Natal

Natal
Vinde, Senhor Jesus! Estamos ansiosos pela vossa chegada para proclamarmos de novo o nascimento do Filho de Deus Pai

terça-feira, 9 de maio de 2017

Santo Rosário - Segundo Mistério Doloroso

Flagelação de Jesus

Amarrado a uma coluna, o meu Senhor está para ali, estremecendo a cada golpe dos algozes que se revezam.

Cada vergastada é um suplício. Os pedaços de osso que pendem das extremidades das finas tiras de couro enegrecidas de sangue antigo, causam dores indescritíveis, vergões e ferimentos profundos, arrancam a pele e pedaços de carne e rasgam os músculos. A experiência dos algozes atinge os locais mais sensíveis e, talvez mais acicatados pelo silêncio deste Homem a quem o suplício não arranca um queixume, redobram de energia e os golpes caiem, rápidos, fortíssimos, procurando com maquiavélica destreza provocar o maior sofrimento possível.

Mas é em vão. Apenas um som abafado sai da garganta ressequida de Jesus. É um estertor involuntário que a violência do castigo provoca.

Eu, escondido num vão, não intervenho. Estou atónito e assustado com o que vejo. É uma cena de uma brutal ferocidade inaudita.

Não me julgo capaz de Te provocar tal suplício... quem? Eu? Oh Senhor!  Eu não..., eu amo-Te com todas as minhas forças, nunca seria capaz de tal coisa.

E, no entanto, as minhas frequentes faltas e pecados o que são, senão chicotadas na Tua carne santa.

Acabou o terrível suplício. Solto da coluna imunda à qual Te ataram caies por terra, desfalecido, meio morto. Eu, caio também de joelhos e peço-Te perdão.

Perdão pela minha cobardia, pela minha pouca de fé, pela minha tibieza, pela minha falta de carácter.

E tu, minha Mãe, que no exterior, com o coração angustiado, aguardas o fim do suplício que infligem ao teu Filho, tu Senhora de Dores, acolhe-me junto de ti e sossega o meu espírito.

Diz-me que jamais, jamais consentirás que eu me converta em carrasco, algoz, do teu Divino Filho.

Afiança-me que a tua confiança de filha de Deus Pai, ajudará a minha pouca fé.
Persuade-me que a tua certeza de Mãe de Deus Filho aumentará a minha esperança.

Garante-me que o teu amor de Esposa do Espírito Santo, suprirá a minha falta de caridade.

Incute no meu espírito o desejo de estar com Jesus, nesta hora solene, em que o rei do Reis, o Senhor dos Senhores, está amarrado como um malfeitor, recebendo um castigo duríssimo que não mereceu.

A interpor-me entre os carrascos e o teu Filho, aparando os golpes.

A limpar os vergões e as feridas da Sua carne.

Por um bálsamo, lavar o sangue, limpar as feridas.

Permite-me querer ficar com Ele, ofegante de emoção, amarrado também a essa coluna, partilhando o possível da Sua Flagelação.

http://amexiaalves-nunccoepi.blogspot.pt/2016/05/maio-santo-rosario-segundo-misterio_8.html

Sem comentários: