N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Maria, a "Casa Viva" de Jesus

Fátima - Maio 2010
"Sigamos e imitemos Maria" e "toda a nossa vida tornar-se-á um Magnificat". É o amor por Nossa Senhora uma das características que distingue a dimensão espiritual do Pontificado de Bento XVI. Um Papa mariano, como assim foi o seu amado predecessor, João Paulo II. Um amor filial que vem de longe. Se, de facto, na vida e no Pontificado de Karol Wojtyla teve uma grande importância o Santuário mariano de Czestochowa, o mesmo se poderia dizer de Joseph Ratzinger em relação ao Santuário de Altötting, coração mariano da Baviera.

"Deixemo-nos guiar por Maria no encontro com Jesus." Em cada audiência, discurso e homilia, Bento XVI confia sempre os fiéis à Virgem Maria. "É Ela, com a sua humildade – repete em milhares de ocasiões o Santo Padre – a indicar-nos o caminho para chegar ao coração do seu Filho. É Maria e o seu Filho, com a sua 'autoridade indefesa' que vencem 'os barulhos dos poderes do mundo'".

"A glória de Deus não se manifesta no triunfo e no poder de um rei, não resplandece em uma cidade famosa, em um sumptuoso palácio, mas 'vai morar' no ventre de uma Virgem, se revela na pobreza de uma criança. A Omnipotência de Deus, também na nossa vida, age com a força, muitas vezes silenciosa, da verdade e do amor". (Audiência Geral, 19 de dezembro de 2012)

Bento XVI torna-se um peregrino dos principais Santuários marianos do mundo. De Altötting aos Santuários de Lourdes, Fátima, Czestochowa e ainda Mariazell na Áustria e Aparecida no Brasil. Reza a Virgem em Pompeia e em Loreto. O Papa destaca que estes Santuários não são 'catedrais no deserto', mas 'oásis do Espírito' inseridos nos seus territórios como exemplo de 'uma civilização do amor'. "Maria - nos recorda o Papa - é a primeira que acolheu Jesus e vive também uma relação especial com o Espírito Santo e a Igreja", como disse na conclusão do mês mariano, em 31 de maio de 2009: "Em Pentecostes, a Virgem Mãe aparece novamente como Esposa do Espírito, para uma maternidade universal, para com todos que são gerados por Deus para a fé em Cristo. É por isto que Maria é para todas as gerações imagem e modelo da Igreja, que junto ao Espírito caminha através dos tempos invocando o retorno glorioso de Cristo: 'Vem Senhor Jesus'".

Bento XVI convida todos os fiéis, especialmente os jovens, a rezar a Maria, em particular com o Rosário, que como destaca, "nos faz recordar os eventos da vida do Senhor em companhia da Beata Virgem, conservando-os, como Ela, no nosso coração". O Papa recorda, então, que "o 'sim' de Maria venceu o mal. Esta é a razão porque também nas provações da vida que nos fazem vacilar, possamos encontrar nela um local seguro".

"Caros amigos, que imensa alegria em ter por mãe Maria Imaculada! Cada vez que experimentamos a nossa fragilidade e a sugestão do mal, podemos nos dirigir a Ela, e o nosso coração recebe luz e conforto". (Angelus, 8 de dezembro de 2009)

Bento XVI confia à Virgem Maria o Ano da Fé, no 50º aniversário do início do Concílio Vaticano II. Significativo, depois, que a sua última viagem pastoral na Itália tenha sido a um Santuário mariano, o de Loreto. 'A tradição quer que o coração deste lugar seja a casa em que viveu Maria', mas o Papa Bento XVI fala de outra casa, que vai bem mais além das pedras de um edifício. É Maria a 'casa viva' que acolhe Jesus: "Onde habita Deus, devemos reconhecer que somos 'a casa': onde habita Cristo, os seus irmãos e as suas irmãs não são mais estrangeiros. Maria, que é mãe de Cristo é também nossa mãe, nos abre a porta de sua Casa, nos conduz a entrar na vontade do Filho". (Visita a Loreto, 4 de outubro de 2012).

Por fim, lembremos que o emblemático anúncio da renúncia de Bento XVI foi feito em 11 de fevereiro, dia de Nossa Senhora de Lourdes. Certamente a escolha não foi por acaso e representou, mais do que nunca, a confiança que Bento XVI deposita na Mãe de Jesus, confiando a ela, mais uma vez, o futuro da Igreja, que é tão amada por Maria, mas também pelo Papa.

Rádio Vaticano

Sem comentários: