Natal

Natal
Vinde, Senhor Jesus! Estamos ansiosos pela vossa chegada para proclamarmos de novo o nascimento do Filho de Deus Pai

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Que sejais muito crianças!

Aconselho-te que tentes voltar de vez em quando... ao começo da tua "primeira conversão", o que, se não é fazer-se como criança, é coisa muito parecida: na vida espiritual é preciso deixar-se levar com inteira confiança, sem medos nem duplicidades; tem de se falar com absoluta clareza do que se tem na cabeça e na alma. (Sulco, 145)

Que sejais, espiritualmente, muito crianças! Quanto mais, melhor. Di-lo a experiência deste sacerdote que teve de se levantar muitas vezes, ao longo destes trinta e seis anos (que longos e ao mesmo tempo, que curtos me parecem!) em que tem procurado cumprir uma Vontade precisa de Deus. Houve uma coisa que sempre me ajudou: ser sempre criança e meter-me continuamente no regaço de minha Mãe e no Coração de Cristo, meu Senhor.

As grandes quedas, as que causam destroços sérios na alma, e às vezes com resultados quase irremediáveis, procedem sempre da soberba de nos crermos adultos, auto-suficientes. Nesses casos, torna-se predominante na pessoa uma espécie de incapacidade de pedir ajuda a quem a pode dar: não só a Deus, mas também ao amigo ou ao sacerdote. E aquela pobre alma, isolada na sua desgraça, afunda-se na desorientação e no descaminho. (Amigos de Deus, 147)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1938


Celebra a santa Missa na Catedral de Santiago de Compostela, na cripta onde se veneram os restos mortais do Apóstolo. São Josemaria meditou com frequência na vida de São Tiago Apóstolo. Em Cristo que passa, escreve: “Também a nós nos chama e nos pergunta como a Tiago e João: Potestis bibere calicem quem ego bibiturus sum? (Mt XX, 22); estais dispostos a beber o cálice (este cálice da completa entrega ao cumprimento da vontade do Pai) que eu vou beber? Possumus! (Mt XX, 22). Sim, estamos dispostos! - é a resposta de João e Tiago... Vós e eu, estamos dispostos seriamente a cumprir, em tudo, a vontade do nosso Pai, Deus? Demos ao Senhor o nosso coração inteiro ou continuamos apegados a nós mesmos, aos nossos interesses, à nossa comodidade, ao nosso amor-próprio? Há em nós alguma coisa que não corresponda à nossa condição de cristãos e que nos impeça de nos purificarmos”.

Laicidade

A laicidade justa é a liberdade de religião. O Estado não impõe uma religião, mas deixa espaço livre às religiões, que por sua vez têm responsabilidades perante a sociedade civil. Assim permite que essas religiões sejam factores na construção da vida social.

(Cardeal Joseph Ratzinger in ‘El laicismo está poniendo en peligro la libertad religiosa’)

As três grandes correntes ideológicas actuais

Em primeiro lugar, [mencionemos] a ideia básica da teologia da libertação, que, no fundo, teve eco em quase todos os continentes. [Antes de mais nada,] é preciso ressalvar que pode ser interpretada num sentido positivo. A ideia fundamental é que o cristianismo também tem de ter efeito na existência terrena do homem: tem de lhe dar a liberdade de consciência, mas também tem de procurar fazer valer os direitos sociais do homem. Mas quando essa ideia é aproveitada num sentido unilateral, procura, em geral, ver no cristianismo o instrumento de uma transformação política do mundo. A partir desse ponto, tomou forma a ideia de que todas as religiões seriam apenas instrumentos para a defesa da liberdade, da paz e da preservação da Criação; teriam, pois, de justificar-se através de um sucesso político e de um objetivo político. Essa temática varia segundo as situações políticas, mas atravessa os continentes. Hoje, enraizou-se fortemente na Ásia, mas também na África. Penetrou até no mundo islâmico, onde também há tentativas de interpretar o Corão no sentido da teologia da libertação; são marginais, mas nos movimentos terroristas islâmicos a ideia de que o Islão deveria realmente ser um movimento de libertação - por exemplo, contra Israel - teve um papel fundamental.

Entretanto, a ideia de libertação - se pudermos chamar liberdade ao denominador fundamental da espiritualidade moderna e do nosso século - também se fundiu fortemente com a ideologia feminista. A mulher é considerada o ser oprimido por excelência: por essa razão, a libertação da mulher seria o núcleo de toda a actividade libertadora. Aqui ultrapassou-se, por assim dizer, a teologia da libertação política mediante outra antropológica. Não se pensa apenas na libertação dos vínculos próprios do papel da mulher, mas na libertação da condição biológica do ser humano. Distingue-se então o fenómeno biológico da sexualidade das suas expressões históricas, às quais se chama "género", mas a revolução que se quer provocar contra toda a forma histórica da sexualidade conduz a uma revolução que também é contra as condições biológicas: já não pode haver dados naturais; o homem deve poder moldar-se arbitrariamente, deve ser livre de todos os condicionalismos do seu ser; ele próprio se tornaria o que quer, e só desse modo seria realmente "livre" e estaria libertado. Por trás disso encontramos uma revolta do homem contra os limites que o seu ser biológico envolve. Trata-se, em última análise, de uma revolta contra a própria condição de criatura. O homem deveria ser o criador de si mesmo - uma nova edição, moderna, da velha tentativa de ser Deus, de ser como Deus.

O terceiro fenómeno que se observa em todo o mundo - sobretudo num mundo cada vez mais uniformizado - é a busca de uma identidade cultural própria, expressa no termo "inculturação". Na América Latina, a redescoberta das culturas perdidas é agora, depois de a onda marxista ter diminuído, uma nova corrente forte. A theoíogia india quer voltar a despertar a cultura e a religião pré-colombianas e libertar-se, por assim dizer, da penetração excessiva de elementos europeus que lhe foi imposta. As ligações directas com o feminismo são interessantes. Saliente-se o culto da "Mãe-terra" e, em geral, do elemento feminino em Deus, o que acentua as tendências do feminismo americano-europeu, que já não quer apenas fazer afirmações antropológicas, mas reformar o conceito de Deus. Ter-se-ia projetado em Deus a estrutura patriarcal e, assim, fixado a opressão da mulher a partir do conceito de Deus. O elemento cósmico (Mãe-terra, etc.) dessa renovação das antigas religiões conflui depois com as tendências da New Age, que visa uma fusão de todas as religiões e uma nova unidade do homem e do cosmos.

(Cardeal Joseph Ratzinger in ‘O sal da terra’ – págs. 107-109)

A história do mosaico de Maria, ‘Mater Ecclesiae’ na praça de S. Pedro

Um dos elementos arquitetónicos mais recentes na praça de São Pedro é o mosaico dedicado a Maria "Mater Ecclesiae" juntamente com o texto Totus Tuus, uma demonstração mais do carinho do Beato João Paulo II a Nossa Senhora.

Tive o privilégio de viver de perto os antecedentes dessa decisão, que põe em evidência duas caraterísticas do Beato João Paulo II: a sua particular relação com os jovens e o seu sentido de agradecimento.

Na Semana Santa de 1980, o Papa João Paulo II recebeu em audiência vários milhares de jovens chegados a Roma para o Forum UNIV, encontro internacional de universitários que frequentam Centros do Opus Dei em todo o mundo. Este evento, que se iniciou em 1968, conjuga o desejo de viver o Tríduo Santo em Roma, a cidade de Pedro, com atividades de enriquecimento cultural entre os estudantes.

No final da audiência, um dos jovens, chamado Julio Nieto, comentou ao Santo Padre que, depois de observar as imagens da praça de São Pedro, tinha notado que faltava uma de Nossa Senhora e que, portanto, a praça estava incompleta. «Bem, muito bem! Haverá que completar a praça», foi a resposta de João Paulo II.

Este diálogo chegou aos ouvidos de D. Álvaro del Portillo, sucessor de São Josemaria Escrivá à frente do Opus Dei. D. Álvaro, movido pelo desejo de pôr em prática, sem demora, o que considerava um desejo do Santo Padre, pediu-me para pensar num lugar e numa solução para colocar na praça uma imagem de Nossa Senhora, acrescentando que se poderia pôr sob a invocação de Mater Ecclesiae. Naquela altura eu trabalhava em Roma como arquiteto e tinha a sorte de viver junto do Prelado do Opus Dei na rua Bruno Buozzi.

Após várias semanas e depois de várias visitas à praça para encontrar alternativas, apresentei a D. Álvaro uma possível solução, com as correspondentes fotomontagens e desenhos: substituir uma janela, na esquina do edifício que há entre o Cortile de São Dâmaso e a praça, por um mosaico de Nossa Senhora.

A 27 de junho de 1980, fez-se chegar ao Santo Padre o projeto; era um álbum com textos, desenhos e fotografias e com os esboços de alçado e secção que se reproduzem abaixo. Como se passaram vários meses sem notícias, voltou-se a enviar ao Santo Padre uma cópia do material, através do, então, secretário do Papa, Mons. Stanislaw Dziwisz.

Meses depois, João Paulo II sofreu aquele atentado a que sobreviveu, como ele próprio dizia, graças à proteção de Maria Santíssima. Em sinal de agradecimento, quis que se colocasse uma imagem de Nossa Senhora na praça de São Pedro. Devido a esse encargo do Romano Pontífice, aquela proposta de D. Álvaro, foi submetida à apreciação das autoridades competentes do Vaticano e foi escolhido esse lugar como sede da Mater Ecclesiae.

O mosaico (inspirado na Madonna della colonna que procedia da Basílica constantiniana) foi colocado no dia 7 de dezembro de 1981 e, no dia seguinte, depois de rezar o Angelus, João Paulo II abençoou-o, não sem antes manifestar um desejo: “que todos os que venham a esta Praça de São Pedro, elevem o olhar para Ela para Lhe dirigir, com sentimento de filial confiança, a sua própria saudação e a sua própria oração”. (Angelus, 8 de Dezembro de 1981).

Muitas vezes pensei neste acontecimento como uma pequena demonstração da relação especial de João Paulo II com os jovens; não deixa de ser surpreendente que aquele “haverá que completar a praça” que o Papa tinha dito a um universitário um ano e meio antes, se tornasse então realidade.

Três dias mais tarde, a 11 de dezembro, soube que o Papa tinha convidado D. Álvaro Del Portillo para concelebrar a Missa na sua capela privada e para tomar o pequeno-almoço; desejava fazer-lhe saber a alegria que lhe tinha provocado benzer a imagem da praça e agradecer-lhe que lhe tivesse feito chegar a ideia para a sua colocação.

Além disso, o Santo Padre teve o pormenor de lhe enviar, alguns dias depois, a cartolina com o desenho, a negro, do mosaico que se utilizou para testar a colocação das peças de cor. Este desenho, que aparece na fotografia, encontra-se atualmente na sede central da Prelatura do Opus Dei.

Foi Paulo VI que, em Novembro de 1964, anunciou o desejo de terminar as sessões do Concílio Vaticano II “com a alegria de invocar a Virgem Maria com o título de Mãe da Igreja, Mater Ecclesiae". E acrescentou Paulo VI: “Este título ajudar-nos-á a celebrar Maria Santíssima, amorosa rainha do mundo, centro materno de unidade, pia esperança da nossa salvação". Ver esta imagem, tão unida aos papas Paulo VI e João Paulo II, é uma boa chamada de atenção para todos os cristãos; ao vê-la, é fácil recorrer a ela pedindo-lhe proteção para os seus filhos na Igreja.

Javier Cotelo // L'Osservatore Romano, 14-VI-2011

(Fonte: site do Opus Dei AQUI)

O Evangelho do dia 19 de julho de 2017

Então Jesus, falando novamente, disse: «Eu Te louvo ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e aos prudentes, e as revelaste aos pequeninos. Assim é, ó Pai, porque assim foi do Teu agrado. «Todas as coisas Me foram entregues por Meu Pai; e ninguém conhece o Filho senão o Pai; nem ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

Mt 11, 25-27