N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Não cries necessidades

Não esqueças: tem mais aquele que precisa de menos. – Não cries necessidades. (Caminho, 630)

Há muitos anos – mais de vinte e cinco – eu costumava passar por um refeitório de caridade, para mendigos que não comiam em cada dia outro alimento senão o que ali lhes davam. Tratava-se de um local grande, entregue aos cuidados de um grupo de senhoras bondosas. Depois da primeira distribuição, acudiam outros mendigos, para recolher as sobras. Entre os deste segundo grupo houve um que me chamou a atenção: era proprietário de uma colher de lata! Tirava-a cuidadosamente do bolso, com avareza, olhava-a com satisfação e, quando acabava de saborear a sua ração, voltava a olhar para a colher com uns olhos que gritavam: é minha! Dava-lhe duas lambedelas para a limpar e guardava-a de novo, satisfeito, nas pregas dos seus andrajos. Efectiva mente era sua! Um pobre miserável que, entre aquela gente, companheira de desventura, se considerava rico.

Por essa altura, conhecia também uma senhora com título nobiliárquico, Grande de Espanha. Isto não conta nada diante de Deus: somos todos iguais, todos filhos de Adão e Eva, criaturas débeis, com virtudes e com defeitos, capazes dos piores crimes, se o senhor nos abandona. Desde que Cristo nos redimiu, não há diferença de raça, nem de língua, nem de cor, nem de estirpe, nem de riquezas... Somos todos filhos de Deus. Essa pessoa de que vos falo agora residia numa casa solarenga, mas não gastava consigo mesma nem duas pesetas por dia. Por outro lado, pagava muito bem aos seus empregados e o resto destinava-o a ajudar os necessitados, passando ela própria privações de todo o género. A esta mulher não lhe faltavam muitos desses bens que tantos ambicionam, mas ela era pessoalmente pobre, muito mortificada, completamente desprendida de tudo. Compreendestes bem? Aliás, basta escutar as palavras do Senhor: bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus.

Se desejas alcançar esse espírito, aconselho-te a que sejas sóbrio contigo e muito generoso com os outros. Evita os gastos supérfluos por luxo, por capricho, por vaidade, por comodidade...; não cries necessidades. Numa palavra, aprende com S. Paulo a viver na pobreza e a viver na abundância, a ter fartura e a passar fome, a ter de sobra e a padecer necessidade. Tudo posso naquele que me conforta. E, como o Apóstolo, também sairemos vencedores da luta espiritual, se mantivermos o coração desapegado, livre de ataduras. (Amigos de Deus, 123–124)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1940

Realiza uma das suas frequentes viagens de Madrid a Valência. “Pelos primeiros anos da década de quarenta, ia muitas vezes a Valência. Não tinha nessa altura nenhum meio humano e, com os que se reuniam com este pobre sacerdote - como agora convosco –, fazia oração onde podíamos, algumas tardes numa praia solitária. Como os primeiros amigos do Mestre, lembras-te? Escreve São Lucas que, «ao sair de Tiro com Paulo, a caminho de Jerusalém, ‘acompanharam-nos todos com as suas mulheres e filhos até fora da cidade e, ajoelhados na praia, orávamos».”

Quem é a vítima? O cristão ou o gay?

As feministas radicais, os negros e os muçulmanos do politicamente correto, os gays e os transexuais: esta multidão domina o espaço mediático e académico do ocidente em geral e dos EUA em particular. Os filmes, as reportagens, as séries, os livros, as palestras seguem sempre o ângulo da vitimização destas personagens às mãos de um homem de palha: uma poderosíssima maioria branca e cristã. Isto não faz sentido. Apesar de ter a hegemonia gramsciana do espaço mediático, apesar das leis já refletirem os seus desejos, esta grande coligação politicamente correcta continua a desempenhar o papel de vítima. Mas, na verdade, é a maior produtora de intolerância da sociedade: há décadas que goza ou diaboliza abertamente as crenças cristãs. Gozar com o cristão, sobretudo com o cristão branco sem gospel, passou a ser o único racismo aceitável.

Já é tempo de acabarmos com esta narrativa. Aliás, se queremos mesmo recuperar um chão comum, temos de destruir as duas faces da mesma moeda, a intolerância de Trump, que é uma contra-resposta à intolerância do politicamente correto. Não faz sentido falar do cristão branco como um vilão, porque ele está numa posição de fraqueza cultural e mediática. Passámos os últimos 50 anos em revolução de costumes, aliás, a heterodoxia da contra-cultura dos anos 60 e 70 é hoje em dia a grande ortodoxia. Além de ortodoxo, este politicamente correto é intolerante sobre o presente e sobre o passado. Nas últimas décadas, o ethos cristão, do aborto ao ensino, teve apenas duas respostas do mainstream: ou o gozo aberto, ou a diabolização aberta. E toda a civilização ocidental, do cristianismo ao iluminismo, da ciência à arte, tem sido vilipendiada.

São Paulo, Kant ou Kipling são desautorizados como imperialistas todos os dias nas escolas, faculdades e imprensa. Trump é uma revolta de pessoas que passaram as últimas décadas a serem humilhadas nos seus valores diariamente por esta atitude anti-cristã e anti-ocidental. As tais marchas da semana passada não são marchas de vítimas, são marchas dos donos deste sistema cultural, académico, mediático. Lamento, mas a vítima não é a feminista radical que acha que o Roe Vs. Wade é maravilhoso, a vítima é a mulher cristã; a vítima não é o negro do Black Lives Matter, é o evangélico; a vítima não é o gay, que os média tratam como nobre de sangue azul, a vítima é o cristão.

Henrique Raposo in Expresso diário de 30.01.2017 AQUI
(seleção de imagem 'Spe Deus')

As Estrelas na Ribeira Grande

Foto: Hélder Araújo
As Estrelas na Ribeira Grande são um fenómeno muito antigo de piedade popular, recuperado há 20 anos. Ultimamente, já se festeja noutras cidades à volta e certamente se vai estender ao resto do país, à medida que se conhecer, porque agora é barato viajar aos Açores.

Há boas razões para gostar das estrelas, porque a poesia é a linguagem dos enamorados. Nossa Senhora da Estrela remonta à procissão das velas com que os primeiros cristãos comemoravam a apresentação de Jesus no Templo de Jerusalém. Esta procissão já aparece no diário da peregrinação de Egéria à Terra Santa, por volta do ano 380. Nos Açores, em particular na Ribeira Grande, adquiriu um ambiente especial, com a música à desgarrada, a Missa antes de o sol nascer, a procissão da alvorada, a confraternização de toda a cidade à mesma mesa.

Se há coisa que entusiasme o Papa Francisco é a chamada piedade popular. A seguir ao Concílio, os espíritos iluministas, em ascensão no espaço público criticavam o povo, como faziam os iluministas bem-pensantes do século XVIII. Paulo VI e os Papas seguintes reagiam a esta onda de snobismo, mas os ilustrados não desarmavam.

Na Exortação «A alegria do Evangelho», o Papa Francisco levantou novamente a bandeira da fé enraizada na cultura popular, coleccionando os argumentos dos seus antecessores (por exemplo, no nº 123).

João Paulo II dizia que «o protagonista da piedade popular é o Espírito Santo». Nada mais! (Só isto, deveria obrigar a pensar duas vezes).

Paulo VI explicou por que é que alguns não percebiam: é que a piedade popular «traduz uma certa sede de Deus, que somente os pobres e os simples podem experimentar».

Bento XVI defendia a piedade popular como um «tesouro precioso da Igreja Católica»...

Nestas duas centenas de páginas do Papa Francisco, não faltam citações e exemplos: os gestos da piedade popular «são a manifestação duma vida teologal animada pela acção do Espírito Santo»... «têm muito que nos ensinar e, para quem os sabe ler, são um “lugar teológico” a que devemos prestar atenção»...

A apresentação de Jesus no Templo, que se comemora com a festa das estrelas, foi um negócio curioso. No Antigo Testamento, Deus instituiu este ritual como uma «compra» com que os pais resgatavam para a sua família o filho que pertencia a Deus. Assim, Nossa Senhora e S. José compraram Jesus para nós ao preço estabelecido por Deus: Jesus é nosso, por um negócio legítimo, instituído pelo próprio Deus. Outros, como o Papa Bento XVI, comentam com bom humor que o Evangelista S. Lucas, que não era judeu, não se preocupou com pormenores e apresentou o resgate como se fosse uma apresentação, um oferecimento («Jesus de Nazaré», vol. I).

Milhares de pessoas, toda a cidade, cantam e tocam
na serenata à Senhora da Estrela
Realmente, tudo isto é verdade ao mesmo tempo. A capacidade da poesia é evocar tudo, sem excluir nada. Nossa Senhora das Candeias, ou das Estrelas, é este negócio de enamorados, ao preço, sem preço, do amor infinito.
 
Nas últimas páginas da Exortação, Francisco fala mais uma vez de Maria, chamando-lhe a Estrela da nova evangelização: «Sempre que olhamos para Maria, voltamos a acreditar na força revolucionária da ternura e do afecto. Nela vemos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos, mas dos fortes, que não precisam de maltratar os outros para se sentirem importantes»... «Estrela da nova evangelização, ajudai-nos... para que a alegria do Evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz».

Quem quer ser revolucionário? Mas a sério! Com a força revolucionária da ternura e do afecto.
José Maria C.S. André
Spe Deus
31-I-2016

São João Bosco

"Vinde benditos de meu Pai, recebei por herança o Reino preparado para vós desde a fundação do mundo" Mt 25,34

Fundador e pai da família salesiana, viveu no apostolado a frase de São Dionísio: "Das coisas divinas a mais divina é cooperar com Deus para salvar as almas".

São João Bosco nasceu em 1815 próximo a Turim. Com dois anos de idade perdeu o pai, sendo que a mãe Dona Margarida batalhou contra a pobreza para criar seus filhos. Tamanha era a luta desta mãe, que diante do chamado de João ao sacerdócio, disse-lhe: "Eu nasci na pobreza, vivi sempre pobre e desejo morrer pobre. Se tu desejas tornar-te padre para ficar rico, eu nunca irei te visitar".

Providencialmente, todos os desafios e durezas da vida fizeram do coração do sacerdote, de vinte e seis anos então, um homem sensível aos problemas dos jovens abandonados ou que viviam longe de suas famílias como operários. Desta realidade começou a desabrochar o carisma que concretamente construiu os Oratórios, que eram - como ainda são - lugares de resgate das almas dos jovens. O método de apostolado de D. Bosco era o de partilhar em tudo a vida dos jovens; para isso abriu escolas de alfabetização, de artesanato, casas de hospedagem, campos de diversão para os jovens com catequese e orientação profissional (Oficinas de S.José); foi pioneiro dentro da educação em instituições católicas na educação preventiva com o acompanhamento individualizado de cada jovem, versus a prática até então da educação repressiva. Por esta razão, a Igreja reza: "Deus suscitou São João Bosco para dar à juventude um mestre e um pai".

Mesmo incompreendido por muitos e acusado de louco, conseguiu atrair a tantos jovens, que fundou a Congregação dos Salesianos, cujo nome é em homenagem à protecção de São Francisco de Sales. Também colaborou para o surgimento do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora. De porte atlético, memória incomum, inclinado para a música e arte, D. Bosco tinha uma linguagem fácil, espírito de liderança e era óptimo escritor. Este grande apóstolo da juventude foi elevado para o céu no dia 31 de Janeiro de 1888, na cidade de Turim, e segundo os médicos a causa de sua morte deveu-se a exaustão física, consonante com o que afirmava ser o motivo da sua vida, estar neste mundo para o próximo.

O Evangelho do dia 31 de janeiro de 2017

Tendo Jesus passado novamente na barca para a outra margem, acorreu a Ele muita gente, e Ele estava junto do mar. Chegou um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo, que, vendo-O, lançou-se a Seus pés, e suplicava-Lhe com insistência: «Minha filha está nas últimas; vem, impõe sobre ela as mãos, para que seja salva e viva». Jesus foi com ele; e uma grande multidão O seguia e O apertava. Então, uma mulher que havia doze anos padecia um fluxo de sangue, e tinha sofrido muito de muitos médicos, e gastara tudo quanto possuía, sem ter sentido melhoras, antes cada vez se achava pior, tendo ouvido falar de Jesus, foi por detrás entre a multidão e tocou o Seu manto. Porque dizia: «Se eu tocar, ainda que seja só o Seu manto, ficarei curada». Imediatamente parou o fluxo de sangue e sentiu no seu corpo estar curada do mal. Jesus, conhecendo logo em Si mesmo a força que saíra d'Ele, voltado para a multidão, disse: «Quem tocou os Meus vestidos?». Os Seus discípulos responderam: «Tu vês que a multidão Te comprime, e perguntas: “Quem Me tocou?”». E Jesus olhava em volta para ver quem tinha feito aquilo. Então a mulher, que sabia o que se tinha passado nela, cheia de medo e a tremer, foi prostrar-se diante d'Ele, e disse-Lhe toda a verdade. Jesus disse-lhe: «Filha, a tua fé te salvou; vai em paz e fica curada do teu mal». Ainda Ele falava, quando chegaram da casa do chefe da sinagoga, dizendo: «Tua filha morreu; para que incomodar mais o Mestre?». Porém, Jesus, tendo ouvido o que eles diziam, disse ao chefe da sinagoga: «Não temas; crê somente». E não permitiu que ninguém O acompanhasse, senão Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago. Ao chegarem a casa do chefe da sinagoga, viu Jesus o alvoroço e os que estavam a chorar e a gritar. Tendo entrado, disse-lhes: «Porque vos perturbais e chorais? A menina não está morta, mas dorme». E troçavam d'Ele. Mas Ele, tendo feito sair todos, tomou o pai e a mãe da menina e os que O acompanhavam, e entrou onde a menina estava deitada. Tomando a mão da menina, disse-lhe: «Talitha kum» , que quer dizer: «Menina, Eu te mando, levanta-te». A menina imediatamente levantou-se e andava, pois tinha já doze anos. Ficaram cheios de grande espanto. Jesus ordenou-lhes com insistência que ninguém o soubesse. Depois disse que dessem de comer à menina.

MC 5, 21-43

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Não ponhas o coração em nada caduco

Não ponhas o coração em nada caduco: imita Cristo, que se fez pobre por nós e não tinha onde reclinar a cabeça. Pede-lhe que te conceda, no meio do mundo, um desprendimento efectivo, sem atenuantes. (Forja, 523)

Somos homens da rua, cristãos correntes, metidos na corrente circulatória da sociedade e o Senhor quer-nos santos, apostólicos, precisamente no nosso trabalho profissional, isto é, santificando-nos nesse trabalho, santificando esse trabalho e ajudando os outros a santificarem-se com esse trabalho. Convencei-vos de que Deus vos espera nesse ambiente, com solicitude de Pai, de Amigo. Pensai que com a vossa actividade profissional realizada com responsabilidade, além de vos sustentardes economicamente, prestais um serviço directíssimo ao desenvolvimento da sociedade, aliviais as cargas dos outros e ajudais a manter muitas obras assistenciais – a nível local e universal – em prol dos indivíduos e dos povos mais desfavorecidos.

Ao comportarmo-nos com normalidade – como os nossos semelhantes – e com sentido sobrenatural, não fazemos mais que seguir o exemplo de Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem. Reparai que toda a sua vida está cheia de naturalidade. Passa trinta anos oculto, sem chamar a atenção, como qualquer outro trabalhador e conhecem-no na sua aldeia como o filho do carpinteiro. Ao longo da sua vida pública, também não se nota nada que destoe, que pareça estranho ou excêntrico. Rodeava-se de amigos, como qualquer dos seus concidadãos, e no seu porte não se diferenciava deles. De tal maneira que Judas, para o denunciar, precisa de combinar um sinal: aquele a quem eu beijar, é esse. Não havia em Jesus nenhum indício extravagante. A mim, emociona-me esta norma de conduta do nosso Mestre, que passa como mais um entre os homens. (Amigos de Deus, 120–121)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1938



Escreve nos seus Apontamentos íntimos: “Muita vontade de solidão. Vejo-me como uma bola, lançada à parede uma vez e outra pelo meu Pai-Deus, ora atirado com o pé, ora recebendo uma carícia das suas mãos...”.

ABRIR O CORAÇÃO AO AMOR

Mansamente,
cheio de amor,
Ele bate à porta da nossa vida.

Meigamente,
com a voz repassada de ternura,
Ele pergunta se pode entrar.

Franqueamos-lhe a porta,
abrimos-lhe a nossa vida,
entregamos-lhe o nosso coração.

Olhos nos olhos,
diz-nos com um sorriso humilde,
quase tímido:
Amo-te,
por isso dei a minha vida por ti!

Já nada interessa,
(embora tudo interesse),
já não há mundo,
(embora nós o vivamos),
já não há mais ninguém,
(embora a todos queiramos ter),
porque Ele,
com o seu amor,
nos ensina a viver.

Na Cruz,
com Jesus,
encontramos a Luz,
que nos faz sonhar ...
a realidade
de a todos podermos amar.

Joaquim Mexia Alves

Marinha Grande, 30 de Janeiro de 2016
http://queeaverdade.blogspot.pt/2016/01/abrir-o-coracao-ao-amor.html

Tornar-se desejo de Deus

«Os Padres da Igreja dizem que orar não é senão tornar-se desejo de Deus. Em Maria cumpriu-se esta oração: ela é, por assim dizer, a concha aberta do desejo, na qual a vida se torna oração e a oração, vida».

(Joseph Ratzinger in ‘Maria primeira Igreja’ – Joseph Ratzinger e Hans Urs von Balthasar)

SÃO PÚBLIO (Santo de Malta)

Cura do Pai de S. Públio por S. Paulo
Nascimento:       c. 33 d.c. em Malta
Morte:               c. 125 d.c. em Atenas, Grécia
Festa litúrgica:    21 Janeiro
ão Públio (em maltês San Publju) é considerado como o primeiro bispo de Malta. Ele era tido como o "homem principal da ilha" e a sua conversão fez de Malta a primeira nação cristã no ocidente e uma das primeiras do mundo.

Foi martirizado por volta de 125 d.C., durante a perseguição aos cristãos do imperador romano Adriano.

O seu pai terá hospedado e sido curado por São Paulo quando do seu naufrágio em Malta.

«Estando já salvos, soubemos então que a ilha se chamava Malta.
Os indígenas trataram-nos com muita humanidade, porque, acendendo uma fogueira, acolheram-nos a todos por causa da chuva que caía e por causa do frio.
Tendo Paulo ajuntado e posto sobre a fogueira um feixe de gravetos, uma víbora, fugindo por causa do calor, mordeu-lhe a mão.
Quando os indígenas viram o réptil pendente da mão de Paulo, diziam uns para os outros: Certamente este homem é homicida, pois embora salvo do mar, a Justiça não o deixou viver.
Porém ele, sacudindo o réptil no fogo, não sofreu mal algum; mas eles esperavam que ele viesse a inchar ou a cair morto de repente. Porém tendo esperado muito tempo e vendo que nada de anormal lhe sucedia, mudando de parecer, diziam que ele era um deus.
Na vizinhança daquele lugar havia algumas terras pertencentes ao homem principal da ilha, chamado Públio, o qual nos recebeu e hospedou com muita bondade por três dias.
Estando doente de cama com febre e disenteria o pai de Públio, Paulo foi visitá-lo e, tendo feito oração, impôs-lhe as mãos e o curou.» [i]


[i] Act. XXVII, 1-13

António Mexia Alves

O Evangelho do dia 30 de janeiro de 2017

Chegaram ao outro lado do mar, ao território dos gerasenos. Ao sair Jesus da barca, foi logo ter com Ele, saindo dos sepulcros, um homem possesso de um espírito imundo. Tinha o seu domicílio nos sepulcros, e já ninguém conseguia segurá-lo com cadeias. Tendo sido preso muitas vezes com grilhões e com cadeias, tinha quebrado as cadeias e despedaçado os grilhões e ninguém o podia dominar. E sempre, dia e noite, andava pelos sepulcros e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras. Ao ver de longe Jesus, correu e prostrou-se diante d'Ele e clamou em alta voz: «Que tens Tu comigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Por Deus eu Te conjuro que não me atormentes». Porque Jesus dizia-lhe: «Espírito imundo sai desse homem». Depois perguntou-lhe: «Como te chamas?». Ele respondeu: «O meu nome é Legião, porque somos muitos». E suplicava-Lhe insistentemente que não o expulsasse daquela região. Andava ali, próximo do monte, uma grande vara de porcos a pastar. Os espíritos imundos suplicaram-Lhe: «Manda-nos para os porcos, para nos metermos neles». Jesus consentiu. Então os espíritos imundos saíram e entraram nos porcos, e a vara, que era de cerca de dois mil, precipitou-se por um despenhadeiro no mar onde se afogaram. Os guardadores fugiram e contaram o facto pela cidade e pelos campos. E o povo foi ver o que tinha sucedido. Foram ter com Jesus e viram o que tinha estado possesso do demónio sentado, vestido e são do juízo; ele, que tinha estado possesso de uma legião inteira; e tiveram medo. Os que tinham visto contaram-lhes o que tinha acontecido ao endemoninhado e aos porcos. Então começaram a pedir a Jesus que se retirasse do seu território. Quando Jesus subia para a barca, o que fora possesso do demónio começou a pedir-Lhe que lhe permitisse acompanhá-l'O. Mas Jesus não o permitiu, antes lhe disse: «Vai para tua casa, para os teus, e conta-lhes tudo o que o Senhor te fez, e como teve piedade de ti». Ele retirou-se Ele retirou-se e começou a proclamar pela Decápole que grandes coisas Jesus lhe tinha feito; e todos se admiravam.

Mc 5, 1-20

domingo, 29 de janeiro de 2017

Para servir, servir

Tu também tens uma vocação profissional, que te "espicaça". Sim, esse "aguilhão" é o anzol de pescar homens. Retifica, portanto, a intenção, e não deixes de adquirir todo o prestígio profissional possível, em serviço de Deus e das almas. O Senhor conta também com isso. (Sulco, 491)

Assim, como lema para o vosso trabalho, posso indicar-vos este: para servir, servir. Porque para fazer as coisas, é necessário, em primeiro lugar, saber concluí-las. Não acredito na rectidão da intenção de quem não se esforça por conseguir a competência necessária para cumprir bem os trabalhos de que está encarregado. Não basta querer fazer o bem; é preciso saber fazê-lo. E, se queremos realmente, esse desejo traduzir-se-á no empenho por utilizar os meios adequados para fazer as coisas bem acabadas, com perfeição humana.

Além disso, esse serviço humano, essa capacidade a que poderíamos chamar técnica, saber realizar o nosso ofício, deve ter uma característica que foi fundamental no trabalho de S. José e que devia ser fundamental em todo o cristão: o espírito de serviço, o desejo de trabalhar para contribuir para o bem dos outros homens. O trabalho de S. José não foi um trabalho que visasse a auto-afirmação, embora a dedicação de uma vida laboriosa tenha forjado nele uma personalidade madura, bem delineada. O Santo Patriarca trabalhava com a consciência de cumprir a vontade de Deus, pensando no bem dos seus, Jesus e Maria, e tendo presente o bem de todos os habitantes da pequena Nazaré. (Cristo que passa, 50–51)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1945

Sai de Madrid e empreende uma viagem que o levará pela primeira vez a Portugal. Na Galiza, antes de entrar em Portugal, visita a Irmã Lúcia, a vidente de Fátima. “Não falámos das aparições de Nossa Senhora; nunca o fiz. É uma mulher de uma humildade maravilhosa. Sempre que estou com ela, recordo-lhe que teve um papel importante nos começos da Obra em Portugal”.

Bom Domingo do Senhor!

Saibamos dar graças e louvores ao Senhor pelo bem que nos quis e quer tão bem expresso nas Bem-aventuranças que nos fala o Evangelho de hoje (Mt 5, 1-12).

Louvado seja Deus Nosso Senhor pela sua Palavra de misericórdia!

Surrealismo

Pintura surrealista de Vladimir Kush
Muitos meios de comunicação social têm dificuldade em perceber a Igreja, porque parece que ela não fala do dia-a-dia real. Faz lembrar aqueles artistas dos anos 20 que rejeitavam a chamada «ditadura da razão» e lhe contrapunham o sonho, a falta de lógica. A inconsistência dos surrealistas dos anos 20 gerava momentos de humor e, realmente, nada daquilo era para ser levado a sério ainda que, frequentemente, fosse muito divertido.

Relógio a derreter - Salvador Dalí
Hoje em dia, muitos jornalistas estão convencidos de que a Igreja também vive numa nuvem de sonhos, irrealista, «acima da realidade», como proclamavam os surrealistas com o seu humor muito especial. O discurso da Igreja tem alguma coisa a ver com os problemas do mundo em que vivemos?

No meio de tantas convulsões, o Papa Francisco está focado no sacramento da Confissão!

Das primeiras vezes, as pessoas estranharam. Com a insistência, muitos estão perplexos. Neste momento, os jornalistas já não sabem se devem dar a notícia ou se é a brincar.

Na Carta Apostólica com que encerrou o Ano da Misericórdia, o Papa Francisco estabelece que «o sacramento da Reconciliação precisa de voltar a ter o seu lugar central na vida cristã». Em cada parágrafo, aparece uma referência a este «caminho que somos chamados a percorrer». «A misericórdia constitui a própria existência da Igreja. Tudo se revela na misericórdia; tudo se compendia no amor misericordioso do Pai». «O perdão é o sinal mais visível do amor do Pai, que Jesus quis revelar em toda a sua vida». «Nada que um pecador arrependido coloque diante da misericórdia de Deus pode ficar sem o abraço do seu perdão». «Agora, concluído este Jubileu, é tempo de olhar para diante e compreender como se pode continuar, com fidelidade, alegria e entusiasmo, a experimentar a riqueza da misericórdia divina». «Não limitemos a força renovadora da misericórdia; não entristeçamos o Espírito». «Mantenhamos o coração aberto à confiança de ser amados por Deus. O seu amor sempre nos precede, acompanha e permanece connosco, não obstante o nosso pecado». «O sacramento da Reconciliação é o momento em que sentimos o abraço do Pai, que vem ao nosso encontro para nos restituir a graça de voltarmos a ser seus filhos».

«Recebi muitos testemunhos de alegria pelo renovado encontro com o Senhor no sacramento da Confissão. Não percamos a oportunidade de viver a fé, inclusive como experiência da reconciliação. “Reconciliai-vos com Deus”: é o convite que ainda hoje dirige o Apóstolo a cada crente».

Nesta carta e nas homílias do Santo Padre, vejam-se as da última semana, há um apelo muito forte aos padres para que dediquem horas ao confessionário: «Aos sacerdotes, renovo o convite para se prepararem com grande cuidado para o ministério da Confissão, que é uma verdadeira missão sacerdotal». «O sacramento da Reconciliação precisa de voltar a ter o seu lugar central na vida cristã; para isso requerem-se sacerdotes que ponham a sua vida ao serviço do “ministério da reconciliação”». «Agradeço-vos vivamente (...) e peço-vos para serdes acolhedores com todos, testemunhas da ternura paterna não obstante a gravidade do pecado, solícitos em ajudar a reflectir sobre o mal cometido, claros ao apresentar os princípios morais, disponíveis para acompanhar os fiéis no caminho penitencial (...), generosos na concessão do perdão de Deus». «Nós, confessores, temos experiência de muitas conversões que ocorrem diante dos nossos olhos. Sintamos, portanto, a responsabilidade de gestos e palavras que possam chegar ao fundo do coração do penitente».

Seria impossível enunciar todas as vezes em que o Papa pede aos católicos para se confessarem e aos padres para estarem disponíveis.

Que Deus continua a ser o mais importante parece tão fora da realidade que os próprios católicos se surpreendem. Não admira que muitos jornais não saibam informar sobre um discurso tão surrealista. Resta saber se os católicos também olham para o Papa como se fosse um surrealista.

José Maria C.S. André
29-I-2017
Spe Deus

Autoridade

“A autoridade divina não é uma força da natureza. É o poder do amor de Deus que cria o universo e, incarnando-se no Filho Unigénito, descendo na nossa humanidade, purifica e restabelece o mundo corrompido pelo pecado”.
(…)
“Muitas vezes, para o homem, autoridade significa posse, poder, domínio, sucesso. Para Deus, pelo contrário, autoridade significa serviço, humildade, amor; significa entrar na lógica de Jesus que se inclina a lavar os pés dos discípulos, que procura o verdadeiro bem do homem, que cura as feridas, que é capaz de um amor tão grande (ao ponto) de dar a vida, porque é o Amor”

(Bento XVI – Angelus de 29.01.2012)

São José Freinademetz †1908

Giuseppe (José) Freinademetz nasceu a 15 de Abril de 1852, em Oies, um povoado de cinco casas entre os Alpes dolomitas do norte da Itália. Baptizado no mesmo dia do nascimento, herdou da família uma fé simples, porém tenaz e uma grande capacidade de trabalho.

Quando ainda cursava seus estudos teológicos, começou a pensar seriamente nas "missões estrangeiras" como uma possibilidade para a sua vida. Ordenado sacerdote em 25 de Julho de 1875, foi destinado à comunidade de São Martino di Badia, bem perto de sua terra natal, onde logo conquistou o coração de seus conterrâneos. Entretanto, a inquietação missionária não o havia abandonado. Apenas dois anos depois de sua ordenação, pôs-se em contacto com padre Arnaldo Janssen, fundador da casa missionária que logo se converteria oficialmente na "Sociedade do Verbo Divino".

Em 2 de Março de 1879 recebeu a cruz missionária e partiu rumo à China, junto com outro missionário verbita, padre João Batista Anzer. Foram anos duros, marcados por viagens longas e difíceis, sujeitas a assaltos de bandoleiros, e por árduo trabalho para formar as primeiras comunidades cristãs. Assim que conseguia formar uma comunidade, chegava a ordem do bispo para deixar tudo e recomeçar em outro lugar.

Toda sua vida esteve marcada pelo esforço de fazer-se chinês entre os chineses, a ponto de escrever aos seus familiares: "Amo a China e aos chineses; entre eles quero morrer, entre eles quero ser sepultado".

Cada vez que o bispo tinha que viajar fora da China, Freinademetz devia assumir a administração da diocese. No final de 1907, enquanto administrava a diocese pela sexta vez, surgiu uma epidemia de tifo. José, como bom pastor, prestou assistência incansável aos enfermos, até que ele próprio contraiu a doença. Voltou imediatamente a Taikia, sede da diocese, onde morreu em 28 de Janeiro de 1908. Ali mesmo o sepultaram, sob a décima segunda estação da Via Sacra do cemitério e a sua tumba logo se transformou em um ponto de referência e peregrinação para os cristãos.

Freinademetz soube descobrir e amar profundamente a grandeza da cultura do povo ao qual havia sido enviado. Dedicou sua vida a anunciar o Evangelho, mensagem do amor de Deus à humanidade e a encarnar esse amor na comunhão das comunidades cristãs chinesas. Entusiasmou muitos chineses para que fossem missionários de seus compatriotas como catequistas, religiosos, religiosas e sacerdotes. Sua vida inteira foi expressão do que foi seu lema: "O idioma que todos entendem é o amor".

(Fonte: Evangelho Quotidiano)

«Creio na comunhão dos santos»

Balduíno de Ford (? - c. 1190), abade cisterciense e posteriormente bispo
Tratado da vida cenobita

Irmãos amados, velemos com cuidado sobre tudo o que diz respeito à nossa vida comunitária, «esforçando-vos por manter a unidade do Espírito, mediante o vínculo da paz» pela «graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo» (Ef 4,3; 2Co 13,13). Do amor de Deus procede a unidade do espírito; da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o vínculo da paz; da comunhão do Espírito Santo, a comunhão necessária àqueles que vivem em comum. [...]

«Creio no Espírito Santo, na santa Igreja Católica, na comunhão dos santos» (Credo). Aqui reside a minha esperança, a minha confiança, toda a minha segurança na confissão da minha fé. [...] Se me for dado, Senhor, poder «amar-Te e amar o meu próximo» (cf Mt 22,37-39), embora os meus méritos sejam bem poucos, a minha esperança eleva-se muito acima deles. Tenho confiança que, pela comunhão da caridade, os méritos dos santos me sejam úteis e, assim, a comunhão dos santos suprirá a minha insuficiência e a minha imperfeição. [...] A caridade dilata a nossa esperança até à comunhão dos santos, na comunhão das recompensas. Mas essa diz respeito aos tempos futuros: é a comunhão da glória que será revelada em nós.

Assim, há três comunhões: a comunhão da natureza, à qual se juntou a comunhão do pecado [...]; a comunhão da graça; e, finalmente, a da glória. Pela comunhão da graça, a comunhão da natureza começa a ser restabelecida e a do pecado é excluída; mas, pela comunhão da glória, a da natureza será reparada na perfeição e a cólera de Deus será totalmente excluída, quando «o Senhor Deus enxugar as lágrimas de todas as faces» dos santos (cf Is 25,8; Ap 21,4). Então, todos os santos terão como que «um só coração e uma só alma»; e «entre eles tudo será em comum», pois Deus será «tudo em todos» (cf Act 4,32; 1Co 15,28). Para que cheguemos a essa comunhão e nos assemelhemos na unidade, «que a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam sempre connosco. Ámen».

sábado, 28 de janeiro de 2017

Crónica da eleição do novo Prelado (legendado)

Um novo rumo para o Opus Dei?

O novo prelado, Mons. Fernando Ocáriz, já definiu os objectivos pastorais do Opus Dei para os próximos anos: os jovens, a família, a luta contra a pobreza e os doentes em sintonia com o Papa Francisco

Medalha oferecida pelo Santo Padre e enviada com a nomeação
Desde o passado dia 23, o Opus Dei tem um novo prelado: Mons. Fernando Ocáriz que, até à morte do seu antecessor, tinha sido vigário auxiliar da prelatura. Foi formalmente nomeado prelado pelo Papa Francisco, no próprio dia da sua eleição por representantes dos fiéis da prelatura do mundo inteiro.

A rapidez da eleição, confirmação e nomeação não é de estranhar: há já alguns anos que Mons. Ocáriz governava a prelatura, pois o anterior prelado, D. Javier Echevarria, nele tinha delegado praticamente todas as suas competências, com excepção das que implicavam o exercício da sua condição episcopal. Primeiro, como vigário geral do Opus Dei e, depois, como vigário auxiliar, o P. Fernando Ocáriz já era bem conhecido por Francisco, dada também a grande proximidade, efectiva e afectiva, do Opus Dei a todos os pontífices romanos, nomeadamente o actual papa. É consultor, desde 1986, da Congregação para a Doutrina da Fé e, desde 2003, da Congregação para o Clero. É também membro, há mais de vinte cinco anos, da Academia Pontifícia de Teologia.

Um novo prelado e, talvez, um novo rumo para a prelatura. Ao seu antecessor, Echevarria, se ficou a dever uma muito significativa mudança de estilo, sobretudo no que respeita à nem sempre fácil relação do Opus Dei com as outras instituições eclesiais e com os meios de comunicação social. Como escreveu, a este propósito, John L. Allen Jr., “os entendidos sobre o Opus Dei afirmavam a existência de uma profunda fissura, na instituição, entre uma prática da discrição e uma cultura da transparência, defensora de uma atitude de abertura e de divulgação da vida interna e da filosofia da instituição, na convicção de que a realidade é preferível à mitologia e à ‘lenda negra’ que, entretanto, se tinha difundido”.

John Allen, vaticanista não só não conotado com o Opus Dei como autor de uma obra crítica sobre esta controversa instituição eclesial (Opus Dei, Um olhar objectivo para além dos mitos da realidade da mais controversa força da Igreja católica, Alêtheia 2005), atribuiu ao anterior bispo e prelado um papel determinante nesta abertura: “Como prelado, Echevarria apostou decisivamente na transparência e o resultado foi uma rápida ‘normalização’ do estatuto do Opus Dei dentro da Igreja católica e a correspondente diminuição do nível de controvérsia e de animosidade. Quando Echevarria iniciou o seu mandato, havia ainda muitos bispos católicos que desconfiavam de qualquer iniciativa relacionada com o Opus Dei, mas em 2016 esse temor desapareceu quase completamente. Agora, a grande maioria dos bispos e dos responsáveis da Igreja olham para o Opus Dei como olham para a Cáritas ou para os Salesianos, ou seja, simplesmente como mais uma peça no mobiliário da sala de estar católica”.

É verdade que o Opus Dei foi muito atacado e incompreendido em termos mediáticos e talvez ainda hoje o seja por pessoas menos informadas, ou mal-intencionadas. Muitas das críticas dirigidas contra o espírito e a praxe da prelatura mais não são do que a reedição dos ataques que, em eras passadas, foram igualmente feitos a outras instituições eclesiais, que foram também, a seu tempo, inovadoras, como as ordens mendicantes ou os jesuítas. Segundo Allen, o Opus Dei também teve alguma culpa nessa desinformação, porque tinha “o que muitos consideravam a informação mais disfuncional de toda a Igreja Católica, recusando, por princípio, até mesmo responder a perguntas legítimas e, por essa via, alimentando imagens negativas” da própria instituição.

Graças a Echevarria, a situação inverteu-se totalmente: o Opus Dei deixou de ser a instituição eclesial com pior informação, para ser a que se considera, em Roma e segundo Allen, a melhor. “Na actualidade, a Universidade della Santa Croce, que o Opus Dei dirige em Roma, promove um curso de formação para jornalistas de todo o mundo, que informam sobre o Vaticano e a Igreja Católica, o ‘Church up close’. Provavelmente, qualquer responsável católico que precise de ajuda para resolver problemas de comunicação, a primeira coisa que tem a fazer é telefonar a alguém do Opus Dei. Tudo isto – conclui John Allen – foi o resultado de uma política iniciada e confirmada por Echevarria e que se baseia no princípio: ‘nada temos a ocultar, porque nada temos a temer’”.

Com o novo prelado, uma nova etapa se inicia na história do Opus Dei. De nacionalidade espanhola, como o fundador e os seus dois primeiros sucessores, Mons. Ocáriz nasceu em 1944 em Paris, cidade onde a sua família, de tradição republicana, se exilou, por motivos políticos, durante o franquismo. Mais tarde regressou a Espanha, onde se licenciou em Física, na Universidade de Barcelona. Depois, licenciou-se em Teologia na Universidade Lateranense, em Roma, tendo posteriormente obtido o respectivo doutoramento. Ocáriz é autor de uma notável obra teológica, mas também abordou temas filosóficos, como o seu Marxismo, teoria e praxis de uma revolução, que é, talvez, um dos melhores estudos sobre esta ideologia; e Voltaire, tratado sobre a tolerância.

São Josemaria era sobretudo um carismático e os seus dois primeiros sucessores – os bispos prelados Portillo e Echevarria – foram também mais práticos do que especulativos. Ocáriz poderá enriquecer o carisma fundacional com a sua própria perspectiva filosófica e teológica, por forma a dinamizar o diálogo com a cultura pós-moderna e a potenciar a acção apostólica dos fiéis da prelatura, em todos os ambientes profissionais.

O novo prelado, na sua primeira conferência de imprensa, logo após a sua eleição e nomeação pontifícia, enumerou os objectivos pastorais a que vai dar prioridade: os jovens, a família, a luta contra a pobreza e os doentes, em total sintonia com o pontificado do Papa Francisco. Inicia-se assim uma nova etapa na história da prelatura do Opus Dei, na fidelidade ao carisma fundacional e ao espírito do Vaticano II, ao serviço da Igreja, da paz e da justiça social.

Pe. Gonçalo Portocarrero de Almada in Observador AQUI
(seleção de imagens 'Spe Deus')