Natal

Natal
Vinde, Senhor Jesus! Estamos ansiosos pela vossa chegada para proclamarmos de novo o nascimento do Filho de Deus Pai

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

'Profetas há muitos'

São deste tipo alguns políticos, que nunca conseguiram ser eleitos, alguns ex-governantes ressabiados por terem sido apeados do poder

É infalível como o destino: sempre que se conclui um ano surgem, a par das inevitáveis retrospectivas fotográficas, as profecias para o novo ciclo. Nas rádios e televisões, nos jornais e nos blogues, não há quem não dê o seu palpite, mais ou menos sábio ou prudente. Os vaticínios são de todo o tipo: desde as ponderadas análises dos comentadores oficiosos, até às aldrabices dos tolos, no seu estado mais puro e bruto.

O que há mais, sobretudo na comunicação social, é profetas de desgraças, porque a desgraça vende bem. Por exemplo, a esperada pandemia da gripe A foi manchete, até ao seu estrepitoso malogro. O aquecimento global deu que falar mas, mais uma vez, a montanha pariu um rato e, mesmo esse, simplesmente morno. Também a ameaçadora gripe das aves, que tinha todos os ingredientes para ser a peste bubónica do terceiro milénio, não resultou, porque as ditas não aderiram, ou porque tinham sido prevenidas, ou porque já estavam vacinadas. Mas uma catástrofe é sempre um bom negócio, um óptimo produto mediático e, por isso, os correspondentes profetas têm sempre assegurada a mais ampla publicidade para os seus tremendos augúrios

Dados estes e outros insucessos, há quem prefira apostar em vaticínios seguros, para garantir o negócio e a fidelização da clientela. Sem cair no exagero do provérbio – «chuva em Novembro, Natal em Dezembro» – cuja autenticidade os especialistas em sabedoria popular não confirmam, os astrólogos cultivam um tipo de profecias deste género. As suas previsões são sempre cautelosas e infalíveis: «nesta semana, importa cuidar da sua saúde!». Não se pense que é fácil acertar no horóscopo de um determinado signo pois que, embora pareça uma verdade de La Palice, na realidade esconde um profundo conhecimento do futuro. E, por incrível que pareça, dá sempre certo. Formidável, não é? É o que dá ser a astrologia uma ciência exacta.

Outro tipo de profecias muito em voga e não menos certeiras, são as retroactivas. Nestes casos, como o próprio nome esclarece, o prudente visionário, já não necessariamente um vidente encartado, não se antecipa ao facto mas, uma vez verificado o acontecimento, afirma triunfalmente: «eu sempre disse que isto ia acontecer!». Se o não disse logo que teve essa premonitória intuição, não foi por cobardia ou acanhamento, mas para poupar aos outros a humilhação correspondente.

Não é menos corrente a modalidade portuguesa, o adivinho lusitano, vulgus velho do Restelo. Requer-se, para o caso, uma voz grave, cheia de enigmáticos silêncios, a apontar para fatídicos malefícios: «Isto vai mal!». E, caso alguém manifeste alguma incredulidade ante o seu pessimismo crónico, o profeta nacional não só não desiste como insiste: «Isto está muito mal!». E está tudo dito.

São deste tipo alguns políticos, que nunca conseguiram ser eleitos, alguns ex-governantes ressabiados por terem sido apeados do poder e que, por isso, agora barafustam contra o escândalo da governação. Também os há nas lides desportivas: são os treinadores de bancada que, mesmo sem nunca terem dado nenhum pontapé na bola, marcam imaginários golos na grande área do seu lúcido e profético discernimento, ao mesmo tempo que se insurgem contra a inépcia dos jogadores em campo, pela sua manifesta incapacidade de realização das suas geniais tácticas. Para já não falar das menos canónicas referências ao treinador titular, ao árbitro e respectivas progenitoras.

Decididamente, o nosso problema não é de falta de profecias, nem de profetas de mau agoiro. Falta apenas quem trabalhe e, já agora, quem saiba apoiar e animar os órgãos de soberania, a administração pública, a família, o ensino, as empresas e todos os âmbitos da actividade humana. Em poucas palavras, a selecção que somos todos nós.

Gonçalo Portocarrero de Almada

Sem comentários: