N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

sexta-feira, 14 de abril de 2017

São Tomás de Aquino e a Paixão do Senhor

São Tomás de Aquino (1225-1274) é provavelmente o maior teólogo de toda a história da Igreja. Chamado pelo Magistério o «doutor comum» por sobressair às disputas de escola ou de tendência, escreveu numerosas obras entre as quais o seu Comentário ao Credo.

«Que necessidade havia para que o Filho de Deus sofresse por nós? Uma necessidade grande e, por assim dizer, dupla: para remédio contra o pecado e para exemplo daquilo que devemos fazer.

Foi em primeiro lugar um remédio, porque na paixão de Cristo encontramos remédio para todos os males em que incorremos por causa dos nossos pecados.

Mas não é menor a utilidade que tem como exemplo. Na verdade, a paixão de Cristo é suficiente para orientar toda a nossa vida. Quem quiser viver em perfeição, basta que despreze o que Cristo desprezou na Cruz e deseje o que Ele desejou. Nenhum exemplo de virtude está ausente da Cruz.

Se queres um exemplo de caridade: Não há maior prova de amor do que dar a vida pelos seus amigos. Assim fez Cristo na Cruz. E se Ele deu a vida por nós, não devemos considerar penoso qualquer mal que tenhamos de sofrer por Ele.

Se procuras um exemplo de paciência, encontras na Cruz o mais excelente. Reconhece-se uma grande paciência em duas circunstâncias: quando alguém suporta com serenidade grandes sofrimentos, ou quando pode evitar os sofrimentos e não os evita. Ora Cristo suportou na Cruz grandes sofrimentos, e com grande serenidade, porque sofrendo não ameaçava; e como ovelha levada ao matadouro, não abriu a boca. É grande portanto a paciência de Cristo na Cruz: corramos com paciência à prova que nos é proposta, pondo os olhos em Jesus, autor e consumador da fé, que em lugar da alegria que Lhe era proposta suportou a Cruz, desprezando-lhe a ignomínia.

Se queres um exemplo de humildade, olha para o crucifixo: Deus quis ser julgado sob Pôncio Pilatos e morrer.»

(Collatio 6 super Credo in Deum - SÃO TOMÁS DE AQUINO – texto recolhido do Boletim Mensal de Março de 2013 da Paróquia de Nossa Senhora da Porta do Céu)

UMA SEMANA DE CAMINHO - Sexta feira Santa

MORRER E RESSUSCITAR

«Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!»

Este Teu brado,
Senhor,
este Teu forte clamor,
é um murmúrio,
um terno e simples murmúrio,
de infinito amor!

Deste tudo,
tudo entregaste,
por mim,
por todos,
e entregas agora o Teu espírito,
na Cruz,
com que nos resgatastes.

Sobe-me sempre do coração,
à boca,
aos olhos,
a todo o meu ser,
uma lágrima dolorosa,
ao ouvir o Teu clamor,
ao sentir o Teu sofrer,
que agora se transforma em paz,
porque sendo um grito de amor,
liberta todo o meu ser.

Prostro-me pelo chão,
embebido do Teu Sangue,
choro lágrimas de arrependimento,
abro-Te o coração,
e deixo que me toques,
apenas num breve momento,
um tempo tão simples e terno,
que sinto que esse momento,
se torna em mim eterno,
porque Te fazes presente.

Já não me interessa o meu querer,
nem lágrimas quero chorar,
volto os olhos para Ti,
e digo-te em ingente súplica:
Senhor,
deixa-me em Ti morrer,
para em Ti ressuscitar!

Sexta Feira Santa
Marinha Grande, 14 de Abril de 2017

Joaquim Mexia Alves
http://queeaverdade.blogspot.pt/2017/04/uma-semana-de-caminho-5.html

VIA SACRA

posfácio

Chegou ao fim a fantástica e sublime odisseia da Paixão e Morte de Jesus Cristo, meu Salvador.

Por momentos, aos meus olhos e coração humanos, parecem-me excessivos os desígnios de Deus: tanto sofrimento, tamanha dor!

Porque me esqueço da suma gravidade e horrível falta que é o pecado dos homens.

Que outra reparação seria possível ou completa senão a levada a cabo pelo próprio Ofendido?

Que és Deus fica abundantemente provado pelo Amor e Misericórdia infinitas que nesta Paixão se revelam.

Que tenhas querido, com esta Paixão, considerar-me Teu filho e devolvido a Eternidade é o que eu acredito firmemente. Ajuda-me Senhor, a ter sempre presentes as cenas que acabo de meditar para que, a sua lembrança bem viva no meu coração me impeça de Te magoar e ofender.[1]

oratória

vultum tuum

Ajuda-me Senhor, a aceitar a minha morte, como e quando Tu o desejares.

Que eu me prepare, Senhor, todos os dias que me concederes viver, para esse momento solene.

Que me encontres disposto e pronto, a qualquer momento, para corresponder à Tua chamada.

Que possa com supremo júbilo ouvir-te dizer que estarei contigo no Paraíso.

Que seja esse momento o verdadeiro encontro entre amigos verdadeiros dando corpo àquele grito que sinto subir-me do peito:

Vultum Tuum, Domine, requiram![2] [3]
filiação divina

Teu filho, Senhor meu Deus!

Que admiração me causa esta realidade.

Que espanto me invade a ponto de só a minha Fé a manter viva em mim.

Podendo eu o que posso:

Nada!

Sendo eu que sou: 

Nada!

Tendo eu o que tenho:

Nada!

Sabendo eu o que sei:

Nada!

Valendo eu o que valho:

Nada!

Para que me queres Tu, Senhor?!

Que Te pode importar a minha pessoa?

Oh Senhor Deus, Rei dos Reis, Criador e Senhor de todas as coisas!

Como é grande o Teu Coração de Pai visto que nele caibo eu também.

Dou-Vos graças meu Senhor e meu Deus por tão grande favor e peço-te me ajudes a merecê-lo.[4]

in hora mortis meae

Esta cruz tão pesada que por vezes permites carregue os meus ombros, é, bem o sei, um sinal do Teu amor por mim.

Se é verdade, Senhor, que, por vezes, provas mais aqueles que amas, então, estou feliz porque, seguramente, me tens junto ao Teu Coração Amantíssimo.

Não permitas, meu Deus, que me deixe esmagar pelo seu peso que, eu tenho a certeza, é à minha medida e muito menor que o que mereceria.

Mas, não Te esqueças, como sou fraco e pusilânime, como me desvio do caminho e tento libertar-me; sou assim, bem o sabes, e sem a Tua ajuda não conseguirei.

A mim, meu Senhor, só me interessa cumprir a Tua Amabilíssima e Justíssima Vontade sobre todas as coisas, estar pronto para Te ver quando entenderes chamar-me a prestar contas.

Por isso, repito na minha alma o clamor que meu querido irmão Manuel José nos últimos tempos da sua vida terrena elevava para Ti:

In hora mortis meae voca me, et iube me venire ad Te.[5]

Os homens são quase sempre os carpinteiros das suas próprias cruzes. [6]

Esta cruz que tento levar a prumo, desafiando as minhas fraquezas, a minha fraca vontade, a minha fuga à dor, esta cruz, Senhor, é a cruz da minha vida que Tu queres que eu leve.
       
Foi talhada por mim, só por mim: as minhas faltas, os meus desejos de ter e possuir, a minha vontade fraca, os devaneios, a falta de unidade de vida, tudo isso e muito mais fui juntando alheadamente e, o resultado... é este.

E agora! Sim... e agora!

Como conseguirei levá-la?

Como conseguirei levá-la a prumo, bem erguida ao alto?

Como hei-de fazer para não me queixar, não me rebelar contra esta cruz que me pesa...pesa?

Senhora das Dores, olha para este teu filho que, gemendo e chorando neste vale de lágrimas, vai arrastando penosamente a sua pequena cruz, e diz ao teu Divino Filho, que eu..., sou pobre e fraco, pequeno e débil, e que preciso de ajuda.

Com essa ajuda divina que, tenho a certeza, me será concedida, não pelos meus méritos mas pela largueza da Sua misericórdia, poderei então levar esta cruz sem medo ou repugnância e oferecer-lhe o esforço da luta que para tal, sem descanso, travarei.[7]
omnia in bonum
Será assim, Senhor, queres-me mais, desejas mais de mim e por isso permites todas estas coisas que me têm acontecido: a perda de emprego, as dificuldades económicas, a perda da honra e do bom-nome, a injustiça, a doença grave e as suas dores e limitações e, também, as minhas fraquezas, a minha sensualidade, o meu mau humor e todas as debilidades de que me envergonho tanto?

Será assim, Senhor?

Então: Omnia in bonum!

Ajuda-me a aceitar, a fazer boa cara, a ganhar coragem e sair para a frente. [8]

 * * * *


[1] Porto, Quaresma de 1987
[2] Sal. 26
[3] Porto, Semana Santa de 99
[4] Porto, 2000.05.17
[5] Porto, Quaresma de 2001
[6] S. Filipe de Néri, Máximas
[7] Porto, Quaresma de 2005
[8] AMA, Diário, Porto, 09.08.2002 e 01.01.2008

À hora de Noa, Jesus exclamou com voz forte: Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonastes?

LEITURA BREVE Is 53, 6-7

Todos nós, como ovelhas, andávamos errantes; cada qual seguia o seu caminho. E o Senhor fez cair sobre Ele as culpas de todos nós. Maltratado, resignou-Se e não abriu a boca. Como cordeiro levado ao matadouro, como ovelha muda ante aqueles que a tosquiam, Ele não abriu a boca.

V. Fez-me habitar nas trevas,
R. Como os mortos há muito esquecidos.

Via Sacra - São Josemaría Escrivá

Sexta-feira Santa, textos de São Josemaría Escrivá - A Morte na Cruz

Levaram, pois, Jesus consigo. Este, carregando com a cruz, saiu para o chamado lugar do Crânio, que em hebraico se diz Gólgota. Lá O crucificaram e, com Ele, mais dois: um de cada lado e Jesus no meio. Pilatos escreveu também um letreiro e colocou-o na cruz. Tinha escrito: “Jesus de Nazaré, o Rei dos Judeus” (Jo 19, 16-19).

Não sabem o que fazem
Agora crucificam o Senhor e, junto d’Ele, dois ladrões, um à direita e outro à esquerda. Entretanto, Jesus diz: Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem (Lc 23, 34).

Foi o Amor que levou Jesus ao Calvário. E já na Cruz, todos os Seus gestos e todas as Suas palavras são de amor, de amor sereno e forte.

Com gesto de Sacerdote Eterno, sem pai nem mãe, sem genealogia (cfr. Heb 7, 3), abre os Seus braços à humanidade inteira.

Juntamente com as marteladas que cravam Jesus, ressoam as palavras proféticas da Escritura Santa: trespassaram as Minhas mãos e os Meus pés, contaram todos os Meus ossos. E eles mesmos olham para Mim e contemplam (Ps 21, 17-18).

- Ó Meu Povo! Que te fiz Eu, ou em que te contristei? Responde-Me (Miq 6, 3).

E nós, desfeita a alma pela dor, dizemos sinceramente a Jesus: sou Teu e entrego-me a Ti, e cravo-me na Cruz gostosamente, sendo nas encruzilhadas do mundo uma alma entregue a Ti, à Tua glória, à Redenção, à co-redenção da humanidade inteira ».
Via Sacra, XI Estação

Injuriam-nO e troçam d’Ele
Na parte alta da Cruz, está escrita a causa da condenação: Jesus Nazareno, Rei dos Judeus (Jo 19, 19). E todos os que passam por ali O injuriam e se mofam d’Ele.

- Se é o rei de Israel, desça agora da cruz (Mt 27, 42).
Um dos ladrões vem em Sua defesa:
- Este não fez nenhum mal (Lc 23, 41).

Depois dirige a Jesus uma petição humilde, cheia de fé:
- Senhor, lembra-Te de mim, quando entrares no Teu reino (Lc 23,42).
- Em verdade te digo que hoje mesmo estarás coMigo no paraíso (Lc 23, 43).

Junto da Cruz está Sua Mãe, Maria, com outras santas mulheres. Jesus olha-a e olha, depois, para o discípulo que ama, e diz a Sua Mãe:
- Mulher, aí tens o teu filho.

Depois, diz ao discípulo:
- Aí tens a tua Mãe (Jo 19, 26-27).

Meu Deus, Meu Deus, por que Me abandonaste?
Apaga-se a luminária do céu e a terra fica mergulhada nas trevas. São cerca das três, quando Jesus exclama:
- Elí, Elí, lamma sabachtani?! Isto é: Meu Deus, Meu Deus, por que Me abandonaste (Mt 27, 46).

Depois, sabendo que todas as coisas estão prestes a ser consumadas, para que se cumpra a Escritura, diz:
- Tenho sede (Jo 19, 28).

Os soldados empapam uma esponja em vinagre e, atando-a a uma cana de hissope, aproximam-Lha da boca. Jesus sorve o vinagre e exclama:
- Tudo está consumado (Jo 19, 30)

O véu do templo rasga-se e treme a terra, quando brada o Senhor com grande voz:
- Pai, nas Tuas mãos encomendo o Meu espírito (Lc 23, 46).

E expira.

Fonte de vida interior
Ama o sacrifício que é fonte de vida interior. Ama a Cruz que é altar do sacrifício. Ama a dor até beber, como Cristo, as fezes do cálice ».
Via Sacra, XII Estação

O Senhor é flagelado


Madrugada de Sexta-Feira Santa

A esta hora em que escrevo esta meditação já é Sexta-Feira.

O Senhor acaba de sair da casa do Sumo-Sacerdote depois de ser sujeito a um simulacro de julgamento sem qualquer base sólida de acusação nem direito a contestação.
Várias “testemunhas” acusam e inventam, inventam e acusam.
Como numa peça de teatro medíocre os actores prestam-se a desem­penhos lamentáveis.

Jesus é atacado na Sua honra, no Seu bom-nome, na Sua dignidade.
Mas cala-se, não se defende, não reage.

Está triste e abatido, acabou de ouvir cá fora, no páteo, Pedro – o Seu Cefas – a jurar que não O conhecia.
Está ansioso por sair dali para lhe lançar um olhar sereno e amigo que fará o pobre Pedro debulhar-se em lágrimas.

Acabando com o “teatro medíocre” o Sumo-Sacerdote tem um gesto teatral que, pensa ele, é definitivo: rasga as vestes.
Até este acto é falso porque as vestimentas têm um lugar especial para serem rasgadas, mas isso não importa, é assim mesmo e todos sabem que tal significa o reconhecimento da ”gravidade das culpas” assacadas ao prisioneiro.

A partir daqui tudo se precipita num crescendo de violências, desaca­tos, faltas de respeito. O Senhor é levado aos empurrões, com uma corda ao pescoço através das vielas da cidade em direcção ao Pretório de Pilatos.

Sinto-me chocado com estas cenas e não aceito que o meu Senhor, o meu Jesus, seja tratado assim.

Não culpo os “juízes”, os Seus inimigos porque não posso; Ele dirá no alto da Cruz: «Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem».

Culpo-me a mim que sei muito bem o que faço e com as minhas misé­rias e pecados sem conta o “obriguei” a passar por este transe.
Ele quis salvar-me, desejou que fosse Seu seguidor e partilhasse com Ele a vida eterna.

E… tenho de aceitar, tal como Ele aceitou, esta dor e remorso de ser como sou, de “fazer o mal que não quero e não fazer o bem que quero”.

E, aceitando rendidamente a Vontade do meu Senhor, seco as minhas lágrimas e vou pelo que resta da noite, procurar a Santíssima Virgem.

Quero estar com ela, aninhar-me nos seus braços e dizer-lhe que a amo muito, muito, muito.

Ah! E pedir-lhe que me abençoe e que me leve por um caminho seguro [1] o resto dos dias que me for concedido viver, para me encontrar finalmente com o seu querido Filho, o meu Irmão Jesus.

AMA, 25 Mar 2016


[1] Iter para tuto

UMA SEMANA DE CAMINHO (Em adoração a seguir à Missa de Quinta Feira Santa)

Saímos da Última Ceia e Tu, Senhor, levas-me contigo.
Cheio de amor, tomas-me pela mão e convidas-me a fazer-Te companhia.

Que companhia, Senhor? Pergunto eu.

E Tu respondes, com a voz repassada de uma profunda tristeza:
Reza comigo. Preciso que rezes, que vigies, porque a hora é dura e escura.

Sinto-me um nada, mas ao mesmo tempo desperta em mim um orgulho, (por quereres precisar de mim), e começo a rezar, nem sei bem como, nem o quê.

Só dou por mim quando me tocas no ombro, docemente, e perguntas:
Porque dormes?

Ah, Senhor, perdoa-me, digo eu envergonhado tentando explicar-me, é que “adormeço” tantas vezes nas coisas da vida, quando deveria rezar, quando deveria vigiar!

Olhas para mim, ternamente, e pedes-me, (Tu, Senhor, a pedir-me), outra vez:
Reza, porque a hora é de rezar e vigiar!

Mais uma vez me comprometo, rezo e volto a adormecer.

Regressas e tocas-me, acordas-me, apertas-me junto a Ti.
Todo o Teu corpo treme, a voz angustiada, mas percebe-se em Ti a vontade inabalável de fazer a vontade do Pai.

Dizes-me então, olhos nos olhos, cheio de amor:
Sabes, meu Joaquim, quando te peço que rezes e vigies, não é por Mim, mas por ti e por todos.
Percebes agora como é fácil adormeceres e deixares de rezar e vigiar, perante as coisas do mundo?

Baixo a cabeça e digo:
Ah, Senhor, queria tanto chorar contigo, queria sofrer contigo, queria suar o meu sangue, queria ser Teu e apenas Teu!

Mais uma vez me olhas com o Teu terno olhar, mas uma multidão de gente prende-Te e afasta-Te de mim.
Estendo as mãos para Ti, mas não Te alcanço, e fujo envergonhado.

É então que me dizes, enquanto és levado pela multidão, para Te afastarem de mim, para Te afastarem de nós:
Não temas, não temas! Eu estou sempre contigo, Eu estou sempre convosco. Procura-Me no teu coração, procura-Me nos outros e sempre Me encontrarás.

Adormeço finalmente, porque a certeza da Tua presença em mim e no meio de nós, me descansa, me conforta, me enche de paz e alegria.
Nada, nem ninguém, Te pode apartar de mim, te pode apartar de nós!

Obrigado, Senhor!

Marinha Grande, 13 de Abril de 2017

Joaquim Mexia Alves

SEXTA FEIRA DA PAIXÃO

Colocam-Te a Cruz sobre os ombros, Senhor. É pesada a Cruz!

Não, não é a madeira que a faz pesada, são os meus pecados, são os nossos pecados que pesam sobre os Teus ombros.
Mas Tu carrega-la, cheio de amor, porque sabes que ao carregares os nossos pecados, nos vais libertando da escravidão do pecado e da morte.
Parece-me, Senhor, que cada vez que me reconheço pecador, cada vez que me confesso e Tu me absolves pelo Teu sacerdote, diminui o peso da Tua Cruz, parece-me que de algum modo sou um pouco Cireneu.
Mas logo volto a pecar e o alívio que Te dou é efémero e muito pouco!

Por vezes, Senhor, o meu pecado, os nossos pecados são tão grandes que o peso da Cruz Te faz cair por terra.
Mas logo Te levantas, para nos mostrares que também eu, também nós, apesar de cairmos no pecado, sempre nos podemos levantar, por Tua graça, Senhor.

Chegas finalmente ao Teu Calvário, que deveria ser o nosso calvário, mas Tu, no Teu infinito amor, decidiste vivê-lo por nós.
E eu nem estou lá para Te fazer companhia, porque também sou um daqueles que Te abandona de quando em vez.
Quisera eu ser João e estar ali, aos pés da Cruz, fazendo companhia a Tua Mãe.
Ou pelo menos ser o Centurião que Te reconheceu Filho de Deus, naquele momento que vai chegar.

Os cravos rasgam a Tua carne, e Tu vais repetindo interiormente, no meio das dores: É por ti, Joaquim, é por todos vós!
Quero pedir-Te as Tuas dores, quero sofrê-las, para que não sejas Tu a sofreres as dores das minhas culpas, mas fraco que sou, rapidamente as esqueço e me deixo envolver na rotina da vida diária.

Levantam-Te ao Céu, cravado naquela Cruz, e a única coisa que mitiga a Tua dor é saber que fazes a vontade do Pai, a vontade de salvar a humanidade que criaste no Teu amor.
Nas derradeiras forças ainda pedes, mais uma vez, por nós: Perdoa-lhes, Pai!

Por fim, exalas o último suspiro, a cabeça pende-Te para a terra, como a quereres fixar cada um de nós definitivamente no Teu olhar, (guardados que estamos no Teu coração), e o Céu e a Terra abrem-se para Te receber.
Quisera eu que fosse o meu coração a abrir-se, sem barreiras, sem dúvidas, sem fraquezas, para Te receber para sempre, e que, em cada momento que a tentação o tentasse, imediatamente se lembrasse de todos estes momentos que sofreste por mim, que sofreste por nós, e as repudiasse de imediato.

O silêncio toma agora conta da natureza e eu quero que tome conta do meu coração.
Que ao menos agora, no silêncio, eu Te contemple, eu Te louve, eu Te adore e Te dê graças sem fim, e para sempre me entregue a Ti, pelos outros, pelo amor.

Mergulhado na esperança, que me vem da confiança de saber que as Tuas promessas são sempre cumpridas, aguardo, ansioso, a Tua Ressurreição.

Glória a Ti, Senhor, agora e para sempre pelos séculos sem fim!

Marinha Grande, 25 de Março de 2016

Joaquim Mexia Alves

«A Sexta-Feira Santa é o dia da esperança maior, a esperança que maturou na Cruz»

O amor que Deus nos tem - e nos deu sobre a Cruz - é a única força capaz de transformar o mundo. Sabemos que é precisamente na Cruz do Senhor, no amor sem limites, que está a nascente da graça, da libertação, da paz, da salvação.

Desde quando Jesus desceu ao sepulcro, o túmulo e a morte já não são um lugar sem esperança, onde a história se conclui na falência total, onde o homem toca o extremo limite da sua impotência.

Jesus é o grão de trigo que cai na terra, se rompe, morre e por isso pode dar fruto. Desde o dia em que Cristo aí foi elevado, a Cruz, que aparece como o sinal do abandono, da solidão, da falência – tornou-se um novo início: da profundidade da morte se eleva a promessa da vida eterna. Na Cruz brilha já o esplendor vitorioso da alva do dia de Páscoa.

(Bento XVI - Sexta-Feira Santa, de 2010 na conclusão da Via Sacra do Coliseu de Roma)

Passio Domini Nostri Iesu Christi secundum Ioannem

SEXTA FEIRA SANTA

Quisera eu ser Pedro que Te negou três vezes, mas pobre de mim pecador, nego-Te mais de três vezes por dia!

Quisera eu ser Simão de Cirene que Te ajudou a levar a Cruz, mas pobre de mim pecador, até a minha cruz por vezes me recuso a levar.

Quisera eu ser Verónica, para Te limpar o rosto, mas pobre de mim pecador, vejo-Te tantas vezes na rua naqueles que nada têm, e volto a cara para o lado.

Quisera eu ser João, abraçado aos pés da Cruz, mas pobre de mim pecador, que tanto me queixo dos sofrimentos e provações.

Quisera eu ser ao menos o Centurião que Te reconheceu Filho de Deus, mas pobre de mim pecador, em cada pecado em que caio, rejeito a tua divina vontade.

Mas não, nada sou, nem sequer o bom ladrão que Te defendeu naquela hora, pois tantas vezes ouço falar mal de Ti e nada digo, nada faço.

Prostrado no chão, a cabeça por terra, não ouso levantar os olhos para a Cruz, mas espero confiadamente a tua misericórdia e a vida nova que de Ti vai brotar.

Sexta Feira Santa
Marinha Grande, 29 de Março de 2013

Joaquim Mexia Alves AQUI

O Evangelho do dia 14 de abril de 2017 - Sexta feira da Paixão do Senhor

Tendo Jesus dito estas palavras, saiu com os Seus discípulos para o outro lado da torrente do Cédron, onde havia um horto, em que entrou com os Seus discípulos. Ora Judas, o traidor, conhecia bem este lugar, porque Jesus tinha ido lá muitas vezes com os Seus discípulos. Tendo, pois, Judas tomado a coorte e guardas fornecidos pelos pontífices e fariseus, foi lá com lanternas, archotes e armas. Jesus, que sabia tudo que estava para Lhe acontecer, adiantou-Se e disse-lhes: «A quem buscais?». Responderam-Lhe: «A Jesus de Nazaré». Jesus disse-lhes: «Sou Eu». Judas, que O entregava, estava lá com eles. Quando, pois, Jesus lhes disse: «Sou Eu», recuaram e caíram por terra. Perguntou-lhes novamente: «A quem buscais?». Eles disseram: «A Jesus de Nazaré». Jesus respondeu: «Já vos disse que sou Eu; se é, pois, a Mim que buscais, deixai ir estes». Deste modo se cumpriu a palavra que tinha dito: «Não perdi nenhum dos que Me deste». Simão Pedro, que tinha uma espada, puxou dela e feriu um servo do Sumo Sacerdote, tendo-lhe cortado a orelha direita. Este servo chamava-se Malco. Porém, Jesus disse a Pedro: «Mete a tua espada na bainha. Não hei-de beber o cálice que o Pai Me deu?». Então, a coorte, o tribuno e os guardas dos judeus prenderam Jesus e O manietaram. Primeiramente levaram-n'O a casa de Anás, por ser sogro de Caifás, que era o Sumo Sacerdote daquele ano. Caifás era aquele que tinha dado aos judeus este conselho: «Convém que um só homem morra pelo povo». Simão Pedro e um outro discípulo seguiam Jesus. Este discípulo, que era conhecido do pontífice, entrou com Jesus no pátio do pontífice. Pedro ficou de fora, à porta. Saiu então o outro discípulo que era conhecido do Sumo Sacerdote, falou à porteira e fez entrar Pedro. Então a porteira disse a Pedro: «Não és tu também dos discípulos deste homem?». Ele respondeu: «Não sou». Os servos e os guardas acenderam uma fogueira e aqueciam-se ao lume, porque estava frio. Pedro encontrava-se também entre eles e aquecia-se. Entretanto, o pontífice interrogou Jesus sobre os Seus discípulos e sobre a Sua doutrina. Jesus respondeu-lhe: «Eu falei publicamente ao mundo; ensinei sempre na sinagoga e no templo, onde todos os judeus se reunem; nada disse em segredo. Porque Me interrogas? Interroga aqueles que ouviram o que Eu falei; eles sabem o que disse». Tendo dito isto, um dos guardas que estavam presentes deu uma bofetada em Jesus, dizendo: «Assim respondes ao Sumo Sacerdote?». Jesus respondeu-lhe: «Se falei mal, mostra o que disse de mal; se falei bem, porque Me bates?». Anás enviou-O manietado ao Sumo Sacerdote Caifás. Estava lá Simão Pedro aquecendo-se. Disseram-lhe: «Não és tu também dos Seus discípulos?». Ele negou e respondeu: «Não sou». Disse-lhe um dos servos do Sumo Sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha: «Não te vi eu com Ele no horto?». Pedro negou outra vez, e imediatamente o galo cantou. Levaram então Jesus da casa de Caifás ao Pretório. Era de manhã. Não entraram no Pretório para não se contaminarem, e poderem comer a Páscoa. Pilatos, pois, saiu fora para lhes falar, e disse: «Que acusação apresentais contra este homem?». Responderam: «Se não fosse um malfeitor não O entregaríamos nas tuas mãos». Pilatos disse-lhes então: «Tomai-O e julgai-O segundo a vossa Lei». Mas os judeus disseram-lhe: «Não nos é permitido matar ninguém». Para se cumprir a palavra que Jesus dissera, significando de que morte havia de morrer. Tornou, pois, Pilatos a entrar no Pretório, chamou Jesus e disse-Lhe: «Tu és o rei dos judeus?». Jesus respondeu: «Tu dizes isso por ti mesmo, ou foram outros que to disseram de Mim?». Pilatos respondeu: «Porventura sou judeu? A Tua nação e os pontífices é que Te entregaram nas minhas mãos. Que fizeste Tu?». Jesus respondeu: «O Meu reino não é deste mundo; se o Meu reino fosse deste mundo, certamente os Meus ministros se haviam de esforçar para que Eu não fosse entregue aos judeus; mas o Meu reino não é daqui». Pilatos disse-Lhe então: «Portanto, Tu és rei?». Jesus respondeu: «Tu o dizes, sou rei. Nasci e vim ao mundo para dar testemunho da verdade; todo aquele que está na verdade ouve a Minha voz». Pilatos disse-Lhe: «O que é a verdade?». Dito isto, tornou a sair para ir ter com os judeus e disse-lhes: «Não encontro n'Ele motivo algum de condenação. Ora é costume que eu, pela Páscoa, vos solte um prisioneiro; quereis, pois, que vos solte o rei dos judeus?». Então gritaram todos novamente: «Este não, mas Barrabás!». Ora Barrabás era um assassino. Pilatos tomou então Jesus e mandou-O flagelar. Depois, os soldados, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-Lha sobre a cabeça e revestiram-n'O com um manto de púrpura. Aproximavam-se d'Ele e diziam-Lhe: «Salve, rei dos judeus!», e davam-Lhe bofetadas. Saiu Pilatos ainda outra vez fora e disse-lhes: «Eis que vo-l'O trago fora, para que conheçais que não encontro n'Ele crime algum». Saiu, pois, Jesus, trazendo a coroa de espinhos e o manto de púrpura. Pilatos disse-lhes: «Eis aqui o Homem!». Então os príncipes dos sacerdotes e os guardas, quando O viram, gritaram: «Crucifica-O, crucifica-O!». Pilatos disse-lhes: «Tomai-O e crucificai-O, porque eu não encontro n'Ele motivo algum de condenação». Os judeus responderam-lhe: «Nós temos uma Lei e, segundo essa Lei, deve morrer, porque Se fez Filho de Deus». Pilatos, tendo ouvido estas palavras, temeu ainda mais. Entrou novamente no Pretório e disse a Jesus: «Donde és Tu?». Mas Jesus não lhe deu resposta. Então Pilatos disse-Lhe: «Não me falas? Não sabes que tenho poder para Te soltar e também para Te crucificar?». Jesus respondeu: «Tu não terias poder algum sobre Mim, se não te fosse dado do alto. Por isso, quem Me entregou a ti tem maior pecado». Desde este momento, Pilatos procurava soltá-l'O. Porém, os judeus gritavam: «Se soltas Este, não és amigo de César!, porque todo aquele que se faz rei, declara-se contra César». Pilatos, tendo ouvido estas palavras, conduziu Jesus para fora e sentou-se no seu tribunal, no lugar chamado Litóstrotos, em hebraico Gábata. Era o dia da Preparação da Páscoa, cerca da hora sexta. Pilatos disse aos judeus: «Eis o vosso rei!». Mas eles gritaram: «Tira-O, tira-O, crucifica-O!». Pilatos disse-lhes: «Hei-de crucificar o vosso rei?». Os pontífices responderam: «Não temos outro rei senão César». Então entregou-Lho para que fosse crucificado. Tomaram, pois, Jesus que, carregando com a Sua cruz, saiu para o lugar chamado Calvário, em hebraico Gólgota, onde O crucificaram, e com Ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio. Pilatos redigiu um título, que mandou colocar sobre a cruz. Nele estava escrito: «Jesus Nazareno, Rei dos Judeus». Muitos judeus leram este título, porque o lugar onde foi crucificado ficava perto da cidade. Estava redigido em hebraico, em latim e em grego. Os pontífices dos judeus diziam, porém, a Pilatos: «Não escrevas: Rei dos Judeus, mas: Este homem disse: Eu sou o Rei dos Judeus». Pilatos respondeu: «O que escrevi, está escrito!». Os soldados, depois de terem crucificado Jesus, tomaram as Suas vestes e fizeram delas quatro partes, uma para cada soldado. Tomaram também a túnica. A túnica não tinha costura, era toda tecida de alto a baixo. Disseram entre si: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela, para ver a quem tocará; para que se cumprisse deste modo a Escritura, que diz: “Repartiram entre si as Minhas vestes e lançaram sortes sobre a Minha túnica”. “Os soldados assim fizeram. Estavam, de pé, junto à cruz de Jesus, Sua mãe, a irmã de Sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, vendo Sua mãe e, junto dela, o discípulo que amava, disse a Sua mãe: «Mulher, eis o teu filho». Depois disse ao discípulo: «Eis a tua mãe». E, desde aquela hora, o discípulo recebeu-a na sua casa. Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: «Tenho sede». Havia ali um vaso cheio de vinagre. Então, os soldados, ensopando no vinagre uma esponja e atando-a a uma cana de hissopo, chegaram-Lha à boca. Jesus, tendo tomado o vinagre, disse: «Tudo está consumado!». Depois, inclinando a cabeça, entregou o espírito. Os judeus, visto que era o dia da Preparação, para que os corpos não ficassem na cruz no sábado, porque aquele dia de sábado era de grande solenidade, pediram a Pilatos que lhes fossem quebradas as pernas e fossem retirados. Foram, pois, os soldados e quebraram as pernas ao primeiro e ao outro com quem Ele havia sido crucificado. Mas, quando chegaram a Jesus, vendo que já estava morto, não Lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados trespassou-Lhe o lado com uma lança e imediatamente saiu sangue e água. Quem foi testemunha deste facto o atesta, e o seu testemunho é digno de fé e ele sabe que diz a verdade, para que também vós acrediteis. Porque estas coisas sucederam para que se cumprisse a Escritura: “Não Lhe quebrarão osso algum”. E também diz outro passo da Escritura: “Hão-de olhar para Aquele a quem trespassaram”. Depois disto, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus, ainda que oculto por medo dos judeus, pediu a Pilatos que lhe deixasse levar o corpo de Jesus. Pilatos permitiu-o. Foi, pois, e tomou o corpo de Jesus. Nicodemos, aquele que tinha ido anteriormente de noite ter com Jesus, foi também, levando uma composição de quase cem libras de mirra e aloés. Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-n'O em lençóis com perfumes, segundo a maneira de sepultar usada entre os judeus. Ora, no lugar em que Jesus foi crucificado, havia um horto e no horto um sepulcro novo, em que ninguém tinha ainda sido sepultado. Por ser o dia da Preparação dos judeus e o sepulcro estar perto, depositaram ali Jesus. 

Jo 18,1-40.19,1-42