N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Não basta aceitar o aborto, é preciso louvar o aborto

O caso de Tim Farron é revelador da intolerância dos autoproclamados donos da tolerância - um fanatismo de esquerda que está a provocar duas coisas: a expulsão do espaço público de vozes consideradas “conservadoras”, ou a divisão do espaço público em duas esferas que não se tocam, qual jogo de surdos. Tim Farron é cristão e era líder dos “liberais” (Lib-Dem). Devido às suas posições sobre o aborto e casamento gay, foi literalmente expulso do partido. O caso é assustador pelo seguinte: Farron considera que o “aborto é errado” (abortion is wrong), mas não desenvolveu grande combate nesta área; o seu discurso político não estava aí centrado; ele é, digamos, um cristão “privado” que aceitou a derrota legal e política na questão do aborto. Isto porém não é suficiente para os ayatollahs progressistas que se sentam nos tronos de faculdades e redações.

A intifada progressista em curso é tudo menos magnânima na vitória, deseja a humilhação do outro lado, dos cristãos. Os donos do ar do tempo não ficam satisfeitos com vitórias legais. Exigem mais. Como dizia há dias Sohrab Ahmari no “Wall Street Journal”, esta esquerda exige a própria consciência do cristão ou do “conservador”, chamem-lhe o que quiserem. Neste esquema mental, Farron não tinha direito a considerar o aborto um pecado; não chegava a sua resignação, ele tinha de louvar o direito ao aborto, ele tinha de gostar da “IVG”. Estamos a chegar a um ponto em que nem sequer se pode ter uma consciência íntima, privada, separada das leis do tempo. A esquerda fraturante não quer apenas as leis, quer colonizar a própria consciência de quem não pensa desta forma. Ou seja, é cada vez mais claro que esta esquerda tem o germe autoritário: se o aborto é lei, então as pessoas que não concordam com essa lei devem ser banidas, ostracizadas, retiradas do espaço público (jornais, partidos, universidades). Assim vai a perseguição que se esconde no biombo da “tolerância”.

Henrique Raposo in Expresso diário de 05.07.2017
(seleção de imagem 'Spe Deus')

Sem comentários: