Natal

Natal
Vinde, Senhor Jesus! Estamos ansiosos pela vossa chegada para proclamarmos de novo o nascimento do Filho de Deus Pai

quinta-feira, 23 de março de 2017

ADORAÇÃO 24 HORAS - BASÍLICA DA ESTRELA - 24 DE MARÇO


Lançamento do livro "Os pastorinhos de Fátima" no Oratório S. Josemaria em Lisboa


Reflexões Quaresmais

Estátua do Santo Cura d'Ars apontando o caminho
Quaresma – 22ª Reflexão

Nesta caminhada quaresmal, trazes ao meu coração a obediência.

Colocas-me a mão sobre os ombros e caminhando juntos, dizes-me:
Sabes, meu filho, como a obediência é uma virtude hoje em dia mal percebida, vista quase como um sinónimo de fraqueza.
E não é assim! A obediência dos filhos de Deus, a obediência do ser Igreja, exige pelo contrário, uma força e uma coragem empenhadas e constantes.
Mas não é uma obediência cega, mas sim uma obediência de confiança no amor de Deus e como tal uma obediência de amor e por amor. Por isso mesmo, é iluminada e fortalecida pelo Espírito Santo que se derrama em vós.
E dessa obediência vem a paz, a serenidade, a confiança, a esperança, a salvação, enfim o amor na sua plenitude.
Repara que foi por obediência de amor ao Pai e por amor a vós, que Me entreguei totalmente por ti e por todos os outros, e por isso mesmo, dessa obediência veio a libertação da lei do pecado que conduz à morte, dessa obediência veio a Salvação para ti e para todos.

Fito-Te nos Teus olhos amorosos e peço-Te:
Ensina-me, Senhor, a obediência.
Não a obediência cega, sem sentido, mas a obediência de amor, por acreditar que nada do que me pedes vai para além das forças que me dás e, sobretudo, porque essa obediência é sempre o melhor para mim e para os outros, no caminho da salvação que por Tua graça nos dás.

Obrigado, Senhor, pela virtude da obediência.

Monte Real, 3 de Março de 2016

Joaquim Mexia Alves na sua página no Facebook

Recorre prontamente à Confissão

Se alguma vez caíres, filho, recorre prontamente à Confissão e à direcção espiritual: mostra a ferida!, para que te curem a fundo, para que te tirem todas as possibilidades de infecção, mesmo que te doa como numa operação cirúrgica. (Forja, 192)

Vou resumir-te a tua história clínica: aqui caio e ali me levanto... A última parte é que é importante. Continua com essa luta íntima, mesmo que vás a passo de tartaruga. Adiante! Bem sabes, filho, até onde podes chegar, se não lutares: "o abismo chama por outros abismos". (Sulco, 173)

Compreendeste em que consiste a sinceridade quando me escreveste: "Estou procurando habituar-me a chamar às coisas pelo seu nome, e sobretudo a não acrescentar adjectivos ao que não precisa de nenhum". (Sulco, 332)

"Abyssus, abyssum invocat...", um abismo chama outro abismo, já to lembrei algumas vezes. É a descrição exacta do modo de se comportarem os mentirosos, os hipócritas, os renegados, os traidores: como se sentem incomodados com o seu próprio modo de ser, ocultam as suas trapaças, para irem de mal a pior, abrindo um precipício entre eles e o próximo. (Sulco, 338)

A sinceridade é indispensável para progredir na união com Deus.

– Se dentro de ti, meu filho, há algo que não queres que se saiba, desembucha! Diz primeiro, como sempre te aconselho, o que gostarias de ocultar. Depois de ter desabafado na Confissão, como nos sentimos bem! (Forja, 193)

Na altura do exame, vai prevenido contra o demónio mudo. (Caminho, 236)

São Josemaría Escrivá

Centenário – Inconformidade

Imprecação à minha querida Mãe do Céu

Mãe, desculpa a minha franqueza, mas eu, por momentos, penso que o Teu Divino Filho dorme!

Estou siderado com a loucura que se está a instalar neste País do qual és Rainha.

As leis iníquas que alguns – infelizmente tantos – pretendem aprovar e que, outros, por respeito humano ou pura cobardia, estarão dispostos a ractificar:

O aborto, a eutanásia, a ideologia de género, a legalização da união de pessoas do mesmo sexo, tudo feito e imaginado por mentes doentias, sem critério nem formação, que pretendem fazer crer que fazem o que fazem por preocupação pelos direitos dos outros, por solidariedade, por “bons motivos”.

São pessoas, bem sei, e teus filhos também, não me esqueço, mas são doentes, insanos, quando não agentes de seitas ou associações que têm como único objectivo destruir a família e aviltar a dignidade da pessoa humana.

Desculpa, Mãe, mas estou sem saber o que fazer, o que posso fazer!

Então… ouvi a resposta:

‘Enganas-te, filho, o meu Divino Filho não dorme NUNCA!

O que podes e deves e tens a fazer:

REZA MAIS E COM MAIOR DEVOÇÂO E CONFIANÇA!’

(AMA, Reflexões, 22.03.2017)

São Josemaría Escrivá nesta data em 1939

Escreve uma carta a Álvaro del Portillo: "Jesus te guarde, Saxum. E assim és. Vejo que o Senhor te dá fortaleza, e torna operativa a minha palavra: saxum! Agradece-Lho e sê-Lhe fiel, apesar de... tantas coisas. Se visses, que ganas tão grandes tenho de ser santo, e de fazer-vos santos! Abraço-te e abençoo-te Mariano.

O mundo está a mudar

Pesquisei no «Google» a frase «the world is changing» e recebi 700 milhões de endereços para consultar. Parafraseando um político célebre, informo que ainda não os consultei todos pela segunda vez, mas já tenho uma opinião sobre o assunto. O mundo está mesmo a mudar.

Nesta Páscoa, há poucos dias, baptizaram-se cerca de 3800 adultos em França e 2500 adultos no Reino Unido. Um número maior de adultos já cristãos, anteriormente baptizados em comunidades protestantes, foi recebido na Igreja Católica. Até na Europa, as estatísticas começam a mudar.

Anda a correr pela Net o vídeo da mensagem de Páscoa do Primeiro-Ministro britânico, David Cameron (som original e legendas em português em: www.youtu.be/A6JzlUwnSWw). Não é costume um Primeiro-ministro ter alguma coisa para dizer na Páscoa, mas o mundo está a mudar. Cameron veio declarar, rotundamente, que o Reino Unido é um país cristão: feliz por acolher todos e conviver com todas as convicções religiosas mas, apesar de tudo, um país de matriz claramente cristã. Sublinhou com força o papel do cristianismo na vida nacional: «a igreja não é apenas um património de lindíssimos edifícios antigos, é uma força vital e actuante». Onde há desalojados, ou droga, ou sofrimento, onde a integração social é difícil, ou é preciso promover a educação ou a saúde, aí aparece a Igreja. O seu papel na arte e na cultura é imenso. Cameron chegou a falar, num registo mais pessoal, do apoio que ele próprio recebeu, «nos momentos mais difíceis da minha vida». Ninguém estava à espera de uma mensagem assim! Imagino que Cameron não entrou numa fase mística, a questão é outra: o mundo está a mudar e os políticos são os primeiros a perceber os novos ventos.

Outro dado solto. O sueco Ulf Ekman e a mulher Birgitta – ele, o pastor pentecostal mais influente da Suécia e líder de uma enorme comunidade – anunciaram há um ano, no sermão de Domingo, que se iam fazer católicos. Os suecos aborreceram-se? Nem por isso. Nem sequer acharam surpreendente. Stefan Gustavsson, Secretário-geral da Aliança Evangélica Sueca, emitiu um comunicado a reconhecer que Ekman tinha sido o líder protestante de maior relevo dos últimos 50 anos, com grande impacto também no estrangeiro, e considera que o anúncio da sua conversão «foi um gesto rico de calor humano e de humildade». Desejou a Ulf Ekman e à mulher as maiores felicidades e as bênçãos do Senhor e explicou que a Aliança Evangélica está muito satisfeita com as relações, cada vez mais estreitas, com a Igreja católica, apesar das diferenças teológicas que subsistem.

Quase ao mesmo tempo, outro sueco, Lars Ekblad, também se converteu, depois de ser sido pastor luterano durante quase 40 anos: «Quem escuta a voz do Senhor e quer segui-Lo, acaba por se fazer católico».

Olho para outro lado, para o Patriarcado Ortodoxo de Constantinopla, afastado da Igreja desde o século XI. No dia 4 de Abril, numa entrevista à «La Civiltà Cattolica», o Patriarca Bartolomeu I afirmou que «a sinodalidade [a união da Igreja] precisa de um “primeiro”: não se entende sem ele, que é quem tem o carisma do serviço da comunhão. O “primeiro” é aquele que procura o consenso de todos. E justamente esse é o ponto em que verdadeiramente sentimos que o nosso irmão Francisco revelou uma liderança extraordinária». Continua Bartolomeu I: «desde a eleição do Papa Francisco sentimos que havia algo de especial nele: a sua integridade, a sua espontaneidade, o seu calor. Este é o motivo pelo qual decidi participar da Missa inaugural do Pontificado, em 2013». Foi a primeira vez que um Arcebispo de Constantinopla esteve presente naquela ocasião na Igreja de Roma. Esta aproximação, cada vez mais desejada por todos, poderá demorar, mas intensificou-se muito com Bento XVI e está agora a tornar-se mais expressiva e calorosa.

Observo as estatísticas de vários países. Por exemplo, em Itália o número de Confissões praticamente duplicou, com a pregação que o Papa Francisco está a fazer sobre este Sacramento.

O mundo está a mudar? Talvez não mude na mesma direcção em todas as partes do mundo. Estão a chegar às dioceses de Portugal padres enviados por dioceses recônditas da Índia (que chegam sem falar uma palavra de português) e padres de Angola e da Polónia e de outros países. Por exemplo, os padres brasileiros que estão a dinamizar com o seu ardor missionário várias paróquias dos Açores.

Será que os cristãos do resto do mundo conseguem que Portugal também mude?

José Maria C.S. André
«Correio dos Açores»

MISSÃO CUMPRIDA - Biografia de Álvaro del Portillo por Hugo de Azevedo

LIVRO RECOMENDADO

Alvaro del Portillo foi o sucessor de S. Josemaría Escrivá como Prelado do Opus Dei e após a sua morte tomou a missão de fazer do Opus Dei uma Prelatura Pessoal e a isso se tinha dedicado ainda quando o Fundador era vivo. Grande entusiasta dessa missão a ela dedicou a sua vida. Nesta obra, Hugo de Azevedo, tal como na biografia de S. Josemaría – UMA LUZ NO MUNDO – faz um retrato fiel e exaustivo dos trabalhos e carácter desta figura exemplar, numa linguagem elegante e fácil. Uma obra indispensável para conhecer melhor uma grande figura da Igreja.

No aniversário da morte do Beato Álvaro del Portillo


Em 23 de Março de 1994 falecia santamente, em Roma, D. Álvaro del Portillo, primeiro sucessor de S. Josemaria. Por motivo deste aniversário incluímos algumas ligações a notícias já publicadas neste site e um novo vídeo em que o Fundador do Opus Dei fala sobre D. Álvaro na Guatemala.

Em 15 de Setembro de 1975, D. Álvaro del Portillo foi eleito primeiro sucessor de S.Josemaria, no Congresso electivo convocado após o falecimento do Fundador. Dos anos em que passou à frente do Opus Dei, sobressaem dois factos decisivos: a erecção da Obra em Prelatura pessoal em 1982 e a beatificação do Fundador em 1992 por João Paulo II.

D.Álvaro impulsionou o trabalho apostólico do Opus Dei em novos países: Suécia, Finlândia, Polónia, Checoslováquia, Camarões, República Dominicana, Hong-Kong, Nova Zelândia, Trindade-Tobago, Zaire, Costa de Marfim, etc.

A sua conduta, enquanto sucessor de S.Josemaria, sempre se pantou por um grande dinamismo apostólica, sentido de comunhão eclesial e fidelidade ao carisma fundacional. No ano em que faleceu – 1994 – a prelatura contava já com 78 mil fieis.

João Pablo II consagrou Bispo D.Álvaro Del Portillo em 6 de Janeiro de 1991. Faleceu santamente em 23 de Março de 1994, após peregrinar à Terra Santa. Na manhã anterior tinha celebrado a sua última Missa na igreja do Cenáculo, em Jerusalém.

(Fonte: site do Opus Dei-Portugal em  http://www.opusdei.pt/art.php?p=43168)

O Evangelho do dia 23 de março de 2017

Jesus estava a expulsar um demónio, que era mudo. Depois de ter expulsado o demónio, o mudo falou e as multidões ficaram maravilhadas. Mas alguns disseram: «Ele expulsa os demónios pelo poder de Belzebu, príncipe dos demónios». Outros, para O tentarem, pediam-Lhe um prodígio vindo do céu. Ele, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: «Todo o reino dividido contra si mesmo será devastado, e cairá casa sobre casa. Se, pois, Satanás está dividido contra si mesmo, como estará em pé o seu reino? Porque vós dizeis que por virtude de Belzebu é que lanço fora os demónios. Ora, se é pelo poder de Belzebu que Eu expulso os demónios, os vossos filhos pelo poder de quem os expulsam? Por isso eles mesmos serão os vossos juízes. Mas se Eu, pelo dedo de Deus, lanço fora os demónios, certamente chegou a vós o reino de Deus. Quando um, forte e armado, guarda o seu palácio, estão em segurança os bens que possui; porém, se, sobrevindo outro mais forte do que ele, o vencer, tira-lhe as armas em que confiava, e reparte os seus despojos. Quem não é comigo é contra Mim; e quem não colhe comigo desperdiça.

Lc 11, 14-23