N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

domingo, 30 de julho de 2017

A minha fragilidade e a minha reserva

São tão avassaladoras as notícias de perseguição de cristãos em tantas partes do mundo e de atos de violência diários que me sinto reduzido à arma que o Senhor me ofereceu, rezar, rezar muito dialogando diretamente com ele, “pressionando-O” pedindo a intercessão da Virgem Maria e dos Santos da minha devoção. Chega? Não, é evidente que não, mas é o que tenho ao meu alcance e se juntar às minhas preces as do Santo Padre e de tantos milhões de cristãos, aí sim, creio que fará diferença.

Por outro lado, constato que sou atípico, porque me incomoda a utilização da desgraça para exteriorizar a minha piedade. Perguntar-se-ão, mas este texto não é uma expressão disso mesmo? A intenção não é essa, mas sim apelar à oração e ao pudor de a não publicitar aos quatro ventos como se estivéssemos a fazer algo mais do que de facto o Senhor nos pede. Não, não somos nenhuns santinhos piedosos, devemos ser sim, cristãos que rezam fechados no quarto.

Compartilhar as nossas preocupações e devoções é positivo e útil, fazê-lo ad nauseam é uma forma de piedade vaidosa.

Que o Senhor nos ajude a atuarmos sempre em conformidade com os Seus ensinamentos.

JPR 

1 comentário:

António Mexia Alves disse...

Concordo absolutamente consigo. Não há falsa piedade quando o que nos move não é a procura de consolações próprias mas, sim, o despertar nos outros a necessidade de atenção aos demais.

Com um abraço amigo