Natal

Natal
Vinde, Senhor Jesus! Estamos ansiosos pela vossa chegada para proclamarmos de novo o nascimento do Filho de Deus Pai

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Aqui me tens, para o que quiseres

Como devo fazer para que o meu amor a Nosso Senhor continue, para que aumente? – perguntavas-me vibrante. – Filho, ir deixando o homem velho, também com a entrega alegre daquelas coisas, boas em si mesmas, mas que impedem o desprendimento do teu eu...; dizer a Nosso Senhor, com obras e continuamente: "aqui me tens, para o que quiseres". (Forja, 117)

Volto a levantar o meu coração em acção de graças ao meu Deus, ao meu Senhor, porque nada o impedia de nos criar impecáveis, com um impulso irresistível para o bem; mas julgou que seriam melhores os seus servidores se o servissem livremente . Que grande é o amor, a misericórdia do nosso Pai! Perante esta realidade das suas loucuras divinas pelos filhos, gostaria de ter mil bocas, mil corações mais, que me permitissem viver num contínuo louvor a Deus Pai, a Deus Filho, a Deus Espírito Santo. Reparem que o Todo-Poderoso, Aquele que governa o Universo com a sua Providência, não deseja servos forçados, prefere filhos livres. (…)

Responder negativamente a Deus, rejeitar esse princípio de felicidade nova e definitiva, ficou nas mãos da criatura. Mas, se agir assim, deixa de ser filho e torna-se escravo. (...)

Permitam-me que insista sobre este ponto; é muito claro e podemos comprová-lo com frequência à nossa volta ou no nosso próprio eu: nenhum homem escapa a algum tipo de servidão. Uns prostram-se diante do dinheiro; outros adoram o poder; outros a tranquilidade relativa do cepticismo; outros descobrem na sensualidade o seu bezerro de ouro. E acontece o mesmo com as coisas nobres. Empenhamo-nos num trabalho, numa actividade de maiores ou menores proporções, na realização de um trabalho científico, artístico, literário, espiritual. Se há empenho, se existe verdadeira paixão, quem a isso se entrega vive como escravo, dedica-se com prazer ao serviço da finalidade da sua tarefa. (Amigos de Deus, 33–34)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1958

Durante uma estadia em Londres, em 1958, experimenta o peso da sua debilidade pessoal. “Josemaría, aqui não podes fazer nada”. Depois comentaria: “Tinha razão: eu sozinho não conseguiria nada; sem Deus, não conseguiria sequer levantar uma palha do chão. (…) De repente, no meio de uma rua por onde iam e vinham pessoas de todas as partes do mundo, dentro de mim, no fundo do meu coração, senti a eficácia do braço de Deus; tu não podes nada, mas Eu posso tudo; tu és a incapacidade, mas Eu sou a Omnipotência. Eu estarei contigo, e, haverá eficácia! levaremos as almas à felicidade, à unidade (…)! Também aqui semearemos paz e alegria abundante!”.

OS SOLDADOS DA PAZ

Estive numa guerra!
Estive na guerra da Guiné, onde jovens se fizeram homens, por vezes com grande sacrifício e dor.
Vi heróis, não só em actos de guerra, mas também e sobretudo em actos de amor ao outro, de entrega ao outro, de procura do bem-estar e da felicidade do outro.
O “fogo” da guerra consome-nos por dentro, destrói-nos, por vezes, o querer, a alegria, o ser, e deixa-nos marcas permanentes, indeléveis, que às vezes demoram anos a aparecer, e quando aparecem, é só para nos magoar no mais intimo do nosso ser.
Nós, combatentes, não fomos para a guerra, para fazer a guerra, mas para, apesar da guerra, encontrarmos a paz.
Mas sabíamos que podíamos morrer, e até, infelizmente, matar!
O “fogo” da guerra consome-nos por dentro!

A guerra do fogo, é bem diferente, tão diferente, que os homens que a combatem se chamam «Soldados da Paz»!
Não vão pensando em morrer, e muito menos, pensando que pode morrer alguém, vão apenas e só para viver e deixar os outros viver, para além do fogo que os quer matar.
São heróis, desconhecidos, a quem tantas vezes “falta o ar”, o ar do reconhecimento, da gratidão, da homenagem, o ar das palavras obrigado, bem hajam, vós sois os nossos heróis!
Dêem-se medalhas aos feitos desportivos, aos feitos sociais e solidários, mas interrompam-se as férias, (do tal homem dos afectos), para dizer em bom som e bem alto:
Portugal, os Portugueses, estão-vos gratos, tão gratos, que vos consideramos os heróis do tempo presente, neste tempo da guerra do fogo, em Portugal!
Para vós, bombeiros de Portugal, elevo a minha prece a Deus:
Senhor, abençoai, protegei e guardai os bombeiros de Portugal, no vosso infinito amor!

Marinha Grande, 9 de Agosto de 2016

Joaquim Mexia Alves

Os ‘lagers’ nazis

“Os lagers nazis – como todos os campos de extermínio, podem ser considerados símbolos extremos do mal, do inferno que se abre na terra quando o homem esquece Deus e se Lhe substitui, usurpando o seu direito de decidir o que é bem e o que é mal, de dar a vida e a morte.

Infelizmente, este triste fenómeno não está circunscrito aos lagers. Eles são afinal o cume que emerge numa realidade ampla e difusa, muitas vezes de confins imprecisos. Os santos fazem-nos refletir sobre as profundas divergências que existem entre o humanismo ateu e o humanismo cristão”.

(Bento XVI – Angelus 09.08.2009)

Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein)

Edith Stein nasceu em Breslau, actualmente Wroclaw, capital da Silésia, na Alemanha (cidade que, depois da Segunda Guerra Mundial, passou a pertencer à Polónia), no dia 12 de Outubro de 1891, quando se celebrava a grande festa judaica do Yom Kippur, o Dia da Reconciliação.

Seus pais, Sigefredo e Augusta, eram comerciantes judeus. Edith foi a última de onze filhos. O pai faleceu em 1893. A mãe encarregou-se dos negócios da família e da educação dos filhos.

A pequena Edith, segundo o seu próprio testemunho, foi muito dinâmica, sensível, nervosa e irascível. Aos sete anos, começou a possuir um temperamento mais reflexivo.

Em 1913, ingressou na Universidade de Göttingen e dedicou-se ao estudo da Fenomenologia. Aí encontrou a sua verdadeira vida: livros, companheiros e, sobretudo, o célebre professor E. Husserl. Durante este tempo chega a um ateísmo quase total.

Em 1914, eclode a Primeira Guerra Mundial. Edith vai trabalhar num hospital com quatro mil camas. Entrega-se a este trabalho de corpo e alma.

Estuda com seriedade a Fenomenologia, até se encontrar com a doutrina católica. Encontra definitivamente a sua nova fé em 1921, quando lê a autobiografia de Santa Teresa de Jesus. O amor a Deus, o Absoluto, toma conta de sua alma: “Cristo elevou-se radiante ante meus olhos: Cristo no mistério da Cruz”. Sob a direcção do Padre jesuíta Erich Przywara, começa a estudar a teologia de São Tomás de Aquino.

Baptiza-se no dia 1 de Janeiro de 1922, recebendo o nome de Teresa Edwig. Desde então sente-se evangelizadora: "Sou apenas um instrumento do Senhor. Quem vem a mim, quero levá-lo até Ele”. "Deus não chama ninguém a não ser unicamente para Si mesmo”.

Aos 42 anos, no dia 15 de Abril de 1934, festa do Bom Pastor, veste o hábito carmelita no Convento de Colónia.

A sua conversão, que não a impede de continuar a sentir-se filha de Israel, enamorada de sua santa progenitura, separa-a, contudo, de sua família e de sua amada mãe: “Minha mãe opõe-se com todas as suas forças à minha decisão. É difícil ter que assistir à dor e ao conflito de consciência de uma mãe, sem poder ajudá-la com meios humanos”. (26-01-1934).

No dia 21 de Abril de 1935, domingo de Páscoa, faz seus votos religiosos e três anos depois, no mesmo dia, seus votos perpétuos. Sua vida será uma “Cruz” transformada em “Páscoa”.

Na Alemanha, os nazis começam a semear o ódio ao povo judeu. Ela pressagia o destino que a aguarda. Tentam salvá-la, fazendo-a fugir para a Holanda, para o Carmelo de Echt. Membros das SS não tardam a invadir o convento e prendem Irmã Benedita e sua irmã Rosa, também convertida ao catolicismo.

Três dias antes de sua morte, Edith dirá: “Aconteça o que acontecer, estou preparada. Jesus está aqui connosco”. (06-08-1942).

Após vários tormentos, no dia 9 de Agosto de 1942, na câmara de gás do “inferno de Auschwitz", morria a mártir da Cruz, Irmã Teresa Benedita. Foi beatificada no dia 1 de Maio de 1987, em Colónia, e canonizada em 1999 pelo papa João Paulo II, que mais tarde a declarou conjuntamente com Santa Catarina de Sena e Santa Brígida da Suécia, padroeira da Europa.

(Fonte: Evangelho Quotidiano)

O Evangelho do dia 9 de agosto de 2017

«Então, o Reino dos Céus será semelhante a dez virgens, que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. Cinco delas eram néscias, e cinco prudentes. As cinco néscias, tomando as lâmpadas, não levaram azeite consigo; as prudentes, porém, levaram azeite nas vasilhas juntamente com as lâmpadas. Tardando o esposo, começaram todas a cabecear e adormeceram. À meia-noite, ouviu-se um grito: “Eis que vem o esposo! Saí ao seu encontro”. Então levantaram-se todas aquelas virgens, e prepararam as suas lâmpadas. As néscias disseram às prudentes: “Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas apagam-se”. As prudentes responderam: “Para que não suceda que nos falte a nós e a vós, ide antes aos vendedores, e comprai para vós”. Mas, enquanto elas foram comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele a celebrar as bodas, e foi fechada a porta. Mais tarde, chegaram também as outras virgens, dizendo: “Senhor, Senhor, abre-nos”. Ele, porém, respondeu: “Em verdade vos digo que não vos conheço”. Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora.

Mt 25, 1-13