N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

sábado, 21 de janeiro de 2017

Estás triste, meu filho?

Nunca desanimes, se és apóstolo. – Não há contradição que não possas superar. – Porque estás triste? (Caminho, 660)

A verdadeira virtude não é triste nem antipática, mas amavelmente alegre. (Caminho, 657)

Se as coisas correm bem, alegremo-nos, bendizendo a Deus que dá o incremento. – Correm mal? – Alegremo-nos, bendizendo a Deus que nos fez participar da sua doce Cruz. (Caminho, 658)

Para dar remédio à tua tristeza, pedes-me um conselho. – Vou dar-te uma receita que vem de boa mão – do apóstolo Tiago: – "Tristatur aliquis vestrum?" estás triste, meu filho? – "Oret!" Faz oração! – Experimenta e verás. (Caminho, 663)

Não estejas triste. – Tem uma visão mais... "nossa" – mais cristã – das coisas. (Caminho, 664)

"Laetetur cor quaerentium Dominum"– Alegre-se o coração dos que procuram o Senhor. – Luz, para investigares o motivo da tua tristeza. (Caminho, 666)

São Josemaría Escrivá

In memoriam de um comunista czarista

A vida, por sinal breve e intensa, de José Carlos Ary dos Santos foi vivida na contradição entre as suas origens familiares e as suas opções ideológicas, a sua formação católica e o seu estilo de vida

No passado dia 18 de Janeiro, ocorreu mais um aniversário do falecimento de José Carlos Ary dos Santos, que teria feito 80 anos a 7 de Dezembro último, pois nasceu em tal data do ano 1936 (e não 1937, como erradamente se escreve na Wikipédia e não só). O poeta era mais do que um autor de baladas de grande sucesso nos festivais da Eurovisão, como a Desfolhada (1969) e a Tourada (1973): as suas letras eram sobretudo uma expressão ousada e subtil, por causa da censura, da sua oposição política e social ao regime. Depois do 25 de Abril, foi um dos seus principais trovadores, como autor de poemas como As portas que Abril abriu, em parte reproduzido no arco da praça de Espanha, na cidade em que nasceu, viveu e morreu e a que dedicou uma das suas mais belas poesias: Lisboa menina e moça.

Não obstante o carácter propagandístico de parte significativa da sua obra, o melhor da sua poesia é alheio a essa sua opção ideológica que, salvo melhor opinião, foi uma aposta publicitária na sua pessoa e carreira artística. Não em vão, José Carlos Ary dos Santos era, de profissão, publicitário e como tal trabalhou toda a sua vida. Natália Correia nunca lhe perdoou o facto de, pela sua adesão a uma doutrina política totalitária, ter comprometido a sua criatividade e liberdade poética.

A sua existência, por sinal breve e intensa – morreu com 47 anos recém-cumpridos – foi vivida na contradição entre as suas origens familiares e as suas opções ideológicas, a sua formação católica, patente nas suas primeiras obras, e o seu estilo de vida. Por isso, quando alguém lhe chamou a atenção para a incoerência de se dizer comunista e vestir camisas de seda e permitir-se outros luxos e gostos requintados, o poeta, que nunca foi militante do PCP, afirmou ser comunista, mas da linha czarista…

Um nome

Embora não fosse o seu primeiro nome, nem o seu último apelido, Ary era, definitivamente, o seu nome. De origem holandesa, onde um tal Ary Scheffer alcançou, como pintor, certa notoriedade, o mesmo nome também existe, com outra grafia, nos países escandinavos, onde o finlandês Ari Vatanen foi campeão de rallies, e Ari Behn foi casado com a princesa Marta da Noruega, prima do poeta… pela linha czarista!

Da Europa, o nome Ary passou ao Brasil – quem não conhece o famoso actor Ary Fontoura?! – de onde chegou a Portugal e, mais concretamente, à estirpe do poeta. Segundo tradição familiar, a sugestão deste nome próprio foi da madrinha brasileira do primeiro Ary português, o médico Carlos Ary dos Santos, avô paterno de José Carlos. Ao longo de cinco gerações de seus descendentes, o Ary do seu nome institucionalizou-se como apelido familiar.

Uma família

A família é de remota origem transmontana e de arreigada tradição militar: o bisavô do primeiro Ary dos Santos foi um valoroso oficial do exército miguelista, convencionado em Évora Monte, e o avô, também pela varonia, morreu ainda jovem, mas já capitão e cavaleiro da Torre-e-Espada, a mais alta condecoração militar portuguesa. Mas, desde meados do século XIX, a família trocou a espada gloriosa dos seus maiores pela pena, bem como o norte das suas origens pela capital, onde se estabeleceu num solar do Bairro Alto que ainda lhe pertence.

O dito Carlos Ary dos Santos, notável otorrinolaringologista da primeira metade do século XX, casou com Maria Guilhermina de Pina Manique Pereira, que era trineta, por sua mãe, do célebre Intendente Diogo Inácio de Pina Manique.

O seu nome próprio de origem germânica – Guilhermina – vinha-lhe de sua bisavó materna, Maria Guilhermina Frederica de Sousa Holstein, que era prima direita do 1º duque de Palmela, sendo ambos netos paternos de D. Manuel de Sousa e da princesa Maria Ana Leopoldina de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Beck que, pelo seu próximo parentesco com os reis da Dinamarca e da Noruega, estava aparentada com quase todas as casas reais europeias.

É provável que esta longínqua relação genealógica não fosse desconhecida do poeta que, em Três adereços recebidos como herança, se refere à sua ‘parenta’ a czarina Catarina II… Sendo esta imperatriz, de origem alemã, descendente de um outro ramo dos mesmos Holsteins, era também, mas muito remotamente, prima de José Carlos Ary dos Santos, o qual, aludindo a este parentesco, escreveu: “Catarina da Rússia, minha prima / pela fronteira travessa, / deixou-me, além do gosto pela esgrima / com a moral avessa, / um casaco de marta sibilina /que abafa muita viscondessa” (in Adereços, Endereços, Guimarães Editores, Lisboa 1969, pág. 31). Mais uma vez, a linha czarista…

Dos dois filhos de Carlos Ary dos Santos e de sua mulher surgiram os dois ramos da família. Alfredo, o primogénito, foi advogado e, do seu casamento com a única filha dos condes de Macieira, teve um só filho, já falecido, que foi embaixador de Portugal no Luxemburgo e na Áustria, chefe do protocolo do Estado, sócio correspondente da Academia Portuguesa da História, etc. A sua abundante geração – oito filhos, dezasseis netos e, por ora, nove bisnetos – está espalhada por vários países: França, Estados Unidos da América, Alemanha, Itália, Suíça e, claro, Portugal.

O filho secundogénito, Carlos, seguiu as pegadas paternas, como médico otorrino que igualmente foi. Casou primeiro com Maria Bárbara de Miranda e Castro Pereira da Silva, da família dos morgados de Selir, em Azeitão, de quem teve primogénito o poeta. Seu único irmão varão, Diogo, morreu precocemente, também não deixando descendência pelo que, deste segundo ramo só há geração por via feminina. Viúvo mas ainda novo, Carlos voltou a casar e teve mais uma filha, também casada e com geração.

Por causa dos seus desentendimentos com o pai, José Carlos Ary dos Santos, mais por razões pessoais do que políticas, viu-se obrigado, ainda novo, a sair da casa de família. Mas sempre manifestou um terno afecto pela sua mãe, desaparecida quando o poeta tinha apenas treze anos. É significativo que, no último verso do seu último soneto, escrito na véspera da sua morte, tenha evocado, com filial saudade, a sua memória: “Tenho tantas saudades, minha mãe!”

Uma tradição

Muito embora o grande público só conheça o poeta Ary dos Santos, a verdade é que, se José Carlos foi o mais popular escritor da família, não foi contudo o único.

Seu avô paterno, o Prof. Dr. Carlos Ary dos Santos, para além de vários ensaios da sua especialidade clínica, de que foi docente na Faculdade de Medicina de Lisboa, também deixou numerosas publicações de numismática e medalhística, de que era um grande colecionador e especialista. Já depois da sua morte, foram publicados dois volumes com textos seus sobre esta temática.

Também o advogado Alfredo Ary dos Santos, filho primogénito do anterior, foi autor de uma muito variada obra, não apenas sobre acidentes de trabalho, em que se especializou, nomeadamente como chefe dos serviços jurídicos da CP, mas também com textos de carácter biográfico, político e jurídico. É o caso de Etiópia 100%, sobre a ocupação italiana desse país; D. Quixote Bolchevique, sobre a sua participação na guerra civil espanhola; Nós os advogados, que conheceu uma edição pirata no Brasil; O crime de aborto, que Álvaro Cunhal refere e critica na sua dissertação de licenciatura em Direito; A crise da justiça em Portugal, cuja versão integral foi proibida pela censura; Eça de Queiroz e os homens de Leis, etc. Declinou o convite de Salazar para deputado à Assembleia Nacional, para se poder dedicar, em exclusividade, à advocacia.

Seu único filho, o embaixador Carlos Macieira Ary dos Santos, também escritor, publicou trabalhos de história, diplomacia, genealogia, heráldica e direito nobiliárquico português, nomeadamente um interessante estudo sobre A sucessão da Casa e Ducado de Aveiro, que mereceu um rasgado elogio do Prof. Guilherme Braga da Cruz. Outros títulos da sua obra publicada são o Livro de Linhagem dos Cunhas da Batalha; as Notas sobre um soneto biográfico de Bocage; Silvestre Pinheiro Ferreira em Paris, na revista Colóquio; Padre Manuel da Nóbrega – Diplomata; Uma portuguesa na catedral de Mântua; Camilo e a Resenha dos Titulares, na Revista da Biblioteca Nacional de Lisboa, etc.

Falecido a 18-1-1984, José Carlos Ary dos Santos não poderá evocar, este ano, o centenário da revolução russa de 1917. Ainda bem porque, sendo da linha czarista, corria sérios riscos de sofrer o mesmo triste fim que os seus camaradas bolcheviques infligiram aos seus desafortunados ‘primos’, o czar Nicolau II e família… essa sim, czarista!

P.S. O autor pertence ao ramo primogénito desta família.

Pe. Gonçalo Portocarrero de Almada in Observador AQUI com seleção de imagens 'Spe Deus'

O Evangelho de Domingo dia 22 de janeiro de 2016

Tendo Jesus ouvido dizer que João fora preso, retirou-Se para a Galileia. Depois, deixando Nazaré, foi habitar em Cafarnaum, situada junto do mar, nos confins de Zabulon e Neftali, cumprindo-se o que tinha sido anunciado pelo profeta Isaías, quando disse: “Terra de Zabulon e terra de Neftali, terra que confina com o mar, país além do Jordão, Galileia dos gentios! Este povo, que jazia nas trevas, viu uma grande luz, e uma luz levantou-se para os que jaziam na sombra da morte”. Desde então, começou Jesus a pregar: «Fazei penitência porque está próximo o Reino dos Céus». Caminhando ao longo do mar da Galileia, viu dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores. «Segui-Me, disse-lhes, e Eu vos farei pescadores de homens». E eles, imediatamente, deixando as redes O seguiram. Passando adiante, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estavam numa barca juntamente com seu pai Zebedeu, consertando as suas redes. E chamou-os. Eles, deixando imediatamente a barca e o pai, seguiram-n'O. Jesus percorria toda a Galileia, ensinando nas sinagogas e pregando o Evangelho do reino de Deus, e curando todas as enfermidades entre o povo.

Mt 4, 12-23

São Josemaría Escrivá nesta data em 1933

Dá o primeiro círculo de formação cristã a três jovens estudantes. Anos depois explicaria: “Ao terminar a aula, fui à capela com aqueles rapazes, peguei no Senhor sacramentado na custódia, elevei-o, abençoei aqueles três..., e vi trezentos, trezentos mil, trinta milhões, três mil milhões..., brancos, negros, amarelos, de todas as cores, de todas as combinações que o amor humano pode fazer. E fiquei aquém, porque é uma realidade passado meio século. Fiquei aquém, porque o Senhor foi muito mais generoso”.

Novos caminhos...

«No mundo grego, paideia é a palavra que melhor corresponde ao nosso conceito de cultura – educação, em seu sentido mais elevado, pois leva os homens a serem verdadeiramente humanos.

Os latinos exprimiram a mesma coisa com a palavra erudito; o homem é arrancado à ‘rudeza’, para ser formado como verdadeiro ser humano. Neste sentido, o Evangelho é por natureza paideia – cultura, contanto que, nesta educação da pessoa humana o Evangelho se una a todas as forças que se propõem modelar o ser humano como comunitário».

«…, é eloquente a narração de São Cipriano de Cartago (†258) deixou da sua conversão à fé cristã. Conta-nos ele que, antes da sua conversão e baptismo, não era capaz de imaginar como seria possível viver como cristão e suplantar os costumes do seu tempo.

Não deixa, a esse respeito, de fornecer uma descrição drástica de tais costumes, que faz lembrar as Sátiras de Juvenal, ao mesmo tempo que também nos leva a pensar no contexto em que os jovens de hoje têm de viver. Será possível ser cristão? Não será esta uma forma de vida ultrapassada? Quantos se desta maneira! – e, realmente, sob o ponto de vista puramente humano, até têm razão. Porém, conforme refere Cipriano, o impossível tornou-se possível pela graça de Deus e pelo Sacramento do novo nascimento, o qual, naturalmente, está concebido em função da situação concreta em que o mesmo se pode tornar eficaz, designadamente, no comum caminhar dos crentes, os quais, desse modo, aplanam um rumo de vida alternativo e manifestam-no como possível».

(Joseph Ratzinger - Intervenção numa reunião da Conferência Episcopal Italiana sob o tema “Novos caminhos da evangelização no terceiro milénio” em 10/XI/2002)

Orar

«Nada iguala o valor da oração; ela torna possível o impossível, fácil o difícil. [...] É impossível [...] que o homem que ora caia no pecado»

(São João Crisóstomo, De Anna, sermo 4, 5)

«Quem reza salva-se, de certeza; quem não reza condena-se, de certeza»

(Santo Afonso de Ligório, Del gran mezzo della preghiera, parte I, c. 1)

SÃO PÚBLIO (Santo de Malta)

Cura do Pai de S. Públio por S. Paulo
Nascimento:  c. 33 d.c. em Malta
Morte:       c. 125 d.c. em Atenas, Grécia
Festa litúrgica:    21 Janeiro
São Públio (em maltês San Publju) é considerado como o primeiro bispo de Malta. Ele era tido como o "homem principal da ilha" e a sua conversão fez de Malta a primeira nação cristã no ocidente e uma das primeiras do mundo.

Foi martirizado por volta de 125 d.C., durante a perseguição aos cristãos do imperador romano Adriano.

O seu pai terá hospedado e sido curado por São Paulo quando do seu naufrágio em Malta.

«Estando já salvos, soubemos então que a ilha se chamava Malta.
Os indígenas trataram-nos com muita humanidade, porque, acendendo uma fogueira, acolheram-nos a todos por causa da chuva que caía e por causa do frio.
Tendo Paulo ajuntado e posto sobre a fogueira um feixe de gravetos, uma víbora, fugindo por causa do calor, mordeu-lhe a mão.
Quando os indígenas viram o réptil pendente da mão de Paulo, diziam uns para os outros: Certamente este homem é homicida, pois embora salvo do mar, a Justiça não o deixou viver.
Porém ele, sacudindo o réptil no fogo, não sofreu mal algum; mas eles esperavam que ele viesse a inchar ou a cair morto de repente. Porém tendo esperado muito tempo e vendo que nada de anormal lhe sucedia, mudando de parecer, diziam que ele era um deus.
Na vizinhança daquele lugar havia algumas terras pertencentes ao homem principal da ilha, chamado Públio, o qual nos recebeu e hospedou com muita bondade por três dias.
Estando doente de cama com febre e disenteria o pai de Públio, Paulo foi visitá-lo e, tendo feito oração, impôs-lhe as mãos e o curou.» [i]


[i] Act. XXVII, 1-13

António Mexia Alves

Santa Inês - virgem e mártir †304

"Quem não carrega a sua cruz e não vem após mim, não pode ser meu discípulo" Lc 14,27

A Igreja venera hoje uma santa muito conhecida e amada: Santa Inês.

Ela é, sem dúvida, a mais famosa de todas as virgens e mártires dos primeiros tempos do cristianismo. Viveu por volta de 304-306. Sua lembrança e seu culto nunca foram interrompidos.

Na idade de treze anos, recebeu uma proposta de casamento por parte do filho do prefeito de Roma, apaixonado pela sua beleza. Inês pertencia à nobreza romana. Mas era, acima de tudo, cristã. E queria dar a Cristo todos os seus dons, juntamente com a vida.

Conta a história que, por vingança, ela foi condenada à fogueira. E o povo acrescenta que o fogo não tocou nem mesmo os seus longos e belos cabelos. Decidiram então os algozes decepar-lhe a cabeça. Só então ela morreu. Ou melhor, não morreu, mas passou definitivamente para a verdadeira Vida, com Cristo, no Reino do Pai.

O Papa São Dâmaso escreveu sobre Santa Inês, exaltando-lhe as virtudes e propondo-a como modelo para as jovens cristãs de todos tempos.

O Evangelho, bem o sabemos, leva os jovens a fazerem a sua grande opção. Tudo receberam de Deus! Tudo a Deus podem dar!

(Fonte: Evangelho Quotidiano)

O Evangelho do dia 21 de janeiro de 2017

Depois, foi para casa e de novo acorreu tanta gente, que nem sequer podiam tomar alimento. Quando os Seus parentes ouviram isto, foram para tomar conta d'Ele; porque diziam: «Está louco».
Mc 3, 20-21