N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Estava na prisão e foste ver-me

Hoje falamos sobre as pessoas que estão detidas nas prisões.

A humanidade foi construindo - desde tempos imemoriais - sistemas de defesa da sociedade cada vez mais complexas e refinadas.

Entre esses sistemas avulta a prisão dos que de uma forma ou outra têm de ser retirados do convívio social dado o seu comportamento.

Parece justo e, talvez, adequado.

Mas acontece, na grande maioria dos casos que esta medida pouco ou nada resulta na correcção e melhoria do comportamento.

Duas razões principais se podem desse já aduzir:

A primeira será inevitavelmente que a prisão seja aceite como um castigo justo e merecido;

A segunda que haja parte da pessoa arrependimento pelo mal feito que a levou a tal situação.

Não se trata aqui de apreciar nem as leis nem os métodos mas sim e unicamente das pessoas que estão detidas.

Exactamente: são pessoas, seres humanos com a mesma dignidade e direitos que qualquer outra.

Nós cristãos pensamos a sério mas palavras de Cristo quando diz «estava preso e foste ver-me»
[i]?

E lembramos como começa este discurso: «
Vinde, benditos de Meu Pai, possuí o reino que vos está preparado desde a criação do mundo» [ii]?

É como todos sabemos uma das Obras de Misericórdia, equiparada portanto a matar a fome, vestir, consolar, enxugar as lágrimas.

Mas visitar alguém detido numa prisão não é “coisa fácil” envolve uma preparação e estado de espírito muito especiais e concretos.

Talvez isto não seja para mim…
Não sei como fazer…

Perguntas que têm resposta se deveras nos empenhar-mos em obter os esclarecimentos que possamos necessitar.

Posso garantir, porque assim me foi dito por alguém que recentemente viveu uma experiência singular numa prisão feminina, que o que se recebe é incomparavelmente mais que o que se dá.

(ama, reflexões no Ano Jubilar da Misericórdia, 06.07.2016)

[i] Cfr Mt 25, 36
[ii] Cfr. Mt 25, 34

Sem comentários: