N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

segunda-feira, 20 de março de 2017

Reflexões Quaresmais

Quaresma – 19ª Reflexão

E o arrependimento, Senhor, o que é o arrependimento?

Inclinas-Te sobre mim, (porque todo Tu és humildade), e dizes-me cheio de amor:
Quando abres o coração ao Meu amor, ele enche-se de amor por Mim e pelos outros.
Quando Me ofendes ou ofendes alguém, o amor fica ferido, abre uma brecha no teu coração, e chora.
As lágrimas do amor ferido por uma ofensa praticada, são o arrependimento.
Não as consegues reter, porque elas vêm do amor e são a expressão da dor do amor que feriu alguém e por isso se rompeu.
Só podem secar pelo perdão que Eu te ofereço, permanentemente, perante a tua admissão da ofensa e o teu propósito de emenda, para comigo e para com os outros.

Chora, meu coração que tanto ofendes! Alegra-te, meu coração, que és perdoado!

Peço-Te, Deus de perdão:
Abre o meu coração ao Teu amor, para que ele fique cheio apenas e só do Teu amor.
Fá-lo chorar quando Te ofende ou ofende o meu irmão.
E depois, Senhor, leva-me à confissão da ofensa, ao propósito sério de emenda, para que alcance o Teu perdão e o perdão daqueles a quem ofendi, para que refeito o amor no meu coração, eu possa ter testemunha do Teu amor em mim.

Nas Tuas mãos me entrego, Senhor, porque só em Ti encontro o verdadeiro amor!

Monte Real, 29 de Fevereiro de 2016

Joaquim Mexia Alves na sua página no Facebook

Programa visita Papa a Fátima a 12 e 13 de maio

PEREGRINAÇÃO DE SUA SANTIDADE O PAPA FRANCISCO AO
SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
por ocasião do Centenário das Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria

12-13 DE MAIO DE 2017


Sexta-feira, 12 de Maio de 2017

14:00        Partida do Aeroporto de Roma/Fiumicino para Monte Real
16:20        Chegada à Base Aérea de Monte Real
                 CERIMÓNIA DE BOAS-VINDAS
16:35        ENCONTRO PRIVADO COM O PRESIDENTE DA REPÚBLICA na Base Aérea de Monte Real
16:55        Visita à Capela da Base Aérea
17:15        Deslocação em helicóptero para o Estádio de Fátima
17:35        Chegada ao Estádio de Fátima e deslocação para o Santuário em viatura aberta
18:15        VISITA À CAPELINHA DAS APARIÇÕES                                           
                 Oração do Santo Padre
21:30        BÊNÇÃO DAS VELAS na Capelinha das Aparições                   
                 Sudação do Santo Padre
                 RECITAÇÃO DO SANTO ROSÁRIO

Sábado, 13 de Maio de 2017

09:10        Encontro com o Primeiro-Ministro
09:40        Visita à Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima
10:00        SANTA MISSA no Recinto do Santuário                                     
                 Homilia do Santo Padre
                 Saudação do Santo Padre  aos doentes                                                                        
12:30        Almoço com os Bispos de Portugal na Casa “Nª Sr.ª do Carmo”
14:45        CERIMÓNIA DE DESPEDIDA na Base Aérea de Monte Real
15:00        Partida de avião da Base Aérea de Monte Real para Roma
19:05        Chegada ao Aeroporto de Roma/Ciampino

Fusos horários
Roma:                 +2h UTC
Monte Real:         + 1h UTC
Fátima:                +1h UTC

(Fonte: site do Santuário de Fátima em 20/03/2017)

Amemos a direcção espiritual!

Abriste sinceramente o teu coração ao teu Director, falando na presença de Deus... E foi maravilhoso verificar como tu sozinho ias encontrando resposta adequada às tuas próprias tentativas de evasão. Amemos a direcção espiritual! (Sulco, 152)

Conhecem muito bem as obrigações do vosso caminho de cristãos, que os hão-de levar sem parar e com calma à santidade; também estão precavidos contra as dificuldades, praticamente contra todas, porque já se vislumbram desde o princípio do caminho. Agora insisto em que se deixem ajudar e guiar por um director de almas, a quem confiem todos os entusiasmos santos, os problemas diários que afectarem a vida interior, as derrotas que sofrerem e as vitórias.

Nessa direcção espiritual mostrem-se sempre muito sinceros: não deixem nada por dizer, abram completamente a alma, sem medo e sem vergonha. Olhem que, se não, esse caminho tão plano e tão fácil de andar complica-se e o que ao princípio não era nada acaba por se converter num nó que sufoca. 

(...) Lembram-se da história do cigano que se foi confessar? Não passa de uma história, de uma historieta, porque da confissão nunca se fala e, além disso, estimo muito os ciganos. Coitadinho! Estava realmente arrependido: Senhor Padre, acuso-me de ter roubado uma arreata...– pouca coisa, não é? – e atrás vinha uma burra...; e depois outra arreata...; e outra burra... e assim até vinte. Meus filhos, o mesmo acontece no nosso comportamento: quando cedemos na arreata, depois vem o resto, a seguir vem uma série de más inclinações, de misérias que aviltam e envergonham; e acontece o mesmo na convivência: começa-se com uma pequena falta de delicadeza e acaba-se a viver de costas uns para os outros, no meio da indiferença mais gelada. (Amigos de Deus, 15)

São Josemaría Escrivá

QUARESMA 2017

Continuo a fazer o caminho do deserto da Quaresma.

Sempre ao encontro de Cristo em mim, para que o Espírito Santo me vá mostrando caminho no amor do Pai.

Esta pedra do caminho, tem escrito, algo muito especial: Pai!

O “outro” segreda-me ao ouvido que eu sou muito bom pai, que não me preocupe.
Como sempre duvido dele.

Não duvido, nem um pouco, do meu amor de pai pelos meus filhos!
Mas isso não impede que me pergunte se sou um bom pai para os meus filhos.
Sou eu um pai presente, e este presente, tem pouco a ver com presença física?
Sou eu um pai que dá testemunho de coerência de fé, de honestidade, de entrega?
Quantas vezes não deixo eu que se coloquem trabalhos, (mesmo da Igreja), à frente dos meus filhos?
Percebo e vivo eu a certeza de que a primeira vocação que Deus me deu como família, é ser pai?

Ah, Senhor, obrigado por me teres feito sentar nesta pedra do “pai”, na qual preciso ficar sentado bastante tempo, antes de me levantar para prosseguir caminho.

Ajuda-me a perceber e a viver que o ser “pai” vem de Ti, e que só em Ti posso ser pai verdadeiramente, pois essa é a Tua vontade.

Monte Real, 20 de Março de 2017

Joaquim Mexia Alves

São Josemaría Escrivá nesta data em 1927

É colocado na paróquia de Fombuena (Saragoça) para aí exercer o seu ministério durante a semana da Paixão e Semana Santa. “Estive por duas vezes em paróquias rurais. Que alegria, quando me lembro! Mandaram-me para lá para me arreliar, mas fizeram-me um grande bem. Já nessa altura havia quem procurasse incomodar-me. Fizeram-me um bem enorme, enorme, enorme! Com que entusiasmo recordo tudo aquilo!”, recorda passados anos.

A ausência do amor-próprio

«Há muitas pessoas que vivem em ruptura consigo próprias. Esta aversão para com elas mesmas, esta incapacidade de se aceitarem e se reconciliarem com elas mesmas está muito distante daquela “autonegação” pretendida pelo Senhor. Quem não se ama a si mesmo não pode tão-pouco amar o próximo, não pode aceitá-lo “como a si mesmo” porque está contra si mesmo e portanto é amargo, é incapaz de amar a partir do fundo de si»

(Joseph Ratzinger - Olhar para Cristo)

«Não é difícil odiar-se a si mesmo; mas a graça das graças seria amar-se a si mesmo como um membro do Corpo de Cristo…»

(Bernanos - Diário de Um Pároco de Aldeia)

Educar para o mundo digital

É absolutamente inegável que o ambiente digital forma parte da vida quotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens. Também é evidente que esta nova cultura de comunicação possui muitos benefícios. E que contribuiu para o desenvolvimento de inúmeras capacidades até um nível que era simplesmente inimaginável no passado.

As novas tecnologias não são um simples acessório para muitíssimas pessoas: são uma autêntica extensão da vida do dia-a-dia.

Por este motivo, é indispensável que os pais percebam que educar nas novas tecnologias é essencial nos dias de hoje. Não é nenhuma opção. É uma obrigação ― e das grandes!

Porque o mundo digital ― quer queiram quer não ― influirá muitíssimo na vida e na felicidade dos seus filhos.

O ideal é que o uso das novas tecnologias redunde numa melhora integral da pessoa. É preciso ajudar os filhos a usarem estes meios com liberdade, responsabilidade e temperança.

Seria absurdo, por exemplo, que os filhos não dormissem as horas necessárias porque não conseguem deixar de responder a mensagens no telemóvel ou jogar com o computador. É, sem dúvida nenhuma, disparatado. No entanto, segundo alguns estudos recentes, parece que é um acontecimento bastante comum em muitas famílias.

Senhores pais: não deixem de ajudar os vossos filhos a reflectir sobre os modos sensato e insensato de utilizar estes meios digitais. E, por favor, não se esqueçam de educar também com o exemplo.

Se no passado havia falta de informação, nos dias que correm um problema sério é o seu excesso. A mente humana pode cair facilmente na dispersão e passar a ter dificuldades graves de concentração.

Diante destes mundos de informação que são tudo menos inócuos convém ajudar a reflectir: como posso servir-me destes recursos de um modo positivo? Como posso evitar que o seu uso me faça perder o domínio próprio sobre as minhas acções e emoções?
Pe. Rodrigo Lynce de Faria

S. José, um homem normal

"José era efectivamente um homem corrente, em quem Deus confiou para fazer coisas grandes", por isso S. Josemaría Escrivá apresentava-o como modelo de pai que soube encontrar a Deus no dia-a-dia. Apresentamos alguns textos a propósito dos 7 Domingos de S. José, que precedem a festa do dia 19 de Março.

Falámos hoje da vida de oração e do afã de apostolado. Queremos porventura melhor mestre nesta matéria do que S. José? Se quereis que vos dê um conselho, dir-vos-ei – com palavras que venho a repetir incansavelmente desde há muitos anos: Ite ad Joseph, recorrei a S. José; ele vos mostrará caminhos concretos e meios humanos e divinos para chegar a Jesus. E em breve ousareis, tal como ele, segurar nos braços, beijar, vestir e cuidar deste Menino Deus que nasceu para nós. Em sinal de veneração, os Magos ofereceram a Jesus ouro, incenso e mirra; José deu-lhe plenamente o coração jovem, cheio de amor. Cristo que passa, 38

José era um artesão da Galileia, um homem como tantos outros. E que pode esperar da vida um habitante de uma aldeia perdida, como era Nazaré? Apenas trabalho, todos os dias, sempre com o mesmo esforço. E, no fim da jornada, uma casa pobre e pequena, para recuperar as forças e recomeçar o trabalho no dia seguinte.

José era efectivamente um homem corrente, em quem Deus confiou para realizar coisas grandes. Soube viver exactamente como o Senhor queria todos e cada um dos acontecimentos que compuseram a sua vida. Por isso, a Sagrada Escritura louva José, afirmando que era justo. E, na língua hebreia, justo quer dizer piedoso, servidor irrepreensível de Deus, cumpridor da vontade divina ; outras vezes significa bom e caritativo para com o próximo. Cristo que passa, 40

O nosso Pai e Senhor São José é Mestre da vida interior. – Põe-te sob o seu patrocínio e sentirás a eficácia do seu poder. Caminho, 560

De São José diz Santa Teresa, no livro da sua vida: «Quem não achar Mestre que Ihe ensine a orar, tome este glorioso Santo por mestre, e não errará no caminho». – O conselho vem de uma alma experimentada. Segue-o. Caminho, 561

O Evangelho do dia 20 de março de 2017

Jacob gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, chamado Cristo. Assim, são catorze todas as gerações desde Abraão até David; e catorze gerações desde David até à deportação para Babilónia, e também catorze as gerações desde a deportação para Babilónia até Cristo.  A geração de Jesus Cristo foi deste modo: Estando Maria, Sua mãe, desposada com José, antes de coabitarem achou-se ter concebido por obra do Espírito Santo.  Dará à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus, porque Ele salvará o Seu povo dos seus pecados». Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito pelo Senhor por meio do profeta que diz:  “Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um filho, e Lhe porão o nome de Emanuel, que significa: Deus connosco”. Ao despertar José do sono, fez como lhe tinha mandado o anjo do Senhor, e recebeu em sua casa Maria, sua esposa.

Mt 1,16.18-21.24