N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Viver é abdicar

Podemos conhecer o coração de alguém pelas suas afeições... mas talvez lá se consiga chegar melhor através de uma análise àquilo de que desistiu, o que decidiu não querer...

Na vida humana nada está determinado à partida senão a liberdade com que nos é aberto um universo infinito de possibilidades. A sublime beleza e o absoluto valor da nossa existência residem na radical autonomia em que nos é dado elegermo-nos.

Não há destino, mas escolher é sempre preferir uma opção em desfavor de todas as outras. Cada homem escreve o seu próprio fado. Um só. Do princípio ao fim.

A existência humana é uma viagem feita de escolhas. A vida implica a necessidade de, a cada momento, decidirmos sempre cada um dos nossos passos. Podemos ir em qualquer direção, podemos até decidir não nos mover, seguir num rumo e depois noutro, até para trás... passos mais largos ou mais prudentes... podemos escolher tudo, menos deixar de escolher.

É sempre possível recomeçar. Sempre. Mas nunca do exato ponto onde já escolhemos e fomos. Seremos sempre novos a cada instante e ninguém se demora mais numa hora que noutra, nem pode vivê-la mais do que uma vez...

O tempo faz-nos voar e a trajetória revela a nossa identidade... na separação que introduz entre aquilo que preferimos e aquilo de que abdicamos.

Podemos conhecer o coração de alguém pelas suas afeições... mas talvez lá se consiga chegar melhor através de uma análise àquilo de que desistiu, o que decidiu não querer... afinal, o que é, e que valor tem, aquilo que abandonou para cumprir o que escolheu?

Tudo se complica muito mais porque as escolhas não são sempre feitas entre o bem e o mal... boa parte das vezes a vida exige-nos que escolhamos um de entre dois bens ou um de entre dois males... o erro e o arrependimento são fáceis e quase garantidos... a felicidade parece impossível... ao homem nunca cabe o lugar de Deus, mas, ainda assim, sem saber distinguir essências de aparências, é possível escolher (o) bem!

A responsabilidade é a capacidade de assumirmos as razões e emoções que são ou foram causa de um ato nosso. Podemos revelar a nossa grandeza mesmo quando erramos e o assumimos de forma refletida. Somos tudo quanto preferimos e preterimos, somos as nossas faltas mas também a capacidade que temos de aprender com elas.

Há quem nunca ceda à tentação suprema de considerar tudo absurdo e a felicidade impossível, há quem nunca desista de aceitar que tudo tem sentido ainda que a ele se possa aceder já... há quem faça o seu caminho daqui para o céu na certeza íntima de que este mundo não é o seu.

São muitos os que querem conhecer as modas para nunca se afastar do caminho da multidão, entram no comboio só por ver os outros a fazê-lo... mas há também quem escolha fazer um caminho por onde nunca ninguém foi... nenhuma das opções é certa, nenhuma é errada... só quem desiste de si é que nunca se encontrará.

Quem se aproxima de um destino, afasta-se da sua origem... troca o valor do que elege pelo valor do que resigna. Mas, o que move alguém que se encontra no caminho entre A e B? Será a vontade de B? ou o medo de A? Se o amor é um excelente motor das nossas ações, o medo também o é... o que resulta numa tremenda confusão: há quem finja amar com medo da solidão e quem viva na verdadeira solidão com medo do amor... há quem tema tudo... e quem ame sem medo de nada.

No amor, há quem encontre o sentido último da existência.

Por amor, há quem entregue a própria vida.

José Luís Nunes Martins

Sem comentários: