N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Elogio da soberba cristã

Não falta quem, com mais ou menos razão, deplore as fraquezas dos cristãos. Sem dúvida, todos as temos, talvez não tantas nem tão graves quanto as de outros, mas decerto mais e piores do que as que seriam de esperar em verdadeiros discípulos de Cristo e membros da sua Igreja. São deploráveis esses maus exemplos, sobretudo é de lamentar que haja cristãos vaidosos de mais das suas pessoas e soberbos de menos da grandeza e dignidade da sua condição cristã.

O generalizado complexo de inferioridade de muitos fiéis deve-se a carências da sua formação doutrinal, à sua ignorância em relação à história da Igreja e à manipulação laicista do passado cristão. De facto, não há nenhuma religião, ou Estado, que não tenha bem piores antecedentes, mas a história moderna teima em só recordar as culpas dos católicos, que acusa de alguns eventuais faltas que, diga-se de passagem, são poucas e sempre as mesmas: as cruzadas, a Inquisição, Galileu e pouco mais.

O mesmo, porém, já não acontece em relação à história nacional, em que não faltam, como é natural, episódios lamentáveis. Recorde-se, por exemplo, o horror do suplício dos Távoras, com requintes de crueldade piores do que os praticados pelo Santo Oficio; a brutalidade anticlerical da primeira República, que até sequestrou e aterrorizou os inocentes videntes de Fátima, ainda crianças; ou, ainda, as terríveis torturas da PIDE, mais brutais do que as penas a que foi condenado Galileu. Apesar desses percalços, não há cidadão português que seja digno desse nome e que repudie a história pátria que, como é natural, tem muitas luzes e algumas sombras.

É algo paradoxal que alguns cristãos se envergonhem da sua fé, a que a cultura, a arte e a técnica tanto devem, mas não da modernidade, que foi cúmplice das aventuras totalitárias do fascismo, do nazismo e do comunismo. Há quem sinta desconforto em se afirmar católico, mas ninguém renega o seu país, nem o seu tempo, embora não sejam isentos de algumas culpas.

Urge, portanto, promover, pela verdade na caridade, a auto-estima dos cristãos, incitando-os ao santo orgulho da sua condição de fiéis da Igreja. Não se trata de fomentar qualquer atitude de vanglória individual, que seria obviamente anticristã e humanamente disparatada, mas uma renovada consciência da grandeza histórica da realidade eclesial. Ser católico quer dizer ser herdeiro, representante e protagonista, pela graça de Deus e sem mérito próprio, da mais antiga, consistente e eficaz instituição cultural, responsável pela mais extensa e qualificada rede de assistência humanitária.

Esta comunidade, no dizer inspirado do primeiro Papa, é «uma geração escolhida, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo adquirido por Deus» (1Pd 2,9). Sobretudo graças à plêiade imensa dos bem-aventurados, que a Igreja celebra no dia 1 de Novembro, a solenidade de todos os Santos. São esses inumeráveis mártires, confessores da fé, pastores, religiosos e leigos que atestam, historicamente, a grandeza do dom que na Igreja resplandece. Esta mesma assembleia, que é pecadora nos seus fiéis militantes, é santa nos seus membros triunfantes, que são para a comunidade dos crentes, bem como para toda a humanidade, motivo de um justo orgulho.

Alguém malevolamente disse, de outrem, que era muito humilde … e que tinha muitas razões para o ser! Nós, católicos, não podemos deixar de ser individualmente humildes, mas temos também de cultivar, em honra dos nossos santos, um legítimo orgulho. Graças a eles, é firme a nossa esperança e profunda a nossa alegria, sobretudo no 1º de Novembro, que bem poderia ser o dia da soberba cristã.

Pe. Gonçalo Portocarrero de Almada

Sem comentários: