N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

terça-feira, 28 de março de 2017

‘A língua’

«Porque estais a olhar para o céu?», perguntaram os Anjos. «Esse Jesus que vistes subindo ao céu, do céu virá…» (Act 1, 11) Começavam as saudades dos discípulos, mas também certamente o desejo de ir ter com Ele quanto antes. Quando subiriam eles até ao Pai? Quando deixariam os perigos desta vida revolta e chegariam, purificados, à presença eterna de Deus? A que provas haviam ainda de sujeitar-se até ouvirem o que ouvia no fundo da alma Inácio de Antioquia: «Vem ao Pai!»

Quantas vezes, ao longo dos anos de estudo, em vésperas de exame, teremos sonhado com a passagem automática, sem a angústia de submeter-nos às perguntas imprevisíveis do mestre ou do júri académico! Se mal preparados, rogando boa sorte aos nossos santos; se bem preparados, temendo a má disposição dos examinadores ou algum deslize da nossa parte… A só perspectiva de repetir a cadeira, para passar de ano ou obter melhor nota, pode tornar-se um pesadelo.

O que será então aproximar-nos do exame final desta vida, com tantas lacunas na consciência, e sabendo que daremos estreita conta de tudo o que Deus nos confiou para sua glória e para a eterna felicidade nossa e dos nossos irmãos! Como lançaremos mão da sua infinita misericórdia, da confissão contrita das nossas faltas, das indulgências que a Santa Madre Igreja nos proporciona, da intercessão de Maria Santíssima!...

Façamo-lo desde já, mas reparemos que o Evangelho nos revela um segredo capaz de nos tranquilizar, uma espécie de «passagem administrativa»: «Não julgueis, e não sereis julgados»! (Mt 7,1) Não só seremos salvos, mas nem sequer examinados! Teremos muitas fraquezas no nosso currículo, mas o Senhor passá-los-á por alto – prometeu-o! – com essa breve condição: não julgarmos ninguém.

É inevitável julgarmos as suas acções e as suas ideias, pois é impossível suspendermos dentro de nós a distinção entre o bem e o mal, a verdade e o erro. Mas o homem é o seu coração, as suas intenções, um mistério que só Deus conhece e só Ele julga. Só Ele sabe o que há no coração do homem. Mas é tão frequente a nossa insensatez, que, não só julgamos, mas criticamos, acusamos e condenamos o próximo, que chegamos ao ponto de ver más intenções nos mais nobres comportamentos: «pensa mal, e acertarás»…

«A língua é um fogo, um mundo de iniquidade!» (Tgo 3, 6), bem avisava S. Tiago. «Se alguém não peca pela palavra, este é um homem perfeito» (Tgo 3, 2). Não nos esqueçamos de que quem julga os outros, não só terá de sujeitar-se ao julgamento, mas «expõe-se a um juízo mais severo» (Tgo 3, 1).

Não é fácil, de facto, cumprir a condição da nossa «passagem administrativa», a não ser que vejamos sempre o próximo com o olhar de Cristo, com bons olhos, com amor. O amor não é cego; pelo contrário, só com amor se podem conhecer os outros. Por mais defeitos que tenham, «pensa bem, e acertarás»: veremos neles uma profunda (e às vezes desesperada) aspiração ao bem; veremos neles irmãos, que nos fazem falta; veremos neles o próprio Cristo, que Se identificou até com os que estão, pelos seus crimes, na prisão. Quanto mais havemos de respeitar a imensa maioria de gente honrada que nos rodeia na família, no trabalho, na igreja, ou por essas ruas fora!

Vale a pena cortar a nossa língua venenosa. Vale a pena cortar cerce a murmuração, a crítica impiedosa; vale a pena despir-nos dessa atitude superior de juízes do mundo, ainda que nos chamem ingénuos ou disserem que estamos a exagerar a gravidade de um vício tão comum, pois «qualquer palavra inútil que tiverem proferido os homens», diz Cristo, «darão conta dela no dia do juízo», e que há de mais inútil do que acusar e condenar quem não está presente? «Porque pelas suas palavras (o homem) será justificado ou condenado» (Mt 12, 36-37). Vale a pena repudiar a maledicência, essa peste mais estendida, nefasta e cruel do que a luxúria vergonhosa. A promessa é grandiosa: não seremos julgados.

Hugo de Azevedo

(Fonte: celebração litúrgica nº 3 2011/12, www.cliturgica.org)

Sem comentários: