feira, 25 de março de 2020

Vamos a Jesus por Maria

Não estás sozinho. Nem tu nem eu podemos encontrar-nos sozinhos. E, menos ainda, se vamos a Jesus por Maria, pois é uma Mãe que nunca nos abandona. (Forja, 249)

É a hora de recorreres à tua Mãe bendita do Céu, para que te acolha nos seus braços e te consiga do seu Filho um olhar de misericórdia. E procura depois fazer propósitos concretos: corta de uma vez, ainda que custe, esse pormenor que estorva e que é bem conhecido de Deus e de ti. A soberba, a sensualidade, a falta de sentido sobrenatural aliar-se-ão para te sussurrarem: isso? Mas se se trata de uma circunstância tonta, insignificante! Tu responde, sem dialogar mais com a tentação: entregar-me-ei também nessa exigência divina! E não te faltará razão: o amor demonstra-se especialmente em coisas pequenas. Normalmente, os sacrifícios que o Senhor nos pede, os mais árduos, são minúsculos, mas tão contínuos e valiosos como o bater do coração.

Quantas mães conheceste como protagonistas de um acto heróico, extraordinário? Poucas, muito poucas. E contudo, mães heróicas, verdadeiramente heróicas, que não aparecem como figuras de nada espectacular, que nunca serão notícia – como se diz – tu e eu conhecemos muitas: vivem sacrificando-se a toda a hora, renunciando com alegria aos seus gostos e passatempos pessoais, ao seu tempo, às suas possibilidades de afirmação ou de êxito, para encher de felicidade os dias dos seus filhos. (Amigos de Deus, 134–135)

São Josemaría Escrivá

ESTADO DE EMERGÊNCIA CRISTÃ

Uma proposta diária de oração pessoal e familiar.

7º Dia. Quarta-feira, 25 de Março de 2020, Solenidade da Anunciação do Senhor.

Meditação da Palavra de Deus (Lc 1, 26-38):

Cheia de graça

“Estando Isabel no sexto mês, foi enviado por Deus o anjo Gabriel a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão, chamado José, da casa de David; o nome da virgem era Maria.”

Nos dois primeiros versículos deste impressionante relato, o evangelista fala-nos de Deus, de Gabriel, de Isabel, de José, de David e de Maria. Não são nomes imaginários, mas pessoas concretas que, de algum modo, representam todo o universo: Deus, como princípio e fim de todas as coisas; Gabriel, arcanjo; David, rei e profeta; Maria, virgem de Nazaré, e José, seu marido, carpinteiro de profissão. São nomes concretos de uma história que é nossa também, porque Deus também nos chama para que, como Maria e José, saibamos acolher Jesus nas nossas vidas e ser, com obras e de verdade, seus discípulos.

A primeira fala do mensageiro divino é uma saudação: “Deus te salve, cheia de graça, o Senhor é contigo”. Não diz o seu nome, Maria, mas cheia de graça, porque este é, por assim dizer, o nome teológico da Mãe de Jesus. Ela é a imaculada, a que não tem mancha, nem sequer a do pecado original. Se não teve mérito em receber esse privilégio no momento da sua concepção, não foi sem luta pessoal que se manteve imaculada ao longo de toda a sua vida. Por isso, alguém disse que Maria não podia ter outro filho, que não Jesus; nem Jesus podia ter tido outra Mãe, que não Maria.

Antes de lhe pedir que fosse Mãe do Filho de Deus, o Anjo sossegou-a quanto aos meios necessários para uma tão difícil missão: “Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus”.

Ter fé é confiar, abandonar-se em Deus, sem permitir que a dúvida das razões humanas se oponha à vontade de Deus, ou nos tire a paz. Maria ainda não sabia qual seria a reação de José, que chegou a decidir repudiá-la; nem de Herodes, que perseguiria Jesus recém-nascido, para o matar. Deus não lhe pediu que convencesse José, nem que derrotasse Herodes, só lhe pediu que dissesse que sim, porque o resto fazia Ele. Deus pode contar também com o nosso sim à sua vontade?

Unidos aos nossos bispos, na renovação da consagração de Portugal ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria, peçamos à Mãe de Deus, nossa Rainha e Padroeira, que nos socorra neste momento de provação e dor.

Intenções para os mistérios gozosos do Santo Rosário de Nossa Senhora:

1º - A anunciação do Anjo a Nossa Senhora. Nossa Senhora não pediu tempo para pensar, nem foi consultar ninguém, nem sequer se foi aconselhar com São José. Que cada um de nós saiba também responder, com prontidão e alegria, aos chamamentos do Senhor.

2º - A visitação de Nossa Senhora a sua prima Santa Isabel. Não se é cristão para si mesmo, nem a verdadeira fé nos isola dos outros. Ser cristão é ser de Cristo, ou seja, ser dom de Deus para os outros, na oração e no serviço.

3º - O nascimento de Jesus em Belém. Dois mil anos volvidos sobre o seu nascimento, o Filho de Deus continua a ser perseguido na sua terra. Rezemos pela paz e pelos cristãos da Terra Santa.

4º - A apresentação de Jesus no templo e a purificação de Nossa Senhora. Dois anciãos, como Ana e Simeão, tiveram a dita de, já com idade avançada, contemplarem o Messias. Rezemos pelos idosos, sobretudo os que foram abandonados pelas suas famílias, para que a luz da esperança ilumine as suas vidas.

5º - O Menino Jesus perdido e achado no templo. Diz São Lucas que todos os que, no templo, ouviam Jesus adolescente, estavam maravilhados. Peçamos por todas as crianças e jovens que frequentam a catequese, para que também eles se maravilhem com os ensinamentos e o amor de Jesus.

Para ler, meditar e partilhar! Obrigado e até amanhã, se Deus quiser!

Com amizade,
P. Gonçalo Portocarrero de Almada

S. Josemaría sobre a Festa da Anunciação do Senhor

Festa da Anunciação do Senhor. “Como nos encanta o episódio da Anunciação! Maria (quantas vezes o meditámos!) está recolhida em oração...; põe os seus cinco sentidos e todas as suas potências em diálogo com Deus... Na oração conhece a Vontade divina; e com a oração torna-a vida da sua vida. Não te esqueças do exemplo da Virgem!”, escreve num ponto de Sulco.

A Anunciação do Senhor

Como nos encanta o episódio da Anunciação! Maria (quantas vezes o meditámos!) está recolhida em oração...; põe os seus cinco sentidos e todas as suas potências em diálogo com Deus... Na oração conhece a Vontade divina; e com a oração torna-a vida da sua vida. Não te esqueças do exemplo da Virgem! (Sulco 481)

Não esqueças, meu amigo, que somos crianças. A Senhora do doce nome, Maria, está recolhida em oração.

Tu és, naquela casa, o que quiseres ser: um amigo, um criado, um curioso, um vizinho... – Eu, por agora, não me atrevo a ser nada. Escondo-me atrás de ti e, pasmado, contemplo a cena:

O Arcanjo comunica a sua mensagem... - Quomodo fiet istud, quoniam virum non cognosco? - Como se fará isso, se não conheço varão? (Lc 1, 34).

A voz da nossa Mãe traz à minha memória, por contraste, todas as impurezas dos homens..., as minhas também.

E como odeio, então, essas baixas misérias da terra!... Que propósitos!

Fiat mihi secundum verbum tuum.
Faça-se em mim segundo a tua palavra (Lc I, 38). Ao encanto destas palavras virginais, o Verbo se fez carne.

Vai terminar a primeira dezena... Ainda tenho tempo para dizer ao meu Deus, antes de qualquer mortal: Jesus, amo-Te (Santo Rosário. Iº mistério gozoso).

São Josemaría Escrivá