Igreja

Igreja
A Igreja é de Cristo e é essa que o cristão deve ambicionar servir e não usar

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Não deixe de ler...

Imagem de 18 de outubro de 1948
Hoje – dia 12 de Julho de 2018 – à hora que escrevo esta reflexão, milhares e pessoas de todos os cantos do mundo convergem para o recinto do Santuário de Fátima onde, em breve começará a tradicional “Procissão das Velas”.

É algo que não tem paralelo nas manifestações dos cristãos em todo o mundo. Posso afirmá-lo sem receio de ser considerado exagero porque não sou o único a afirmá-lo.

Mas, o que me leva a esta reflexão de hoje tem muito de pessoal e, diria, reservado.

No dia Treze de 1948 – faz amanhã setenta anos! Um miúdo de Oito Anos estava – uma vez mais – presente na Missa dos Doentes, como se chamava então a Missa do Meio-Dia do dia Treze.

Não entendia, com a sua pouca idade, o que se passava, havia três anos que todos os meses a sua Mãe o levava a Fátima – à “Missa dos Doentes” – portador de um cartão pregado na camisa dizendo não me lembro o quê mas que. sei. era o cartão “oficial” passado pelas autoridades médicas do Santuário para os doentes que deveriam – ou poderiam se assim quisessem – participar na bênção especial da “Missa dos Doentes”.
Olhava os olhos – húmidos de lágrimas mal contidas – da sua querida Mãe e ali ficava, sossegado e tranquilo como qualquer criança da sua idade.

Mas… depois…

O António tinha, de facto, uma doença gravíssima e, na época, de pouca esperança de cura. O que era conhecido na época como um LINFOGRANOLOMA que não é outra coisa que uma leucemia.

Não havia nenhum tratamento especial, todos os meses ia a Coimbra fazer uns “bombardeamentos” de cobalto mas sem efeito nenhum visível.
Igualmente, porque em Portugal na altura não havia meios para isso, eram enviados para a Alemanha pequenas amostras de tecidos que o médico lhe retirava dos vários gânglios pelo corpo, nomeadamente, no pescoço.

A última resposta tinha sido – soube depois – demolidora: “não há nada a fazer!”

No dia sete ou oito de Julho desse ano tinham sido enviadas para a Alemanha novas amostras de tecidos.

No dia Quinze ou Dezasseis de Julho o médico telefona à minha Mãe:
‘Chegaram os resultados da Alemanha. O António não tem qualquer vestígio da doença!’

Não digo mais porque não posso nem devo atrever-me, mas só acrescento que tenho absoluta certeza que a minha querida Mãe obteve da nossa Querida Mãe do Céu a graça que pedia!

(Acrescento, mesmo sem necessidade, o António tem hoje setenta e oito anos, três filhas e nove Netos!)

(AMA, reflexões, 12.07.2018)

Sem comentários: