Igreja

Igreja
A Igreja é de Cristo e é essa que o cristão deve ambicionar servir e não usar

domingo, 18 de junho de 2017

Pudor na desgraça

Porque me incomoda a utilização da desgraça para exteriorizar a minha piedade procurando fazê-lo no silêncio da oração, ainda assim e perante a tragédia que se abateu sobre tantos compatriotas meus, sinto a necessidade de apelar à oração com o pudor de a não publicitar aos quatro ventos como se estivéssemos a fazer algo mais do que de facto o Senhor nos pede. Não, não somos nenhuns santinhos piedosos, devemos ser sim, cristãos que rezam fechados no quarto.

Compartilhar as nossas preocupações e angústias é positivo e útil, fazê-lo ad nauseam é uma forma de piedade vaidosa.

JPR

Prece de um aflito

Senhor Jesus, nos momentos de sofrimento e dor, dá-nos a humildade de tudo Te oferecer vendo em Ti o Bom Pastor que nunca abandona a ovelha tresmalhada ou ferida por um lobo e que só deseja o seu bem.

Tu és o nosso Porto de Abrigo, mesmo se quando nos abrigamos junto ao Teu peito já estejamos doloridos e massacrados, aliás, é sobretudo por isso mesmo que Te buscamos, pois tudo farás para nos consolar e sarar as feridas, mesmo quando isso, na nossa condição humana e egocêntrica, nos possa parecer que não ocorre. Ajuda-nos ainda a ter-Te sempre presente e não Te esquecer quando tudo corre bem.

Obrigado meu Senhor e Amigo pela Tua imensa bondade!

JPR

São Josemaría Escrivá nesta data em 1931

Deixa o Patronato dos Doentes, centro de assistência a pessoas pobres. Custava-lhe sair dali, onde tinha possibilidade de aliviar e oferecer os sofrimentos dos doentes: “Penso que alguns doentes, daqueles que assisti até à morte, durante os meus anos apostólicos, “fazem força” ao Sagrado Coração de Jesus”, medita no seu interior.

Bom Domingo do Senhor!

É nosso dever e obrigação atender às palavras do Senhor de que nos fala o Evangelho de hoje (Mt 9,36-38.10,1-8) e sem hesitação e na medida das nossas possibilidade e capacidades proclamarmos a Boa Nova.

Louvado seja Jesus Cristo Nosso Senhor fonte permanente de inspiração.

«Pelo caminho, proclamai que o Reino do Céu está perto»

Concílio Vaticano II
Constituição sobre a Igreja «Lumen Gentium», § 48


A Igreja, à qual todos somos chamados e na qual, por graça de Deus, alcançamos a santidade, só na glória celeste alcançará a sua realização acabada, quando vier o tempo da restauração de todas as coisas (cf At 3,21) e quando, juntamente com o género humano, também o universo inteiro, que ao homem está intimamente ligado e por ele atinge o seu fim, for perfeitamente restaurado em Cristo. […]

A prometida restauração que esperamos já começou, pois, em Cristo, progride com a missão do Espírito Santo e, por Ele, continua na Igreja; nesta, a fé ensina-nos o sentido da nossa vida temporal, enquanto, na esperança dos bens futuros, levamos a cabo a missão que o Pai nos confiou no mundo e trabalhamos na nossa salvação (cf Fil 2,12).

Já chegou, pois, a nós, a plenitude dos tempos (cf 1Cor 10,11), a restauração do mundo foi já realizada irrevogavelmente e, de certo modo, encontra-se já antecipada neste mundo: com efeito, ainda aqui na terra, a Igreja está aureolada de verdadeira, embora imperfeita, santidade. Enquanto não se estabelecem os novos céus e a nova terra em que habita a justiça (cf 2Ped 3,13), a Igreja peregrina, nos seus sacramentos e nas suas instituições, que pertencem à presente ordem temporal, leva a imagem passageira deste mundo e vive no meio das criaturas que gemem e sofrem as dores de parto, esperando a manifestação dos filhos de Deus (cf  Rom 8,19-22).