N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Queremos ver com olhos limpos

Que formosa é a santa pureza! Mas não é santa, nem agradável a Deus, se a separarmos da caridade. A caridade é a semente que crescerá e dará frutos saborosíssimos com a rega que é a pureza. Sem caridade, a pureza é infecunda, e as suas águas estéreis convertem as almas num lodaçal, num charco imundo, donde saem baforadas de soberba. (Caminho, 119)

É verdade que a caridade teologal é a virtude mais alta, mas a castidade é a exigência sine qua non, condição imprescindível para chegar ao diálogo íntimo com Deus. Quem não a guarda, se não luta, acaba por ficar cego. Não vê nada, porque o homem animal não pode perceber as coisas que são do Espírito de Deus .

Animados pela pregação do Mestre, nós queremos ver com olhos limpos: bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

A Igreja sempre apresentou estas palavras como um convite à castidade. Guardam um coração sadio, escreve S. João Crisóstomo, os que possuem uma consciência completamente limpa ou os que amam a castidade. Nenhuma virtude é tão necessária como esta para ver a Deus(Amigos de Deus, 175)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1931

Escreve: “Jesus quis-me sempre para Ele - explicarei isto melhor noutra altura -, por isso me ensombrou todas as festas, pôs amargura em todas as minhas alegrias, fez-me sentir os espinhos de todas as rosas do caminho... E eu, cego: sem ver, até agora, a predilecção do Rei, que, durante toda a minha a vida, marcou a minha carne e o meu espírito com o selo real da Santa Cruz”.

O principal alimento é Deus

“A caridade está profundamente ligada ao anúncio do Evangelho, praticá-la não é só dar comida e bens materiais, mas oferecer Deus também. (…) É muito importante expressar que a fome que hoje padecemos é não termos Deus na nossa vida, na nossa sociedade, o principal alimento é Deus. Portanto a caridade hoje não é apenas agir em ação social para praticar assistência material, mas na verdade levar o Evangelho às pessoas.

Cardeal Robert Sarah

(tradução a partir do inglês da responsabilidade de JPR)

Viver na Sabedoria do Espírito Santo

Na Igreja existe, e é muito comum, um espírito contrário à sabedoria de Deus: o espírito da curiosidade.

Esta tentação nos acomete quando queremos nos apropriar dos projetos de Deus, do futuro, das coisas; quando queremos conhecer tudo e tomar conta de tudo. 

A curiosidade afasta-nos do Espírito da sabedoria, porque leva em conta apenas os detalhes, as notícias, as pequenas novidades de todos os dias. O espírito da curiosidade não é um bom espírito: dispersa, afasta de Deus, faz falar demais...

O espírito da curiosidade é mundano e provoca confusão. (...) Os verdadeiros cristãos e cristãs que vivem na sabedoria do Espírito Santo. Esta é a sabedoria que nos guia com espírito inteligente, santo, único, múltiplo e subtil.

O espírito de Deus ajuda-nos a discernir, a tomar decisões segundo o coração de Deus. Este espírito de amor e fraternidade nos dá paz, sempre! A santidade é exatamente isso. O que Deus pede a Abraão: ‘Caminha na minha presença e sê irrepreensível’. Prosseguir sob o impulso do Espírito de Deus e desta sabedoria. Os homens e mulheres que caminham assim são sábios, porque procedem sob a moção da paciência de Deus.

Papa Francisco - excertos homilia na Capela do Espírito Santo da Casa de Santa Marta 14.11.2013

A Sabedoria e o Professor

«[A Sabedoria] é um resplendor da luz externa, um espelho sem mancha da actividade de Deus, uma imagem da Sua bondade»

(Livro da Sabedoria 7,26)

«Não há melhor ensino que o exemplo do professor! (…). Falai com sabedoria, instruí com toda a eloquência possível (…), mas o vosso exemplo causará uma impressão mais forte e mais decisiva (…). Quando as vossas obras forem consequentes com as vossas palavras, não haverá que se vos possa objectar»

(São João Crisóstomo - Homilia sobre Epístola de S. Paulo aos Filipenses, ad loc)

O Evangelho do dia 14 de novembro de 2016

Sucedeu que, aproximando-se eles de Jericó, estava sentado à beira da estrada um cego a pedir esmola. Ouvindo a multidão que passava, perguntou que era aquilo. Disseram-lhe que era Jesus Nazareno que passava. Então ele clamou: «Jesus, Filho de David, tem piedade de mim!». Os que iam adiante repreendiam-no para que se calasse. Porém, ele, cada vez gritava mais: «Filho de David, tem piedade de mim!». Jesus, parando, mandou que Lho trouxessem. Quando ele chegou, interrogou-o: «Que queres que te faça?». Ele respondeu: «Senhor, que eu veja». Jesus disse-lhe: «Vê; a tua fé te salvou». Imediatamente, recuperou a vista, e foi-O seguindo, glorificando a Deus. Todo o povo, vendo isto, deu louvores a Deus.

Lc 18, 35-43